PRISÃO COMO GUETO: a dinâmica de controle e de extermínio de jovens negros pobres

Resumo

Este artigo rejeita a visão convencional do Estado que se revela na afirmação de perda de controle do Estado nas prisões geridas pelas gangues. Para tanto, adota uma narrativa histórico-analítica seletiva e uma abordagem sociológica das características culturais, sociais e políticas do processo de formação da República brasileira e da produção de determinados habitus de relacionamento entre o Estado e a sociedade, traduzidos em práticas de negociações entre os diversos agentes sociais. Considera os episódios denominados midiaticamente de “guerra nas prisões” como analisadores dos complexos processos sociais de produção do controle social e de manutenção da ordem pelo Estado baseados na guetização dos presídios e nas dinâmicas de violência e de negociação entre o Estado e as gangues prisionais.


 


PALAVRAS-CHAVE: Estado; controle social; prisões; gangues; guetização prisional.


 


ABSTRACT


This article rejects the conventional view of the state that is revealed in the claim of loss of state control in gang-managed prisons. In order to do so, it adopts a selective analytical historical narrative and a sociological approach to the cultural, social and political characteristics of the process of formation of the Brazilian Republic and the production of certain habitus of relationship between the State and society, translated into practices of negotiations between the different Social agents. It considers the so-called mediatic episodes of “war in prisons” as interpretive keys to the complex social processes of production of social control and maintenance of order by the state based on the ghettoization of prisons and on the dynamics of violence and negotiation between the state and prison gangs .


 


KEYWORDS: State; social control; prisons; gangs; prison ghettoization.


 


RESUMEN


El presente articulo rechaza la visión convencional del Estado subjacente en la afirmación de que el Estado perdió el control en las prisiones gerenciadas por gangues. Para fundamentar el análisis, utiliza una narrativa histórico-analítica selectiva y una abordaje sociológica sobre las características culturales, sociales y politicas del proceso de formación de la República brasileña e de la producción de determinados habitus en los agentes sociales  que caracterizan  las relaciones entre el Estado y la sociedade y que son visíbles en sus prácticas comunes de negociación. La guerra en las prisiones es considerada un analizador de los complejos procesos sociales relativos a la producción de control e de ordem en la sociedad, que se apoyan en la guetización de las prisiones y en las dinámicas de violencia y negociación entre el Estado y las gangues de las prisiones.


 


PALABRAS CLAVE: Estado; control social; prisiones; gangues; guetización prisional.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Sociologia pela Universidade de Brasília e em Ciências Sociais pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (FLACSO), professora do Departamento de Sociologia do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Brasília, pesquisadora Núcleo de Estudos sobre Violência e Segurança da Universidade de Brasília (NEViS/UnB).  E-mail: analiasoriabatista@gmail.com.

##submission.authorWithAffiliation##

Doutorando em Sociologia pela Universidade de Brasília (UnB), com período de estágio doutoral no Centre de Recherches Sociologiques sur le Droit et les Institutions Pénales (CESDIP/CNRS), França. Mestre em Antropologia Social pela Universidade de Brasília. Bacharel em Sociologia e Antropologia pela UnB, e em Direito pela UDF. Professor substituto de Direito Penal e Antropologia do Direito na Faculdade de Direito da Universidade de Brasília. Professor de Direito e Sociologia, na Escola de Ciências Jurídicas e Sociais e na Escola de Negócios, do Centro Universitário e Faculdades Projeção. Pesquisador do Núcleo de Estudos sobre Violência e Segurança da Universidade de Brasília (NEViS/UnB) e do Grupo Candango de Criminologia (GCCrim/FD/UnB). E-mail: wellitonmaciel@gmail.com.

Referências

AKERS, RL; HAYNER, NS; GRUNINGER, W. Prisonization in five countries: Type of prison and inmate characteristics. Criminology 14: 527- 554, 1977.
ADORNO, S.; SALLA, F. Criminalidade organizada nas prisões e os ataques do PCC. São Paulo: Estudos Avançados 21 (61), 2007.
BEATO, C., ZILLI, L. F. A estruturação de atividades criminosas. Um estudo de caso. RBCS Vol. 27 n° 80 outubro/2012.
BIONDI, K. Junto e Misturado: Uma Etnografia do PCC. São Paulo: Terceiro Nome, 2010.
__________________. Etnografia no Movimento: território, hierarquia e lei no PCC. Tese. 2014. 336p. Programa de Doutorado em Antropologia Social, Universidade Federal de São Carlos, 2014.
BIONDI, K. & MARQUES, A. Memória e historicidade em dois comandos prisionais. São Paulo, Lua Nova 79: 39-70, 2010.
BOITEUX, L.; WIECKO, E. (coords.). Tráfico de drogas e Constituição, Ministério de Justiça, Brasília, 2009, disponível em http://pensando.mj.gov.br/wp-content/uploads/2012/11/01Pensando_Direito.pdf.
BOITEUX, L. B: las cárceles de la droga y de la miseria. Revista Nueva Sociedad No 268, marzo-abril de 2017.
BOURDIEU, P. Sociologia. São Paulo: Ática, 1983.
BRASIL. Lei nº. 11.343, de 23 de agosto de 2006. Brasília, DF: Senado Federal, 2007.
BRASIL. Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil. Secretaria-Geral da Presidência da República. Brasília, 2014.
CALDEIRA, C. A Política do Cárcere Duro – Bangu 1. São Paulo em Perspectiva, 18(1): 87-102, 2004.
CARCOVA, C. M. A opacidade do direito. São Paulo: Editora LTr, 1998.
CARVALHO, S. de. A política criminal de drogas no Brasil : estudo criminológico e dogmático da Lei 11.343/06. 7. ed. rev., atual. e ampl. – São Paulo : Saraiva, 2014.
CARVALHO, J. M. de. Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi. São Paulo: Companhia da Letras, 1987.
CLARK, K. B. Dark. Ghetto: Dilemmas of Social Power. New York : Harper, 1965.
DARK, S. Comunidades prisionais autoadministradas: O fenômeno APAC, Revista Brasileira de Ciências Criminais, 107: 257-276, 2014.
DIAS, C. C. N. Ocupando as brechas do direito formal: o PCC como instância alternativa de resolução de conflitos. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, Vol. 2, n.4, pp. 83-105, 2009.
__________________. Da pulverização ao monopólio da violência: expansão e consolidação do Primeiro Comando da Capital (PCC) no sistema carcerário paulista. Tese. 2011. 386p. Programa de Pós-Graduação em Sociologia. Universidade de São Paulo, 2011.
FELTRAN, G. de S. O legítimo em disputa: as fronteiras do mundo do crime nas periferias de São Paulo. Dilemas, Rio de Janeiro, 1: 93-126, 2008.
FELTRAN, G. de S.. Crime e castigo na cidade: os repertórios da justiça e a questão do homicídio nas periferias de São Paulo. Caderno CRH Salvador, 58 (23): 59-74, mai.-ago. 2010.
GODOI, R. Ao redor e através da prisão: cartografias do dispositivo carcerário contemporâneo. Dissertação. 2010. 203p. Mestrado em Sociologia. Universidade de São Paulo, 2010.
__________________. Fluxos em cadeia: as prisões em São Paulo na virada dos tempos. Tese. 2015. 246p. Programa de Pós-Graduação em Sociologia. Universidade de São Paulo, 2015.
LEMGRUBER, J.; FERNANDES, M. Tráfico de drogas na cidade do Rio de Janeiro: Prisão provisória e direito de defesa, Cesec, Río de Janeiro, 2015, disponível em .
LESSING, B. As facções cariocas em perspectiva comparativa. Novos Estudos, 80: 43-62, mar., 2008.
LOURENÇO, L. C. e LINES DE ALMEIDA, O. Quem mantém a ordem, quem cria desordem. Gangues prisionais na Bahia. Tempo Social, Revista de sociologia da USP, v. 25, n. 1, 2013.
MARQUES A. "Faxina" e "pilotagem": dispositivos (de guerra) políticos no seio da administração prisional. Lugar Comum: Estudos de Mídia, Cultura e Democracia, v.25/26, p.283-290, 2008.
__________________. "Liderança", "proceder" e "igualdade": uma etnografia das relações políticas no Primeiro Comando da Capital. Etnográfica, Lisboa, v. 14, n.2, p. 311-335, 2010.
MÜLLER, M.-M.. Public segurity in the negotiated state. Policing in Latin American. Governance and Limited Statehood Series. UK: Palgrave Macmillan, 2012.
PAIXÃO, A. L. Recuperar ou punir? Como o Estado trata o criminoso. São Paulo: Cortez, 1987.
SORIA BATISTA, A. Estado e Controle nas Prisões. Caderno CRH (UFBA. Impresso), v. 22, p. 399-410, 2009.
SORIA BATISTA A., ZACKSESKI, C., CAIXETA MACIEL, W. Guerra en las cárceles de Brasil. El Estado cómplice necesario. SOCOMPA, Periodismo de Frontera, 2017. Disponível em: http://so-compa.com.ar/2017/nota/el-estado-complice-necesario/ .
WACQUANT, Loïc. Que é gueto? Construindo um conceito sociológico. Revista de Sociologia e Política. Curitiba, n. 23, 2004.
Publicado
2018-04-01
Como Citar
BATISTA, Analía Soria; MACIEL, Welliton Caixeta. PRISÃO COMO GUETO: a dinâmica de controle e de extermínio de jovens negros pobres. Revista Observatório, [S.l.], v. 4, n. 2, p. 174-200, abr. 2018. ISSN 2447-4266. Disponível em: <https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/observatorio/article/view/4285>. Acesso em: 23 maio 2018. doi: https://doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2018v4n2p174.