PENSAMENTO COMPUTACIONAL NAS POLÍTICAS E NAS PRÁTICAS EM ALGUNS PAÍSES

Palavras-chave: Tecnologias educacionais; Currículo; Ensino Básico; Informática na Educação; TIC

Resumo

As práticas pedagógicas de integração das tecnologias digitais de informação e comunicação (TDIC) ao currículo têm mostrado um uso mais centrado nas ferramentas de escritório para a elaboração de trabalhos ou no processo de transmissão de informações aos aprendizes. No entanto isso está mudando. Este artigo apresenta o resultado de estudos realizados em uma disciplina do Programa de Pós-Graduação em Educação: Currículo da PUC-SP, com o objetivo de entender as políticas e uso das TDIC na educação de alguns países - Estônia, Portugal, Espanha e Finlândia. Analisamos como as políticas orientam a realização de práticas pedagógicas que exploram o conceito de programação com foco no desenvolvimento do pensamento lógico e computacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Professora associada da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Doutora em Educação (Currículo) pela PUC-SP (2000) com mestrado em Educação (Currículo) pela PUC-SP (1996), graduação em Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho  E-mail: bbethalmeida@gmail.com.

José Armando Valente, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Livre Docente pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Mestre e Doutor pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT). Professor Titular do Departamento de Multimeios, Mídia e Comunicação, Instituto de Artes, e Pesquisador do Núcleo de Informática Aplicada à Educação (NIED) da UNICAMP. Professor Colaborador do Programa de Pós-Graduação em Educação: Currículo, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). E-mail: jvalente@unicamp.br. 

Referências

ANDRADE, P.F. Projeto EDUCOM: Realizações e Produtos. Brasília: Ministério da Educação e Organização dos Estados Americanos, 1993.

ANDRADE, P.F.; LIMA, M.C.M.A. Projeto EDUCOM. Brasília: Ministério da Educação e Organização dos Estados Americanos, 1993.

BELL, T. et al. Computer Science Unplugged: School students doing real computing without computers. The New Zealand Journal of Applied Computing and Information Technology, v. 13, nº 1, p. 20-29, 2009.

BERRY, M. Computing in the national curriculum: A guide for primary teachers. Bedford, UK: Computing at School, 2013. Disponível em: <http://www.computingatschool.org.uk/data/uploads/CASPrimaryComputing.pdf>. Acesso em 20 set. 2017.

BLIKSTEIN, P. O pensamento computacional e a reinvenção do computador na educação. 2008. CGC Comunicação em Educação. Disponível em:<http://cgceducacao.com.br/o-pensamento-computacional-e-reinvencao-computador-na-educacao/>. Acesso em 8 set. 2017.

BRENNAN, K.; RESNICK, M. New frameworks for studying and assessing the development of computational thinking. AERA 2012, Vancouver, Canada, 2012

BUCKINGHAM, D. Beyond Technology: Children's learning in the age of digital culture. Cambridge, UK: Polity Press, 2007. E-book.

CODE. Página da organização Code.org. Disponível em: . Acessado em 31 jul. 2017.

D’ABREU, J. V. V. Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo. 2012. Congresso InovaEduca 3.0. Anais. Disponível em: <http://inovaeduca.com.br/images/2012/Arquivos/Joao_Villhete_IE3-26-09-12.pdf>. Acesso em 31 jul. 2017.

DE PAULA, B. H.; VALENTE, J. A.; BURN, A. O uso de jogos digitais para o desenvolvimento do currículo para a Educação Computacional na Inglaterra. Currículo sem Fronteiras, v. 14, nº 3, p. 46-71, set/dez 2014.

DGE/MEC. Iniciação a programação no 1.º ciclo do ensino básico. 2015a. Disponível em:< http://programacao1ceb.dge.mec.pt/>. Acesso em 02 out. 2017.

DGE/MEC. Clubes de programação e robótica. 2015b. Disponível em: <http://erte.dge.mec.pt/clubes-de-programacao-e-robotica>. Acesso em 02 out. 2017.

EUROPEAN SCHOOLNET. Computing our future: Computer programming and coding. Priorities, school curricula and initiatives across Europe, Outubro 2014. Disponível em: <http://www.eun.org/publications/detail?publicationID=481>. Acesso em 02 out. 2017.

EUROPEAN SCHOOLNET. Computing our future. Computer programming and coding Priorities, school curricula and initiatives across Europe. Outubro 2015. Disponível em <http://www.eun.org/publications/detail?publicationID=661> Acesso em 02 out. 2017.

GOOGLE Computer Science Learning Opportunities. 2017. Disponível em: <https://www.google.com/edu/resources/computerscience/learning/>. Acesso em 28 jul. 2017.

ISTE/CSTA Computational Thinking Teacher Resource. 2ª Ed., 2011. Disponível em: <http://csta.acm.org/Curriculum/sub/CurrFiles/472.11CTTeacherResources_2ed-SP-vF.pdf>. Acesso em 29 de jul. 2017.

LOMCE. Ley orgánica para la mejora de la calidad educativa. 2013. Disponível em: <http://www.boe.es/buscar/act.php?id=BOE-A-2013-12886>. Acesso em 20 set. 2017.

MANNILA, L. et al. Computational Thinking in K-9 Education. ITiCSE-WGR’14, Proceedings of the Working Group Reports of the 2014 on Innovation & Technology in Computer Science Education Conference. June 21-25, 2014, Uppsala, Sweden, p. 1-29. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1145/2713609.2713610>. Acesso em 29 jul. 2017.

MINISTRY OF EDUCATION AND RESEARCH OF ESTONIA, The Estonian Lifelong Learning Strategy 2020. Estônia. 2014. Disponível em: <https://www.hm.ee/sites/default/files/estonian_lifelong_strategy.pdf>. Acesso em 20 set. 2017.

NIEMI, H; MULTISILTA, J.; LIPPONEN, L.; VIVITSOU, M. (Eds.) Finnish Innovations and Technologies in Schools. A Guide towards New Ecosystems of Learning. Rotterdam, The Netherlands: SENSE PUBLISHERS, 2014. Disponível em: <http://www.cicero.fi/files/Cicero/site/2121-finnish-innovations-and-technologies-in-schools_ToC.pdf>. Acesso em 02 out. 2017.

OSÓRIO, C.; LENCASTRE, J. A. Desenvolvimento do pensamento computacional com recurso ao scratch: uma experiência com alunos do 8º ano. Atas do XII Congresso Internacional Galego-Português de Psicopedagogia. Braga: Universidade do Minho, 2013. Disponível em: . Acesso em 02 out. 2017.

OSÓRIO, C.; LENCASTRE, J. A. Avaliação da usabilidade de um jogo desenvolvido em scratch. Anais IX Challenges, 2015. Disponível em: <http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/36317>. Acesso em 02 out. 2017.

PAPERT, S. Teaching Children Thinking, Logo Memo nº 2, 1971. Disponível em: . Acesso 28 jul. 2017.

PAPERT, S. (1980) Mindstorms. Children, computer and powerful ideas. New York: Basic Books. Traduzido como Logo: Computadores e Educação. São Paulo: Brasiliense, 1985.

PHET Interactive Simulations. Disponível em: <http://phet.colorado.edu/>. Acessado em 02 out. 2017.

RAMOS, J. L.; ESPADEIRO, R. G. Os futuros professores e os professores do futuro. Os desafios da introdução ao pensamento computacional na escola, no currículo e na aprendizagem. Educação Formação e Tecnologia, 2014. Disponível em: <http://eft.educom.pt/index.php/eft/article/view/462/208>. Acesso em 02 out. 2017.

RAMOS, J. L.; ESPADEIRO, R. G. Pensamento computacional na escola e práticas de avaliação das aprendizagens. Uma revisão sistemática da literatura. Anais Challenges, 2015. Disponível em:< http://dspace.uevora.pt/rdpc/bitstream/10174/14227/1/challenges%202015br.pdf>. Acesso em 02 de out. 2017.

REAL DECRETO126/2014, de 28 de febrero, por el que se establece el currículo básico de la Educación Primaria. 2014. Disponível em: <https://www.boe.es/diario_boe/txt.php?id=BOE-A-2014-2222>. Acesso em 20 set. 2017.

RESNICK, M. Comunicação pessoal, realizada em maio de 2014.

ROJO, R. Multiletramentos: práticas de leitura e escrita na contemporaneidade, 2010. Disponível em: <http://public.me.com/rrojo>. Acesso em 10 Set. 2017.

SCRATCH WIKI Página do Scratch Wiki. Disponível em: . Acessado em 30 jul. 2017.

SOUZA, R. M.; LENCASTRE, J. A. Scratch: uma opção válida para desenvolver o pensamento computacional e a competência de resolução de problemas. CIEd, 2014. In: CARVALHO, A. A. A. et al (orgs.) Atas do 2.º Encontro sobre Jogos e Mobile Learning. Braga: CIEd. Disponível em: <http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/29944/1/RuiSousa%26JALencastre_EJML_2014.pdf>. Acesso em 02 out. 2017.

TEDRE, M.; DENNING, P. J. The Long Quest for Computational Thinking. Proceedings of the 16th Koli Calling Conference on Computing Education Research, November 24-27, 2016, Koli, Finland: pp. 120-129.

TURKLE, S.; PAPERT, S. Epistemological Pluralism: Styles and Voices within the Computer Culture. Signs, v. 16, n. 1, p. 128–157, 1990.

UK DEPARTMENT FOR EDUCATION. The national curriculum in England: framework document. London: DfE, 2013. Disponível em: . Acesso em 03 out. 2017.

UK DEPARTMENT FOR EDUCATION; GOVE, M. “Harmful" ICT curriculum set to be dropped to make way for rigorous computer science. 2012. Disponível em: <https://www.gov.uk/government/news/harmful-ict-curriculum-set-to-be-dropped-to-make-way-for-rigorous-computer-science>. Acesso em 03 out. 2017.

USA NATIONAL RESEARCH COUNCIL Report of a Workshop on the Scope and Nature of Computational Thinking 2010. Washington, D.C.: The National Academies Press. 2010. Disponível em: <http://www.nap.edu/catalog.php?record_id=12840>. Acesso em 03 out. 2017.

USA NATIONAL RESEARCH COUNCIL. Report of a Workshop of Pedagogical Aspects of Computational Thinking. Washington, D.C.: The National Academies Press. 2011. Disponível em: <http://www.nap.edu/catalog/13170/report-of-a-workshop-on-the-pedagogical-aspects-of-computational-thinking>. Acesso em 04 out. 2017.

VALENTE, J. A. (Org) Computadores na Sociedade do Conhecimento. Campinas, SP: UNICAMP/NIED, 1999.

VALENTE, J. A. A Espiral da Aprendizagem e as Tecnologias da Informação e Comunicação: repensando Conceitos. In: JOLY, C. R. (org.). A Tecnologia no Ensino: implicações para a aprendizagem. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2012. p. 41-62.

VALENTE, J. A. Integração do pensamento computacional no currículo da educação básica: diferentes estratégias usadas e questões de formação de professores e avaliação do aluno. Revista e-Curriculum, v. 14, n. 03, p. 864 – 897 jul./set.2016. Disponível em: . Acesso em 23 jun. 2017.

VALENTE, J. A.; ALMEIDA, F. J. Visão Analítica da Informática no Brasil: a questão da formação do professor. In: Revista Brasileira de Informática na Educação-SBIE, n. 1, 1997.

WHITE HOUSE Computer Science is for Everyone! 2013. Disponível em: . Acessado em 28 jul. 2017.

WING, J. M. Computational thinking. Communications of the ACM, v. 49, nº 3, p.33-35, 2006.

WING, J. M. Computational Thinking: what and why. thelink, 2011. Disponível em: http://www.cs.cmu.edu/link/research-notebook-computational-thinking-what-and-why. Acessado em 28 jul. 2017.

ZAPATA-ROS, M. Pensamiento computacional y alfabetizacion digital (I). RED El aprendizaje em la Sociedad del conocimiento. Universidad de Alcalá. ES, 2014. Disponível em: <http://red.hypotheses.org/776>. Acesso em 02 out. 2017.

Publicado
2019-01-14
Como Citar
ALMEIDA, M. E.; VALENTE, J. PENSAMENTO COMPUTACIONAL NAS POLÍTICAS E NAS PRÁTICAS EM ALGUNS PAÍSES. Revista Observatório, v. 5, n. 1, p. 202-242, 14 jan. 2019.
Seção
Dossiê Temático II / Thematic dossier II / Dossier temático II