Ensino da Leitura e da Escrita de/em Classes no Periódico Correio Braziliense: Gestos de Análise Discursiva

Autores

  • Juciele Pereira Dias Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20873.239211

Resumo

Inscrito no entremeio da Análise de Discurso (Pêcheux, 1997; Orlandi, 2001), da História das Ideias Linguísticas (AUROUX, 1992) e da História da Educação (Gondra & Limeira, 2022), este trabalho tem como objetivo compreender como o ensino da leitura e da escrita é definido em relação ao complexo material das divisões de sentidos e com dominância do discurso do método de ensino mútuo em circulação por instrumentos linguístico-midiáticos nos processos de independência do Brasil do início do século XIX. Para isso, o corpus de análise é constituído por recortes de textos sobre Educação Elementar publicados no periódico Correio Braziliense entre 1916 e 1917, que divulgam o método Lancaster para leitores em língua portuguesa. Também é analisado um recorte do periódico, publicado em 1822, sobre a definição das gentes do Brasil, postos em correlação com recortes do texto da Constituição Política do Império de 1824 que determina a lei de 15 de outubro de 1827 sobre a criação de escolas de primeiras letras. Buscamos, assim, compreender como a divisão social da leitura, do trabalho e da própria denominação “brasileiro” tomam forma em meio a tensas relações de poder e de constituição de um imaginário de unidade língua-estado-nação na emancipação política do Brasil em relação a Portugal.

Biografia do Autor

Juciele Pereira Dias, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professora adjunta do DLL-CAp-UERJ e do PPLIN-FFP-UERJ. Bolsista de Produtividade Prociência Faperj-UERJ. Bolsista preceptora RP-CAPES. É doutora em Letras pela UFSM, com pós-doutorado na UFF e pós-doutorado sênior no MN-UFRJ. Doutoranda em Educação no ProPEd-UERJ. É co-líder do Grupo de Pesquisa Conhecimento, História e Língua (GPeCHeLi-UNIR) e do Grupo de Pesquisa O cotidiano na história das ideias linguísticas do Brasil (CoLHiBri-Unicamp).

Referências

ASSUNÇÃO, C. As primeiras gramáticas escolares vernáculas oficiais de Espanha e Portugal. In: DIOS, M. A. de. (Org.). Aula Ibérica. Salamanca, Espanha: Imprenta Kadmo, 2007.

AUROUX, Sylvain. A Revolução Tecnológica da Gramatização. Campinas: Editora da Unicamp, 1992.

AUROUX, Sylvain. Filosofia da linguagem. Trad. José Horta Nunes. Campinas, SP: Editora da

Unicamp, 1998.

BASTOS, Maria Helena Câmara. A instrução pública e o ensino mútuo no Brasil: uma história pouco conhecida: 1808-1827. História da educação. Pelotas, RS. Vol. 1, n. 1 (abr. 1997), p. 115-133.

BASTOS, Maria Helena Câmara. A Educação Elementar e o Método Lancaster no Correio Braziliense (1816). Revista História da Educação, v. 9, n. 17, jan/jun, 2005, pp. 193-222.

DIAS, Juciele Pereira. Um gesto de interpretação na história do conhecimento linguístico: a definição do nome gramática. Tese (Doutorado em Letras). Universidade Federal de Santa Maria, Programa de Pós-Graduação em Letras. Santa Maria, RS, 2012.

FAVERO, L As Concepções Lingüísticas no Século XVIII. Campinas, SP: UNICAMP, 1996.

FERRARI, Alexandre; MEDEIROS, Vanise. NA HISTÓRIA DE UM GENTÍLICO, A TENSA INSCRIÇÃO DO OFÍCIO. Revista Da Anpoll, v. 1, n. 32. 2012. Disponível em: https://doi.org/10.18309/anp.v1i32.615.

FONSECA, Rodrigo Oliveira; DIAS, Juciele Pereira. Conjunção, conjuração e polidez nas práticas e políticas de ensino do século XVIII. In.: BRANCO, Luiza Castello et. al. (Org.). Entrenós: da língua, do sujeito, do discurso. Campinas-SP: Pontes Editores, 2022.

LIMEIRA, Aline M; GONDRA, José. Educação e processos de emancipação no Brasil: Novas abordagens e perspectivas (1815-1872). Curitiba: Appris, 2022.

LUSTOSA, Isabel. Nascimento da imprensa brasileira. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

MARIANI, Bethania. Colonização linguística: Brasil (séculos XVI a XVIII) e Estados Unidos da América (século XVIII). 01. ed. Campinas: Pontes Editores, 2004.

NOVAIS, Fernando Antônio. Condições da privacidade na Colônia. In: MELLO e SOUZA, Laura. (Org.). História da Vida Privada no Brasil: Cotidiano e Vida Privada na América Portuguesa. v. 1. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

SOUZA, Tania Conceição Clemente de. Discurso e oralidade. Um estudo em língua indígena. Tese (de Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística. Campinas, SP: IEL, 1994.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Segmentar ou recortar. Lingüística: questões e controvérsias. Uberaba, FIUBE, 1984.

ORLANDI, Eni de Lourdes Puccinelli (Org.). História das idéias lingüísticas: construção do saber metalingüístico e constituição da língua nacional. Campinas: Pontes/UNEMAT, 2001.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Teorias da linguagem e discurso do multilinguismo. In: ORLANDI, Eni Puccinelli. (Org.) Política linguística no Brasil. Campinas: Pontes, 2007. p. 53-62.

Downloads

Publicado

2023-11-20

Como Citar

Pereira Dias, J. (2023). Ensino da Leitura e da Escrita de/em Classes no Periódico Correio Braziliense: Gestos de Análise Discursiva. Porto Das Letras, 9(2), 268–287. https://doi.org/10.20873.239211

Edição

Seção

Instrumentos Linguísticos