SOBRE AS PERGUNTAS QUE PODEMOS FAZER AOS ARQUIVOS VISUAIS: por uma história pública, comunicação e ensino

Palavras-chave: Arquivos e coleções fotográficas, História pública, comunicação, ensino

Resumo

Experiências anteriores com arquivos e coleções fotográficas datadas de meados do século XX, me levaram a pensar nas imagens que os sujeitos, as instituições e as épocas compartilham em suas falas cotidianas. Elas podem ser acessadas não somente em acervos, também na internet, em exposições, no cinema, na sala de aula e em outros espaços de convivência, vistos de uma plataforma como a História pública. Através das perguntas que lhes fazemos é possível distinguir como elas ficam presentes em nosso cotidiano. É possível reconstituir percursos e perscrutar, no presente, ecos daqueles valores que aparecem visualmente. Com isso, o objetivo deste ensaio é expor fragmentos que fazem parte da cultura visual no Recife. Como plataforma reflexiva, os argumentos identificam e relatam alguns desses fragmentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana Bruce Silva, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Graduada em História pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE (1986), mestre em Antropologia pela UFPE, doutora em História também pela UFPE, com pós-doutorado na École des Hautes Études en Sciences Sociales - EHESS, em Paris – França. Atualmente é professora da Licenciatura e do Departamento de História da Universidade Federal Rural de Pernambuco - Dehist/UFRPE e professora colaboradora do Programa de Pós-Graduação Associado em Educação, Culturas e Identidades UFRPE/Fundaj.E-mail: fabianabrucesilva@gmail.com.

Referências

ALMEIDA, Janiele R. de e SANTHIAGO, Ricardo (org). História pública no Brasil. Sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2016, p. 96.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era da reprodutibilidade técnica. In : Obras escolhidas I. São Paulo : Brasiliense, 1987.

_________. Figos frescos. In: Obras escolhidas III. São Paulo: Brasiliense, 1991, p. 213.

CASTORIADIS, Cornelius. A instituição imaginária da sociedade. Rio de Janeiro : Paz e Terra, 1982, p. 13.

CUNHA, Vânia Carneiro da e LIMA, Solange Ferraz de. Fotografias como objeto de coleções e de conhecimento. In: Anais do Museu Histórico Nacional. Rio de Janeiro: O Museu/IPHAN, Edição alusiva aos 60 anos de lançamento do volume I - 1940, 2000.

DIDI-HUBERMANN, Georges. Que emoção! Que emoção? São Paulo: Editora 34, Coleção Fábula, 2016.

DURAND, Gilbert. O imaginário. Ensaio acerca das ciências e da filosofia da imagem. Rio de Janeiro: Difel, 2001.

ELIAS, Norbert. Sobre o tempo. Rio de Janeiro : Zahar Ed., 1998.

FARGE, Arlette. O sabor do arquivo. São Paulo: Edusp, 2009.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. São Paulo: Forense Universitária, 1987.

GUNTHERT, André. La photographie, intensificateur d’experience. Disponível online:<http://imagesociale.fr/3837> Acesso em 10 de janeiro de 2017.

__________. Vernaculaire. Disponível online: <http://imagesociale.fr/?s=vernaculaire>. Acesso em 10 de janeiro de 2017

HELLER, Agnes. O cotidiano e a história. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

JARDIM, José Maria. Saberes e sabores do arquivo. Ponto de Acesso, Salvador, V.5, n.1, p.109-111, abr 2011. Disponível online: Acesso em 10 de janeiro de 2017.

LE GOFF, Jacques. Memória e história. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1990.

KNAUSS, Paulo. O desafio de fazer história com imagens: arte e cultura visual. ArtCultura, Uberlândia, v. 8, n. 12, p. 97-115, jan.-jun. 2006. Disponível online: <http://www.artcultura.inhis.ufu.br/PDF12/ArtCultura%2012_knauss.pdf > Acesso em 10 de janeiro de 2017.

LEITE, Miriam Moreira. Imagem e educação. Anais do Seminário Pedagogia da imagem, imagem da pedagogia. Niterói, UFF: 1996.

LISSOVSKY, Mauricio. “A paisagem e a proveniência dos lugares, publicadoem: Contemporânea | comunicação e cultura - vol.09 – n.02 – agosto de 2011. Como palestra, disponível na internet: https://www.youtube.com/watch?v=Sh07Yv9kBAA Acesso em 20 de dezembro de 2016.

________. Quatro + uma dimensão do arquivo. Disponível online: <http://www.pos.eco.ufrj.br/site/corpo_docente_interna.php?id=17>. Acesso em 10 de janeiro de 2017.

MALTA, Albertina Otávia Lacerda e ARAÚJO, Rita de Cássia Barbosa de. Benício Dias: fotografias. Recife: Cepe: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2015, p. 104-105.

MAUAD, Ana Maria. O passado em imagens. Artes visuais e história publica. In: MAUAD, Ana Maria. Tempo, Rio de Janeiro, vol. 1, n °. 2, 1996, p. 73-98.

MENESES, Ulpiano Bezerra de. História e imagem: iconografia/iconologia e além. Publicado em CARDOSO, Ciro F.S. & VAINFAS, Ronaldo, orgs., Novos domínios da história. Rio de Janeiro, Campus/Elsevier, 2012, p. 243-262.

________. Fontes visuais, culturavisual, Históriavisual. Balançoprovisório, propostascautelares. Revista Brasileira de História, 2003, vol. 23, no 45, p. 31, aoexplicitar o que seriavisualidade.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. “Olhar, ouvir e escrever”, Revista de ANTROPOLOGIA, São Paulo, USP, 1996, v. 39 no 1. Disponível online: <http://www.revistas.usp.br/ra/article/viewFile/111579/109656> Acesso em 10 de janeiro de 2017.

SARTRE, Jean Paul. A imaginação. Porto Alegre , RS: L&PM, 2008.

SEPIADES. Recommendations for cataloguing photographic collections, European Commission on Preservation and Access, Amsterdam, 2003. Disponível online: <http://www.ica.org/en/sepiades-recommendations-cataloguing-photographic-collections> Acesso em 10 de janeiro de 2017.

VALÉRY, Paul. Introdução ao método de Leonardo da Vinci. São Paulo: Editora 34, 1998.

Publicado
2017-04-01
Como Citar
SILVA, F. B. SOBRE AS PERGUNTAS QUE PODEMOS FAZER AOS ARQUIVOS VISUAIS: por uma história pública, comunicação e ensino. Revista Observatório , v. 3, n. 2, p. 219-240, 1 abr. 2017.
Seção
Dossiê Temático / Thematic dossier / Dossier temático