A REPRESENTAÇÃO DA MULHER CONTEMPORÂNEA NA PUBLICIDADE: os jovens ditam as novas tendências

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2018v4n1p544

Palavras-chave:

Representação social, mulher brasileira, publicidade, revistas, tendências

Resumo

Trata-se de uma investigação sobre a representação da mulher brasileira em publicidades de sete revistas nacionais de 2014 – 15 e verificar se há novas tendências nessa representação, tomando como referencial a pesquisa desta autora, em 2005, cuja predominância era de mulheres configuradas em ideais de beleza e boa forma, domesticidade, feminilidade e independente financeiramente, com indicação de tendências inovadoras. As revistas analisadas nesta pesquisa são Ana Maria, Capricho, Caras, Claudia, Isto é, Playboy e Superinteressante (edições de 2014 e 2015), mídias impressas direcionadas a públicos de idade, gênero e classes diferentes, permitindo, assim, uma visão mais abrangente sobre a imagem da mulher na publicidade brasileira.

 

PALAVRAS-CHAVE: Representação social; mulher brasileira; publicidade; revistas; tendências.

 

 

ABSTRACT

This is an investigation about the representation of Brazilian women in advertisements of seven national magazines of 2014 - 15 and to verify if there are new tendencies in this representation, taking as reference the research of this author in 2005 whose predominance was of women configured in ideals of beauty and good form, domesticity, femininity and independent financially, indicating innovative trends. The magazines analyzed in this research are Ana Maria, Capricho, Caras, Claudia, Istoé, Playboy and Superinteressante (editions of 2014 and 2015), print media directed to audiences of age, genre and different classes, thus allowing a more comprehensive view on the image of women in Brazilian advertising.

 

KEYWORDS: Social representation; Brazilian woman; advertising; magazines; tendencies.

 

 

RESUMEN

Se trata de una investigación de la representación de las mujeres brasileñas en la publicidad de siete revistas nacionales 2014-15 y comprobar si hay nuevas tendencias en esta representación, tomando como referencia la investigación del autora de este artículo en 2005 cuyo dominio se fijó en las mujeres ideales de belleza y fitness, vida doméstica, la feminidad y financieramente independiente, lo que indica tendencias innovadoras. La revista analizada en esta investigación son Ana María, Capricho, Caras, Claudia, Istoé, Playboy y Superinteressante (2014 y 2015 ediciones), medios impresos dirigidos a la edad del público, el género y clases diferentes, lo que permite una visión más completa en la imagen de la mujer en la publicidad brasileña.

 

PALABRAS CLAVE: La representación social; mujer brasileña; publicidad; revistas; tendencias.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucilene dos Santos Gonzales, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, Bauru

Doutora, mestra e graduada em Letras pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Professora da FAAC da Unesp, campus de Bauru, no cursos de Jornalismo e Relações Públicas.E-mail: lucilenegonzales@uol.com.br.

Referências

BARLETTA, M. Como as mulheres compram: marketing para impactar e seduzir o maior segmento de mercado. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

BASSANEZI, C. Mulheres dos anos dourados, p. 607-639. In: M. Del Priore (org.); C. Bassanezi (coord. de textos). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 1979.

BERQUÓ, E. Arranjos familiares no Brasil: uma visão demográfica. In: NOVAIS, F. A. (org). História da vida privada no Brasil. vol. 4. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

CONSTANTINO, E. P. Representações sociais no contemporâneo. In: VASCONCELOS, M. S. et al. Psicologia: reflexões sobre as relações sujeito-objeto. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014.

COSSO, R. Folha Online. São Paulo: 11 jan. 2003. Código civil. Disponível em: . Acesso em: 28 jul. 2004.

OLIVEIRA, D.; PINCIGHER, E.; FERNANDES, D.A. A era da mulherização: poder do consumo feminino força a indústria a alterar produtos e criar novas estratégias de marketing. Revista Isto é Online, São Paulo, 28 jul. 2004. Disponível em: http://www.terra.com.br/istoedinheiro. Acesso em: 01/02/2016.

PINHEIRO, D. Nova mulher, velhas questões. Revista Veja. São Paulo, ago. 2002. Edição especial mulher, p. 13.

REVISTA CLAUDIA. http://mdemulher.abril.com.br/estilo-de-vida/claudia/a-publicidade-avancou-na-forma-de-representar-a-mulher. Visualizado em 14/03/2016.

SAFFIOTI, H.B. I. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. Vozes, 2ª ed. 1979, coleção de Sociologia Brasileira, vol. 4.

_____. Do artesanal ao industrial: a exploração da mulher. São Paulo: Hucitec, 1981.

VESTERGAARD, T.; SCHRODER, K. A linguagem da propaganda. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

Publicado

2018-01-01

Como Citar

GONZALES, Lucilene dos Santos. A REPRESENTAÇÃO DA MULHER CONTEMPORÂNEA NA PUBLICIDADE: os jovens ditam as novas tendências. Revista Observatório , [S. l.], v. 4, n. 1, p. 544–568, 2018. DOI: 10.20873/uft.2447-4266.2018v4n1p544. Disponível em: https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/observatorio/article/view/3269. Acesso em: 23 abr. 2024.