José Julio Cleto da Silva e a Gíria cabocla do sul do Paraná na história das ideias linguísticas do Brasil

Autores

  • Dener Gabriel Ferrari Unicamp

DOI:

https://doi.org/10.20873.239214

Resumo

Neste texto, realizamos um gesto inicial de análise sobre o vocabulário Gíria cabocla do sul do Paraná, produzido no início do século XX por José Júlio Cleto da Silva. Para tanto, reconstituímos a conjuntura ampla e as circunstâncias específicas em que o autor desenvolveu seu trabalho e traçamos algumas considerações analíticas acerca do título, do prefácio e de alguns verbetes do vocabulário. Adotamos a perspectiva teórica da História das Ideias Linguísticas em diálogo com as áreas de Análise de Discurso e de Saber Urbano e Linguagem, perseguindo a tese discursiva desenvolvida por Rodríguez-Alcalá (2011) de que sujeitos, sentidos e espaços se constituem conjuntamente em um mesmo movimento histórico. Os gestos analíticos aqui empreendidos permitem observar: i) uma tomada de posição (favorável ao Paraná e desfavorável à Santa Catarina) diante da política de produção e legitimação das divisas interestaduais, no próprio título do vocabulário; ii) uma dificuldade na definição da unidade linguística, espacial e temporal da gíria cabocla, no prefácio; e iii) um certo processo de tradução da gíria cabocla para a língua nacional, na definição sinonímica dos verbetes.

Referências

BARBOZA, G. G. A resistência ao Acordo de Limites e o Estado das Missões (1910-1917). 2017. 127 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em História) – Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2017.

COLLINOT, A.; MAZIÈRE, F. Un prêt à parler : le dictionnaire. Paris : PUF, 1997.

FERRARINI, S. Círculo de Estudos Bandeirantes documentado. Curitiba: Champagnat, 2011.

GARCIA, D. A. A revista do IHGB e o saber linguístico: um gesto de documentação. 2011. 300 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Universidade Estadual Paulista. São José do Rio Preto, 2011.

GOHL, J. W. O Real e o Imaginário: A Experiência da Maçonaria na Loja União III em Porto União da Vitória – 1936 a 1950. 2003. 225 f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2003.

HOBSBAWN, E.; RANGER, T. (orgs.). A invenção das tradições. 6 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008.

LEMOS, M. A. Entre espaços, sujeitos e línguas: a produção da fronteira em Dionísio Cerqueira-SC, Barracão-PR (Brasil) e Bernardo de Irigoyen (Misiones, Argentina) nos relatos de viagens. 2019. 211 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2019.

NUNES, J. H. Discurso e instrumentos lingüísticos no Brasil: dos relatos de viajantes aos primeiros dicionários. 1996. 267 f. Tese (Doutorado em Lingüística) – Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 1996.

NUNES, J. H. As palavras, o espaço e a língua: o vocabulário pernambucano. Línguas e Instrumentos Linguísticos, v. 8, n. 16, p. 43-56, 2006.

ORLANDI, E. P. Terra à vista – Discurso do confronto: velho e novo mundo. 2 ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2008.

ORLANDI, E. P. Língua e conhecimento linguístico: para uma história das ideias no Brasil. 2 ed. São Paulo: Cortez Editora, 2013.

ORLANDI, E. P. Língua Imaginária e a Língua Fluida. In: ORLANDI, E. P. Língua brasileira e outras histórias: discurso sobre a língua e ensino no Brasil. Campinas: Editora RG, 2009, p. 11-19.

PETRI, V. A emergência da ideologia, da história e das condições de produção no prefaciamento dos dicionários. In: III SEAD – Seminário de Estudos em Análise do Discurso, 3, 2007, Porto Alegre. Anais... Disponível em: https://www.ufrgs.br/analisedodiscurso/anaisdosead/3SEAD/Simposios/VerliPetri.pdf. Acessos em: 04/07/2023.

PETRI, V.; MEDEIROS, V. Da língua partida: nomenclatura, coleção de vocábulos e glossários brasileiros. Letras, Santa Maria, v. 23, n. 46 p. 43-66, 2013.

RODRÍGUEZ-ALCALÁ, C. Políticas públicas de direito à língua e consenso etnocultural: uma reflexão crítica. In: ORLANDI, E. P. (org.). Discurso e políticas públicas urbanas: a fabricação do consenso. Campinas: Editora RG, 2010. p. 127-160.

RODRÍGUEZ-ALCALÁ, C. Discurso e cidade: a linguagem e a construção da “evidência do mundo”. In: RODRIGUES, E. A.; SANTOS, G. L. dos; CASTELLO BRANCO, L. K. A. (org.). Análise de discurso no Brasil. Pensando o impensado sempre: uma homenagem a Eni Orlandi. Campinas: Editora RG, 2011a. p. 243-258.

RODRÍGUEZ-ALCALÁ, C. Escrita e gramática como tecnologias urbanas: a cidade na história das línguas e das ideias linguísticas. Cadernos de Estudos Linguísticos, v. 53, n. 2, p. 197-217, 2011b.

RODRÍGUEZ-ALCALÁ, C. Nota sobre a noção de cultura e sua relação com a de civilização: o ocidente como observatório das formas de vida social. Fragmentum, n. especial, p. 61-90, 2018.

RODRÍGUEZ-ALCALÁ, Carolina. Relações entre língua, espaço e tecnologias: a Biblioteca Virtual das Ciências da Linguagem no Brasil como artefato de leitura da cidade. In: DIAS, C. P.; COSTA, G. C. da; BARBAI, M. A. (org.). Artefatos de Leitura. Campinas: Labeurb/Nudecri/Unicamp, 2020. p. 103-122.

SZESZ, C. M. A invenção do Paraná: o discurso regional e a definição das fronteiras cartográficas (1889-1920). 1997. 187 f. Dissertação (Mestrado em História do Brasil) – Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 1997.

THIESSE. A-M. La création des identités nationales. Europe, XVIIIe-XXe siècle. Paris : Éditions du Seuil, 1999.

WESTPHALEN, C. Dicionário Histórico-Biográfico do Estado do Paraná. Curitiba: Chain & Banco do Estado do Paraná, 1991.

Fontes

FILIPAK, F. Glossário do vale do Iguaçu. In: FILIPAK, F.; SICURO, N. A. (orgs.). Antologia do vale do Iguaçu. União da Vitória: Fundação Faculdade Estadual de Filosofia, Ciências e Letras de União da Vitória, 1976. p. 1-31.

OLIVEIRA, A. L. Prefácio. In: SILVA, J. J. C. da. Gíria cabocla do sul do Paraná. Curitiba: Assembléia Legislativa do Estado do Paraná, 1990.

SILVA, J. J. C. da. Gíria cabocla do sul do Paraná. Curitiba: Assembléia Legislativa do Estado do Paraná, 1990.

Downloads

Publicado

2023-11-20

Como Citar

Ferrari, D. G. (2023). José Julio Cleto da Silva e a Gíria cabocla do sul do Paraná na história das ideias linguísticas do Brasil. Porto Das Letras, 9(2), 347–371. https://doi.org/10.20873.239214

Edição

Seção

Instrumentos Linguísticos