Comunicólogo que brinca comunica mais?

Palavras-chave: Brincar, educação, exercício profissional

Resumo

O artigo trata da utilização de brinquedos e brincadeiras como recurso de aprendizagem no Ensino Superior. A pesquisa partiu de oficinas realizadas há sete anos, na disciplina "Elementos de Realidade Regional e Brasileira Contemporânea", do Curso de Comunicação Social da Universidade Católica de Brasília. Verificaram-se influências no cotidiano e exercício profissional de sete ex-alunos que haviam participado das oficinas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivany Câmara Neiva, Universidade Católica de Brasília

Vive em Brasília, tem duas filhas. É bacharel e licenciada em Ciências Sociais (habilitação em Sociologia e Antropologia), Mestre em Sociologia (dissertação: Outro lado da Colônia: contradições e formas de resistência popular na Colônia Agrícola de Goiás) e Doutora em História Cultural (tese: Imaginando a Capital: cartas a JK 1956 a 1961) , pela Universidade de Brasília. Entre 1998 e 2013, foi professora e pesquisadora do Curso de Comunicação Social da Universidade Católica de Brasília - UCB e, a partir de 2012, também do Curso de Arquitetura e Urbanismo. De dezembro de 2009 a dezembro de 2011, foi professora visitante no Centro de Excelência em Turismo CET, da Universidade de Brasília. Desenvolve atividades de docência, pesquisa, extensão e gestão acadêmica, especialmente nas áreas de História Cultural, Comunicação Social, Sociologia Urbana e Turismo, em temas referentes a memória, história oral, imagem, comunicação, cultura popular, vida urbana, história do Distrito Federal, aprendizagem. E-mail: ivacomunica@gmail.com.

Aluízio Augusto, Universidade Católica de Brasília

Graduando em Comunicação Social pela Universidade Católica de Brasília (UCB). E-mail: aluizioaugusto@gmail.com.

Referências

ADORO CINEMA (sobre filme Tarja Branca). Disponível em http://www.adorocinema.com/filmes/filme-229187/trailer-19538718/. Acesso em 02.08.2015.

ALCOFORADO, Luis Carlos. Educação brasileira: velhos vícios. Correio Braziliense, Brasília, 02.02.2015. p.11.

ARENHART, Deise. Contribuições de Florestan Fernandes ao estudo das culturas infantis. Disponível em http://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/16553/16553.PDFXXvmi=. Acesso em 02.08.2015.

AZEVEDO, Gislane. O professor e a educação do século 21. Correio Braziliense, Brasília, 15.10.2014. p.21.

BAER, ULRICH (org.). Cartas do poeta sobre a vida: a sabedoria de Rilke. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

BAKHTIN, Mikail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. 5.ed., 1a reimpressão. São Paulo: Hucitec, 2002.

BALLONE, GJ. Síndrome de Burnout. In PsiqWeb. Disponível em http://www.psiqweb.med.br/site/?area=NO/LerNoticia&idNoticia=70. Acesso em 02.08.2015.

BENJAMIN, Walter. Brinquedo e brincadeira. In: Obras Escolhidas. Magia e Técnica, Arte e Política. Vol. 1. São Paulo: Brasiliense, 1994.

­­­­­­______. Reflexões sobre a criança, o brinquedo e a educação. São Paulo: Editora 34, 2009.

CARA, Daniel. PNE completa um ano, mas precisa sair do papel. Blog do Daniel Cara. Publicado em 26.06.2015. Disponível em http://danielcara.blogosfera.uol.com.br/2015/06/24/pne-completa-um-ano-mas-precisa-sair-do-papel/. Acesso em 02.ago.2015.

CINECLICK (sobre filme Tarja Branca). Disponível em http://www.cineclick.com.br/tarja-branca-a-revolucao-que-faltava. Acesso em 02.08.2015.

COMISSÃO DE PROFESSORES. Carta aberta ao Ministro Cid Gomes. Correio Braziliense, Brasília, 10.02.2015. p.3.

CORTELLA, Mário Sérgio. Os alunos não são mais os mesmos. In Novos Paradigmas da Educação (vídeo). São Paulo: Atta Mídia e Educação, 2003.

D´ÁVILA, Cristina e VEIGA, Ilma Passos Alencastro (orgs.). Didática e docência na educação superior: implicações para a formação de professores. Campinas, SP: Papirus, 2012.

DUARTE, Mauricio. O básico do básico. Disponível em http://www.revistadacultura.com.br/revistadacultura/detalhe/14-09-04/A_base_do_b%C3%A1sico.aspx. Acesso em 02.08.2015.

DUARTE JUNIOR, João-Francisco. O que é realidade. 10.ed., 5.reimpr. São Paulo: Brasiliense, 2004. (1ª edição: 1984).

______. O sentido dos sentidos: a educação (do) sensível. Disponível em http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000211363. Acesso em 02.08.2015.

ECO, Umberto. O nome da rosa. Rio de Janeiro: Record, 2009.

FERNANDES, Florestan. As Trocinhas do Bom Retiro: contribuição ao estudo folclórico e sociológico dos grupos infantis. In: ______. Folclore e mudança social na cidade de São Paulo. 2.ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 1979.

FREIRE, Paulo. Ação Cultural para a Liberdade e Outros Escritos. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

______. Pedagogia da Autonomia - saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREITAS, Fidalgo de. O esgotamento (burnout) nos professores. Millenium on line n0 15. Jul. 1999. Disponível em http://www.ipv.pt/millenium/15_spec1.htm. Acesso em 02.08.2015.

GOMES, Patrícia. Professor precisa abrir a cabeça, diz José Pacheco. Disponível em http://porvir.org/porpessoas/para-inovar-e-preciso-professor-abra-cabeca-diz-jose-pacheco/20120522. Acesso em 02.08.2015.

GUIMARÃES, Renato S.. Como as escolas transformam crianças em adultos medíocres - uma reflexão acerca do sistema educacional que desperdiça talentos e faz do estudo um desprazer. Disponível em https://medium.com/brasil/como-as-escolas-transformam-criancas-em-adultos-mediocres-d405498a8309. Acesso em 02.08.2015.

LIBÂNEO, José Carlos. Adeus professor, adeus professora? novas exigências educacionais e profissão docente. São Paulo: Cortez, 1998.

NEVES, J. Re: sobre o brincar. [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por ivacomunica@gmail.com em 14 fev. 2015.

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA. Águas Claras, DF: mimeo., novembro de 2008.

RABÊLLO, R.S. Reflexões sobre arte e ludicidade na formação e atuação docentes. In: D´ÁVILA, C. e VEIGA, I.P.A. Didática e docência na educação superior. Campinas, SP: Papirus, 2012.

RÊSES, Erlando da Silva. De vocação para profissão. Sindicalismo docente da educação básica no Brasil. Brasília: Paralelo 15, 2015.

SANTOS, Andrey G.. Educação: ensino precisa passar por renovação urgente! Disponível em http://www.profissionaisti.com.br/2015/01/educacao-ensino-precisa-passar-por-renovacao-urgente/ (06.01.2015). Acesso em 02.08.2015.

SAVIANI, Dermeval. Florestan Fernandes e a educação. Estud. av., São Paulo, v. 10, n. 26, Abr. 1996. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40141996000100013. Acesso em 02.08.2015.

SILVA, Maria Alice Setúbal (org.). Memórias de brincadeiras na cidade de São Paulo nas primeiras décadas do século XX. São Paulo: Cortez/CENPEC, 1989.

SOARES, Vilhena. Curiosidade é o motor da aprendizagem. Correio Braziliense, Brasília, 25.01.2015. p.18.

SUERTEGARAY, Paloma. A mágica missão de ensinar as crianças. Correio Braziliense, Brasília, 03.02.2015. p.26.

STEFANEL, Xandra. Filme 'Tarja Branca' propõe revolução pela brincadeira. Disponível em http://www.redebrasilatual.com.br/entretenimento/2014/06/tarja-branca-propoe-uma-revolucao-pela-brincadeira-9425.html. Acesso em 02.08.2015.

TAVARES, Bráulio. Crônicas. In Jornal da Paraíba. Disponível em http://www.jornaldaparaiba.com.br/coluna/brauliotavares. Acesso em 02.08.2015.

TRINDADE, Naira. Atraso generalizado. Correio Braziliense, Brasília, 09.12.2014. p.7.

VYGOTSKY, Lev S. A formação social da mente. 6.ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

b) Filmográficas

O PERIGO DA HISTÓRIA ÚNICA. Chimamanda Adichie. TedGlobal, 2009. Disponível em http://www.ted.com/talks/lang/pt/chimamanda_adichie_the_danger_of_a_single_story.htm. Acesso em 02.08.2015.

TARJA BRANCA - a revolução que faltava. Filme. Diretor Cacau Rhoden. São Paulo: Maria Farinha Filmes, 2014.

Publicado
2015-09-30
Como Citar
NEIVA, I.; AUGUSTO, A. Comunicólogo que brinca comunica mais?. Revista Observatório, v. 1, n. 1, p. 43-62, 30 set. 2015.