APROPRIAÇÕES MIDIÁTICAS DO FEMINISMO NEGRO NA CONTEMPORANEIDADE BRASILEIRA

Palavras-chave: Comunicação, redes sociais, feminismo negro, literacia midiática, cartografia de controvérsias

Resumo

Este artigo examina apropriações midiáticas pelo feminismo negro baseadas em reflexões teórico-conceituais sobre a problemática da comunicação em sociedades midiatizadas e suas relações com a literacia midiática. O Instituto da Mulher Negra Geledés, fundado em 1998 no período da redemocratização brasileira, constitui-se no objeto de investigação. O movimento Geledés foi observado e mapeado em sua página no site de rede social Facebook, durante um período consecutivo de oito semanas em 2016, com o propósito de identificar modalidades de interações entre seus visitantes. A análise dedica-se, para além das postagens do Geledés, a apreender e compreender o que acontece na esfera da recepção quando se trata de tipos de usos, apropriações e produções de sentidos. Um construto metodológico baseado na Cartografia de Controvérsias (CC) foi operacionalizado para analisar as interações dos actantes sociais do Geledés no Facebook, revelando predominância de interações passivas e elevado número de comentários participativos desqualificados sob a ótica do debate público racional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Telma Sueli Pinto Johnson, Universidade da Beira Interior-UBI/Universidade Federal de Juiz de Fora- UFJF

Pós-doutoranda no LABCOM.IFP da Universidade da Beira Interior (Covilhã/Portugal). Doutora em Comunicação e Sociabilidade Contemporânea (UFMG). Professora adjunta da FACOM/Universidade Federal de Juiz de Fora e coordenadora do projeto de pesquisa "Jornalismo em dispositivos móveis: mapeamentos transculturais" (RES. nº 24/2016- Conselho Setorial de Pós-Graduação e Pesquisa- CSPP/UFJF).

Pedro Augusto Farnese, Universidade Federal de Juiz de Fora

É especialista em Comunicação Empresarial; Marketing e Negócios; bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, ambos pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF); e licenciado em Letras (Português e Literatura) pela Faculdade Universo. Atualmente cursa pós-graduação em Comunicação e Marketing em Mídias Digitais pela Faculdade Estácio de Sá Juiz de Fora. É professor da educação a distância do Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais - Campus Juiz de Fora, onde também exerce a função de Jornalista.  Mestrando no PPGCOM da Universidade Federal de Juiz de Fora.E-mail: pedro.farnese@ifsudestemg.edu.br.

Marcela Xavier Ribeiro, Universidade Federal de Juiz de Fora

Graduanda pela Faculdade de Comunicação, no Curso de Jornalismo, da Universidade Federal de Juiz de Fora. E-mail: marcelaxavierribeiro@gmail.com.

Referências

ALVES, Branca Moreira; PITANGUY, Jacqueline. O que é FEMINISMO. 2ª edição. São Paulo: Brasiliense, 1982. 79 p. v. 44. Primeiros Passos.

AUAD, Daniela. Feminismo: que história é essa? Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2003. 106 p.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o Feminismo: A situação da Mulher Negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. 06 de março de 2011. Disponível em: <http://www.geledes.org.br/enegrecer-o-feminismo-situacao-da-mulher-negra-na-america-latina-partir-de-uma-perspectiva-de-genero/#gs.vt3GS1w>. Acesso em: 17 out 2016.

CASTRO, Silvia Elaine Santos de. Marcadores sociais da diferença: sobre as especificidades da mulher negra no Brasil. In: GT4 – RACISMO, INTOLERÂNCIA e POLÍTCAS PÚBLICAS. 2011, Londrina. Marcadores sociais da diferença: sobre as especificidades da mulher negra no Brasil. Londrina, 2011. P. 1-10. Arquivo PDF. Disponível em: <https://negrasoulblog.files.wordpress.com/2016/04/marcadores-sociais-da-diferenc3a7a-sobre-as-especificidades-da-mulher-negra-no-brasil-silvia-elaine-santos-de-castro1.pdf>. Acesso em: 16 out 2016.

DAMASCO, Mariana Santos; MAIO, Marcos Chor e MONTEIRO, Simone. Feminismo Negro: raça, identidade e saúde reprodutiva no Brasil (1975 -1993). Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 20, p. 133-151, 2012. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2012000100008>. Acesso em: 04 mai 2016.

GOMES, Wilson. Esfera pública política. In: A. Citelli et al. (org.). Dicionário de comunicação: escolas, teorias e autores. São Paulo: Contexto, 2014, p. 221-229.

GOMES, Wilson; MAIA, Rousiley M. Comunicação e democracia. São Paulo: Paulus, 2008.

HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997.

HJARVARD, Stig. Midiatização: teorizando a mídia como agente de mudança social e cultura. Matrizes, v. 5, n. 2, jan-jun/2012, p. 53-91.

LEMOS, André. Cartografia de controvérsias. IN: ______. A comunicação das coisas. 1ª edição. São Paulo: Annablume, 2013. 310 p. Coleção Atopos. Cap. 2, p. 105- 139.

MARTINO, Luís Mauro Sá. Teoria das Mídias Digitais: Linguagens, ambientes e redes. 2ª Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015. 291p.

PEREIRA, Débora de Carvalho; BOECHAT, Marina Pantoja. Apenas siga as mediações: desafios da cartografia de controvérsias entre a Teoria Ator-rede e as mídias digitais. Contemporanea: Revista de Comunicação e Cultura, v. 12, n. 3, p. 556-575, set-dez 2014. Disponível em: <http://www.google.com/url?q=http%3A%2F%2Fwww.portalseer.ufba.br%2Findex.php%2Fcontemporaneaposcom%2Farticle%2Fview%2F12305&sa=D&sntz=1&usg=AFQjCNGtgh9e8GTd2sEeQbFeM-qkxpYlkA>. Acesso em: 4 jul. 2016.

PINTO, Celi Regina Jardim. Feminismo, História e Poder. Revista de Sociologia e Política. Curitiba, v. 18, nº36, p. 15-23, jun 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rsocp/v18n36/03.pdf>. Acesso em: 29 mai 2016.

______. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2007. 119 p. História do povo brasileiro.

Publicado
2017-03-30
Como Citar
JOHNSON, T.; FARNESE, P.; RIBEIRO, M. APROPRIAÇÕES MIDIÁTICAS DO FEMINISMO NEGRO NA CONTEMPORANEIDADE BRASILEIRA. Revista Observatório, v. 3, n. 1, p. 205-232, 30 mar. 2017.
Seção
Dossiê Temático / Thematic dossier / Dossier temático