REVISÃO BIBLIOGRÁFICA – CARCINOMA INDIFERENCIADO DA TIREÓIDE

Palavras-chave: Câncer, Tireóide, Indiferenciado, Anaplásico.

Resumo

O câncer de tireoide é a neoplasia maligna mais comum do sistema endócrino, corresponde a 1% de todos os tumores malignos na faixa etária dos 30 aos 74 anos. Os carcinomas indiferenciados ou anaplásicos correspondem a cerca de 1,6-14% das neoplasias malignas da glândula tireoide. O presente estudo é uma pesquisa bibliográfica, retrospectiva, pautada na consulta de dados secundários disponibilizados em livros e sites; onde foram utilizadas as bases de dados online BIREME, LILACS, SciELO e GOOGLE ACADÊMICO. O carcinoma anaplásico da tireoide pode surgir de novo ou a partir da desdiferenciação de células tumorais mais diferenciadas, como células tumorais papilares ou foliculares, devido ao acumulo de alterações genéticas. O diagnóstico é confirmado através da PAAF (punção aspirativa com agulha fina), entretanto, os resultados podem ser inconclusivos, devido à presença de hemorragia, fibrose e necrose no tumor. O carcinoma anaplásico de tireoide pode ser confundido com outras neoplasias tireoidianas como o carcinoma medular, o linfoma não-Hodgkin e a variante insular do carcinoma folicular, principalmente quando se apresentam na forma histológica de células pequenas. Foi evidenciado que as atuais opções terapêuticas para o carcinoma anaplásico de tireoide são pouco satisfatórias. A cirurgia seguida de quimio-radioterapia é a mais aceite, podendo prolongar a sobrevida destes pacientes. Sugere-se também que o tratamento combinando cirurgia, radioterapia e quimioterapia traz os melhores resultados.      
Seção
Revisões de Literatura