Indicação de um programa de secagem para espécie nativa do cerrado

Palavras-chave: Secagem da Madeira, Densidade Básica, Sucupira

Resumo

Este estudo teve como objetivo a elaboração de um programa de secagem da madeira de Pterodon emarginatus que é uma espécie nativa do Cerrado, amplamente utilizada na produção de madeira, principalmente para indústria de base florestal, em todo o Brasil. Para a realização deste trabalho foram confeccionados 10 corpos de provas para a determinação da densidade básica e retratibilidade com dimensões de 4,5x2,0x2,0 cm, e para o programa de secagem foram utilizados 10 amostras com dimensões de 15x4,5x1,0 cm, referentes a comprimento, largura e espessura. A secagem dos corpos de prova foi realizada segundo a metodologia de secagem drástica a 100°C adaptado por Ciniglio (1998). Os resultados demonstram que a madeira de Pterodon emarginatus possui uma densidade básica de 0,800 g.cm-3, classificando está madeira como moderadamente pesada. Sua umidade inicial foi de 70,61%, calculado por meio do método gravimétrico. O colapso foi o principal defeito observado nas amostras que apresentou valor de 0,450mm, sendo assim classificada como baixo grau de colapso. Os principais parâmetros do programa de secagem foram temperatura inicial (40,77), temperatura final (63,13) e potencial de secagem (1,8), o programa gerou uma secagem difícil para a espécie, indicando temperaturas mais baixas na secagem a fim de evitar defeitos severos na madeira.

Referências

ANDRADE, A. Indicação de programas para secagem convencional de madeiras. 2000. 72p. Dissertação (Mestrado em Ciências e Tecnologia da Madeira) - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7190/97: Projeto de Estruturas de Madeira. Rio de Janeiro, ABNT, 1997.

BARBOSA, C.G; LIMA, J.T.; ROSADO, S.C.S.; TRUGILHO, P.F. Elaboração de programa de secagem para madeiras de clones de híbridos de Eucalyptus spp. Revista Cerne, Lavras, v.11, n.1, p.40-48, 2005.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Biodiversidade do cerrado e pantanal: áreas e ações prioritárias para conservação. Brasília: MMA, 2007. 540p.

CARVALHO, A. Denominações convencionais para propriedades da madeira. In: Carvalho, A. Tecnologia das indústrias da madeira III – Na2. v.I. Lisboa. 2007.

CINIGLIO, G. Avaliação da secagem de madeira serrada de E. grandis e E. urophylla. 1998. 69p. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba.

HARA, M.M. Resistência ao cisalhamento paralelo às fibras de madeira mediante esforço induzido por puncionamento. Engenharia e Construção Civil, Curitiba, v.1, n.2, p.40-53, 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S0044-59672013000200007.

Instituto brasileiro de geografia e estatística (IBGE). Mapa da vegetação do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2004. Escala 1:5.000.000.

Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo. Catálogo de Madeiras brasileiras, propriedades físicas. São Paulo- IPT, 1989.

Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo. Catálogo de Madeiras brasileiras para a construção civil. São Paulo- IPT, 2013.

JANKOWSKY, I.P. Melhorando a eficiência dos secadores para madeira serrada. Piracicaba: Instituto de pesquisa e estudos florestais, 2000. p.13. (Circular Técnica, n. 191).

KEEY, R.B, LANGRISH TAG, WALKER JCF. Kiln -drying of lumber. Heidelberg: Springer- Verlag, 2000.

KLITZKE, R.J. Secagem da madeira. Tecnologias aplicadas ao setor madeireiro. Suprema Gráfica e Editora Ltda, v.1, p.271-366. 2007.

LOGSDON, N.B.; FINGER, Z.; BORGES, C.G.A. Caracterização físico-mecânica da madeira de peroba-mica, Aspidosperma populifolium A. DC. (Apocynaceae). Floresta, v.38, n.1, 2008.

MARTINS, VA. Secagem de madeira serrada. Brasília: IBDF, 58p. 1988.

MIRANDA, R.M. Avaliação da atenuação de vegetação da Mata Atlântica à radiação gama natural emitida pela superfície. SP. 1997. Dissertação (Mestrado em geociências) – Universidade Estatual de campinas, Campinas.

Revista da Madeira. Secagem: Razões para secar a madeira. Revista da Madeira, São Paulo, n.126, 2011.

SILVA, C.J.; VALE, A.T.; MIGUEL, E.P. Densidade básica da madeira de espécies arbóreas de Cerradão no estado de Tocantins. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, v.35, n.82, p.63-75, 2015.

SILVEIRA, L.H.C.; REZENDE, A.V.; VALE, A.T.; Teor de umidade e densidade básica da madeira de nove espécies comerciais amazônicas. Acta Amazônica, Manaus, v. 43, n.2, p.179-184, 2013.

STEIN, F.R. Avaliação técnica do tempo de estocagem da madeira. 2003. 36p. Dissertação (mestrado em tecnologia de cellulose e papel), Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais.

TAKESHITA, S.; Aplicação de tratamentos estabilizadores pós-secagem convencional visando a redução do potencial higroscópico da madeira. 2016. 146 p. Tese (Doutorado em Ciências) – Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba

TORRES, P.M.A; PAES, J.B.; NASCIMENTO, J.W.B.; BRITO, F.M.S. Caracterização Físico-Mecânica da Madeira Jovem de Eucalyptus camaldulensis para Aplicação na Arquitetura Rural. Floresta e ambiente, Campina Grande, v.23, n.01, p.109-117, 2016.

VIDAURRE, GB.; CARNEIRO, ACO.; VITAL, BR.; SANTOS, RC, VALLE, MLA. Propriedades energéticas da madeira e do carvão de paricá (Schizolobium amazonicum). Revista Árvore, Viçosa, v.36, n.2, p.365-371, 2012.

VIVIAN, MA, MODES, KS.; BELTRAME, R; SOUZA, JT; STANGERLIN, DM; MORAIS, WWC.; SANTINI, EJ.; Influência do tratamento térmico nos defeitos de secagem da madeira de Hovenia dulcis Thunb. Revista Ciência da Madeira, Pelotas, v.02, n.01, p.15-28, 2011.

ZEN, L.R. Métodos combinados para secagem da madeira de Eucalyptus: pré-secagem ao ar livre com secagem em estufa convencional. 2016.106f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Publicado
2019-12-30
Como Citar
Brito Lima, N. S. de, Silva, H. A. P. e, Marchesan, R., & Souza, P. B. de. (2019). Indicação de um programa de secagem para espécie nativa do cerrado. Journal of Biotechnology and Biodiversity, 7(4), 434-442. https://doi.org/10.20873/jbb.uft.cemaf.v7n4.lima