A Relação entre Trabalho e Alcoolismo

Contribuições Sobre o Estado da Arte

Resumo

Resumo


O objetivo deste artigo foi identificar o que dizem os artigos científicos brasileiros dos últimos 20 anos acerca da relação trabalho e alcoolismo. Para tanto, foram realizadas buscas na Biblioteca Virtual de Saúde (BVS), na base Scopus, no portal de Periódicos Eletrônicos em Psicologia (PePSIC) e no Portal de Periódicos da Capes. O número de artigos rastreados foi n = 118, e o total de 18 artigos foi selecionado para passar pela análise das características bibliométricas e de conteúdo. Observou-se predominância de estudos empíricos. Quanto ao conteúdo, identificou-se uma polarização: aqueles artigos que centralizam o papel do trabalho nesse processo de adoecimento e aqueles que focalizam a atenção no nível do indivíduo.


Palavras-chave: trabalho, álcool, saúde dos trabalhadores, revisão de literatura

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Assistente Social pela Universidade de Brasília (UnB). Mestre em Política Social pelo Programa de Pós-Graduação em Política Social da UnB. Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações (PSTO) da UnB. Agradecimento: Companhia Imobililiária de Brasília (TERRACAP). Licença capacitação para a autora. Período: dez. 2016 – mar. 2019

##submission.authorWithAffiliation##

 Psicólogo do trabalho, Doutor pela École Pratique des Hautes Études (EPHE, França), com pós-doutorado Université Paris 1 Sorbonne (França) em Ergonomia da Atividade Aplicada à Qualidade de Vida no Trabalho. Professor associado 3 no Departamento de Psicologia Social e do Trabalho do Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília (UnB) e no Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações (PPG-PSTO) do Instituto de Psicologia. Foi Diretor do Programa de Iniciação Científica da Universidade de Brasília (2009-2012). Coordenador do ?GT Trabalho e Saúde? da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Psicologia (ANPEPP). Coordenador do Grupo de Pesquisa no Diretório do CNPq ?Desenvolvimento de Pessoal e Qualidade de Vida no Trabalho no Setor Público (DViTra)?, do ?Núcleo de Ergonomia da Atividade, Cognição e Saúde (ECoS)?, do Grupo de Estudos em Ergonomia Aplicada ao Setor Público (ErgoPublic). É bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq - Nível 2, onde executa projeto (2014-2017) na temática "Contexto de Trabalho e Práticas de Gestão em Organizações Brasileiras: Impactos Sobre a Qualidade de Vida no Trabalho". É autor do livro "Qualidade de Vida no Trabalho. Uma Abordagem Centrada no Olhar dos Trabalhadores" (2012) Editora Paralelo 15, co-autor do livro: "Trabalho e riscos de adoecimento: o caso dos auditores-fiscais da Previdência Social brasileira" (2003) Edições Ler, Pensar, Agir ? LPA, co-organizador dos livros: "Trabalho e Saúde: Cenários, Impasses e Alternativas no Contexto Brasileiro" (2015) Editora Opção; ?Qualidade de Vida no Trabalho: Estudos e Metodologias Brasileiras." (2015) Editora CRV, "Qualidade de Vida no Trabalho: Questões Fundamentais, Perspectivas de Análise e Intervenção" (2013) Editora Paralelo 15 e "Dominação e Resistência no Contexto Trabalho-Saúde" (2011) Editora Makenzie. Área de especialização: Psicologia do Trabalho, Ergonomia da Atividade

Referências

Alves, H. N. P., Vieira, D. L., Laranjeira, R. R., Vieira, J. E., & Martins, L. A. N. (2012). Perfil clínico e demográfico de anestesiologistas usuários de álcool e outras drogas atendidos em um serviço pioneiro no Brasil. Rev. Bras. Anestesiologia, 62(3), 360–364. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942012000300008
Amaral, R. A., & Malbergier, A. (2004). Avaliação de instrumento de detecção de problemas relacionados ao uso do álcool (CAGE) entre trabalhadores da Prefeitura do Câmpus da Universidade de São Paulo (USP) – Câmpus Capital. Revista Brasileira de 26(3), 156-163. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462004000300005
Antunes, R. (2015). Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez.
Borges-Andrade, J. E., & Pagotto, C.P. (2010). O estado da arte da pesquisa brasileira em Psicologia do Trabalho e Organizacional. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(spe), 37-50. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722010000500004
Carrillo, L. P., & Mauro, M. Y. (2003). Uso e abuso de álcool e outras drogas: ações de promoção e prevenção no trabalho. Revista de Enfermagem da UERJ, (11)25-33. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v11n1/v11n1a04.pdf
Corrêa, C. L., Pedroso, R. C., Oliveira, S., & Cazenave, S. O. (1998). Aspectos relacionados aos programas de controle e prevenção do uso de álcool e drogas no local de trabalho. Rev. de Ciênc. Médicas, 7(3), 85–90. Disponível em: http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/cienciasmedicas/article/view/1358/1332
Dimenstein, M., Lima, A. I. O., Figueiró, R. A., & Leite, J. F. (2017). Uso abusivo de álcool e outras drogas entre trabalhadores do sistema prisional. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 17(1), 62-70. doi: http://dx.doi.org/10.17652/rpot/2017.1.12705
Jaffe, J. H. (1993). The concept of dependence: historical reflections. Alcohol Health and Research World, 17(3), 188-190.
Félix Junior, I. J. F., Schlindwein, V. de L. D. C., & Calheiros, P. R. V. (2016). A relação entre o uso de drogas e o trabalho: uma revisão de literatura PSI. Psicologia Social, 16(1), 104–122. Disponível em: http://pesquisa.bvs.br/brasil/resource/pt/psi-68833. Acesso em: 31 Jul 2017
Ferreira, M. L., & Sartes, L. M. (2015). Intervenções Realizadas no Ambiente de Trabalho para o Uso de Drogas: Revisão Sistemática. Psicologia: Ciência e Profissão, 35(1), 96–110. doi: https://doi.org/10.1590/1982-3703001802013
Fontaine, A. (2006). Double Vie: Les drogues et le travail (pp.17-36). Paris: Les empêcheurs de penser en rond
Fontes, F. F., Maia, A. B., Oliveira, A. F., Bulik, K. J., & Medeiros, C. P. (2010). Periódicos de Psicanálise avaliados pela Capes em 2009: um esforço inicial para mapear o campo. Revista eletrônica do Núcleo Sephora, 16(5). Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/305730608_Periodicos_de_psicanalise_avaliados_pela_CAPES_em_2009_um_esforco_inicial_para_mapear_o_campo.
Halpern, E. E., Ferreira, S. M., & Silva Filho, J. F. (2008). Os efeitos das situações de trabalho na construção do alcoolismo de pacientes militares da marinha do Brasil. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 11(2), 273-286. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-37172008000200010&lng=pt&tlng=p . Acesso em: 31 Jul 2017
Halpern, E. E., & Leite, L. M. (2012a). A farda "siri cozido" e a "branquinha": narrativas de vida de um paciente militar alcoolista. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 15(1), 65-80. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v15i1p65-80
Halpern, E. E., & Leite, L. M. (2012b). Representações de adoecimento e cura de pacientes do Centro de Dependência Química do Hospital Central da Marinha. Ciência & Saúde Coletiva, 17(4), 1079-1089. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000400029
Halpern, E. E., & Leite, L. M. (2013). Oportunidades de beber a bordo: características do labor naval. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 23(4), 1277-1296. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312013000400013
Halpern, E. E., & Leite, L. M. (2014). Etilismo na jornada laboral: peculiaridades da vida naval. Saúde e Sociedade, (23)1, 131-145. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902014000100010
Halpern, E. E., & Leite, L. M. (2015). Tradições e punições: A cachaça do
marujo e o uísque do comandante. Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, (8)2, 357-388. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/dilemas/article/viewFile/7297/5876
Karam, H. (2003). O sujeito entre a alcoolização e a cidadania: perspectiva clínica do trabalho. Revista de Psiquiatria, 25(3), 468-474. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-81082003000300008
Lima, M. E. A. (2010). Dependência química e trabalho: uso funcional e disfuncional de drogas nos contextos laborais. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 35(122), 260-268. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0303-76572010000200008
Maranda, M. F. (2017). Trabalho e consumo de substâncias psicoativas: a experiência do Québec (L. Piva, Trad.). Em: Crespin, R., Lhuilier, D., Lutz, G. Se doper pour travailler (pp. 21-39). Toulouse: Editions érès. (Obra original publicada em 2017)
Nascimento, E. C., Nascimento, E. & Silva, J. P. (2007). Uso de álcool e anfetaminas entre caminhoneiros de estrada. Revista de Saúde Pública, 41(2), 290-293. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102007000200017
Neves, D. P. (2004). Alcoolismo: acusação ou diagnóstico? Cadernos de Saúde Pública, 20(1), 7–36. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2004000100002
Pereira, M. G., & Galvão, T. F. (2014). Etapas de busca e seleção de artigos em revisões sistemáticas da literatura. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 23(2), 369-371. doi: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742014000200019
Pio, D. P., Oliveira, L. P., Erani, F. B., Ferreira, P. S., Toffano, S. E., & Gir, E. (2012). Escores do AUDIT de profissionais de enfermagem acometidos por acidentes com material biológico. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro, 2(1), 93–98. Disponível em: http://pesquisa.bvsalud.org/ses/resource/pt/bde-24809. Acesso em: 31 Jul. 2017
Ribeiro, C. V., & Léda, D. B. (2004). O Significado do Trabalho em Tempos de Reestruturação Produtiva. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 4(2), 76–83. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/epp/v4n2/v4n2a06.pdf. Acesso em: 31 Jul. 2017
Ronzani, T. M., Rodrigues, T. P., Batista, A. G., Lourenço, L. M., & Formigoni, M. L. (2007). Estratégias de rastreamento e intervenções breves para problemas relacionados ao abuso de álcool entre bombeiros. Estudos de Psicologia - Natal, 12(3), 285-290. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2007000300011
Rossato, V. M., & Kirchhof, A. L. (2004). O trabalho e o alcoolismo: estudo com trabalhadores. Revista Brasileira de Enfermagem, 57(3), 344-349. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672004000300018
Rueda, F. J (2009). Produção científica da Revista Brasileira de Orientação Profissional. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 10(2), 129-139. ISSN 1984-7270. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-33902009000200013. Acesso em: 31 Jul. 2017
Webb, G., Shakeshaft, A., Sanson-Fisher, R., & Havard, A. (2009). A systematic review of work-place interventions for alcohol-related problems. Addiction, 104(3), 365–377. http://dx.doi.org/10.1111/j.1360-0443.2008.02472.x
World Health Organization. (2014). Global status report on alcohol and health. Luxemburgo: WHO. Disponível em: http://www.who.int/substance_abuse/publications/global_alcohol_report/en/. Acesso em: 31 Jul. 2017
Publicado
2017-12-12
Como Citar
SOARES, Kelma Jaqueline; FERREIRA, Mário César. A Relação entre Trabalho e Alcoolismo. Trabalho (En)Cena, [S.l.], v. 2, n. 2, p. 50-69, dez. 2017. ISSN 2526-1487. Disponível em: <https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/encena/article/view/4315>. Acesso em: 23 jan. 2018. doi: https://doi.org/10.20873/2526-1487V2N2P50.
Seção
Artigos Teóricos e Empíricos

Artigos mais lidos do mesmo autor (s)

Obs .: Este plugin requer pelo menos um plugin de estatísticas/relatório para ser ativado. Se seus plugins de estatísticas fornecem mais de uma métrica, selecione uma métrica principal na página de configurações do site do administrador e/ou nas páginas de configurações do gerenciador de diários.