O ENSINO E APRENDIZAGEM NO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

Palavras-chave: Educação Física a distância, Ensino Superior, Formação Inicial

Resumo

A finalidade desta pesquisa versa em compreender como são construídas as ações didáticas que envolvem o curso de Educação Física na modalidade a distância, oferecido pela Universidade Federal do Amazonas, no Campus do município de Parintins-AM. A metodologia adotada foi baseada no paradigma qualitativo, mediante a análise e discussão dos dados foram amparados pela técnica da análise de conteúdo. Os sujeitos da pesquisa foram dezesseis estudantes que cursam o último período do curso e um tutor presencial. Apesar de ter na unidade universitária professores presenciais e tutores onlines, optamos, pois, em trabalhar apenas com as categorias estudantes e tutor presencial.  Os dados apontaram para fragilidades que atentam diretamente à qualidade do curso pesquisado. Dentre as fragilidades mais recorrentes estão a falta de acompanhamento sistemático no ambiente online e nos estágios supervisionados no campo de atuação desses estudantes e a falta de diálogo entre professores e estudantes nas interfaces.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Maximo Purificação, Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior (UNIFIMES)

Doutorado em Ciências da Religião (PUC/GO). Mestrado em Ciências Educacionais (IEPG EST). Graduação em Filosofia (FBB). E-mail: maximo@fimes.edu.br.

Leandro Jorge Duclos da Costa, Universidade Estadual de Goiás

Doutorado em Ciências da Educação pela Universidade de Coimbra (UC – Portugal). Mestrado em Educação (UNESA). Graduação em Licenciatura Plena Em Educação Física (UCB/RJ). Professor Titular na Universidade Estadual de Goiás (UEG). E-mail: leandroduclos@hotmail.com.

Maria Teresa Ribeiro Pessoa, Universidade de Coimbra

Doutora em Educação pela Universidade de Coimbra –UC. Professora Associada na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação – FPCE, da Universidade de Coimbra –UC. E-mail: tpessoa@fpce.uc.pt.

Maria Luzia da Silva Santana, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutorada em Psicologia (UCB/DF). Mestrado em Psicologia (UCB/DF). Graduação em Pedagogia (UNIFAN). Professora na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e Líder do Grupo de Estudo e Pesquisa em Psicologia, Neurociências e Educação (GEP – PNEdu). E-mail: santanapsi@gmail.com.

Referências

ALVES, L. R. Trilhando os caminhos da didática online. Recife: XIII ENDIPE, 2006.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições, 1977.

GARRISON, D. R. .Three generations of technological innovations in distance education. Distance Education, v. 6, number 2, 1985.

GOMES, M. J. . Gerações de Inovação Tecnológica no Ensino a Distância. In: Revista Portuguesa da Educação, 2003. Consultado em janeiro de 2014, em http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/496/1/MariaJoaoGomes.pdf

HAYDT, Regina Cazaux. Avaliação do Processo Ensino – Aprendizagem. São Paulo: Ática, 5. Edição, 1995.

FELDKERCHER, Nadiane; MANARA, Alecia Saldanha. O uso das tecnologias na educação à distância pelo professor tutor = (Use of technology in distance education for teacher tutor). RIED : revista iberoamericana de educación a distancia, (15, n.2), 2012, p. 31-52.

KENSKI, Vani Moreira. O Desafio da Educação a Distância no Brasil. 2010. Consultado em 26 janeiro de 2014 em: http://www.ufjf.br/revistaedufoco/files/2010/02/011.pdf

LAGARTO, J. Ambientes digitais e aprendizagem no ensino superior: estudo de caso de uso do Moodle, 2013. Trabalho apresentado em VIIConferência Internacional de TIC na Educação, In Atas da VII Conferência Internacional de TIC na Educação, Braga. Disponível em: https://ucp.academia.edu/joselagarto acessado em maio de 2015.

LITTO, F.; FORMIGA, M. (orgs). Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2009.

Publicado
2018-08-01
Como Citar
PURIFICAÇÃO, M. M.; COSTA, L. J. D. DA; PESSOA, M. T. R.; SANTANA, M. L. DA S. O ENSINO E APRENDIZAGEM NO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA. Revista Observatório, v. 4, n. 5, p. 579-596, 1 ago. 2018.

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)