A Relação entre Trabalho e Alcoolismo

Contribuições Sobre o Estado da Arte

  • Kelma Jaqueline Soares Universidade de Brasília http://orcid.org/0000-0002-0233-4720
  • Mário César Ferreira Instituto de Psicologia (IP), Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações (PSTO), Grupo de Estudos em Ergonomia Aplicada ao Setor Público (ErgoPublic), Universidade de Brasília (UnB) http://orcid.org/0000-0002-4962-5154

Resumo

Resumo

O objetivo deste artigo foi identificar o que dizem os artigos científicos brasileiros dos últimos 20 anos acerca da relação trabalho e alcoolismo. Para tanto, foram realizadas buscas na Biblioteca Virtual de Saúde (BVS), na base Scopus, no portal de Periódicos Eletrônicos em Psicologia (PePSIC) e no Portal de Periódicos da Capes. O número de artigos rastreados foi n = 118, e o total de 18 artigos foi selecionado para passar pela análise das características bibliométricas e de conteúdo. Observou-se predominância de estudos empíricos. Quanto ao conteúdo, identificou-se uma polarização: aqueles artigos que centralizam o papel do trabalho nesse processo de adoecimento e aqueles que focalizam a atenção no nível do indivíduo.

Palavras-chave: trabalho, álcool, saúde dos trabalhadores, revisão de literatura

Biografia do Autor

Kelma Jaqueline Soares, Universidade de Brasília

Assistente Social pela Universidade de Brasília (UnB). Mestre em Política Social pelo Programa de Pós-Graduação em Política Social da UnB. Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações (PSTO) da UnB. Agradecimento: Companhia Imobililiária de Brasília (TERRACAP). Licença capacitação para a autora. Período: dez. 2016 – mar. 2019

Mário César Ferreira, Instituto de Psicologia (IP), Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações (PSTO), Grupo de Estudos em Ergonomia Aplicada ao Setor Público (ErgoPublic), Universidade de Brasília (UnB)

 Psicólogo do trabalho, Doutor pela École Pratique des Hautes Études (EPHE, França), com pós-doutorado Université Paris 1 Sorbonne (França) em Ergonomia da Atividade Aplicada à Qualidade de Vida no Trabalho. Professor associado 3 no Departamento de Psicologia Social e do Trabalho do Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília (UnB) e no Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações (PPG-PSTO) do Instituto de Psicologia. Foi Diretor do Programa de Iniciação Científica da Universidade de Brasília (2009-2012). Coordenador do ?GT Trabalho e Saúde? da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Psicologia (ANPEPP). Coordenador do Grupo de Pesquisa no Diretório do CNPq ?Desenvolvimento de Pessoal e Qualidade de Vida no Trabalho no Setor Público (DViTra)?, do ?Núcleo de Ergonomia da Atividade, Cognição e Saúde (ECoS)?, do Grupo de Estudos em Ergonomia Aplicada ao Setor Público (ErgoPublic). É bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq - Nível 2, onde executa projeto (2014-2017) na temática "Contexto de Trabalho e Práticas de Gestão em Organizações Brasileiras: Impactos Sobre a Qualidade de Vida no Trabalho". É autor do livro "Qualidade de Vida no Trabalho. Uma Abordagem Centrada no Olhar dos Trabalhadores" (2012) Editora Paralelo 15, co-autor do livro: "Trabalho e riscos de adoecimento: o caso dos auditores-fiscais da Previdência Social brasileira" (2003) Edições Ler, Pensar, Agir ? LPA, co-organizador dos livros: "Trabalho e Saúde: Cenários, Impasses e Alternativas no Contexto Brasileiro" (2015) Editora Opção; ?Qualidade de Vida no Trabalho: Estudos e Metodologias Brasileiras." (2015) Editora CRV, "Qualidade de Vida no Trabalho: Questões Fundamentais, Perspectivas de Análise e Intervenção" (2013) Editora Paralelo 15 e "Dominação e Resistência no Contexto Trabalho-Saúde" (2011) Editora Makenzie. Área de especialização: Psicologia do Trabalho, Ergonomia da Atividade

Referências

Alves, H. N. P., Vieira, D. L., Laranjeira, R. R., Vieira, J. E., & Martins, L. A. N. (2012). Perfil clínico e demográfico de anestesiologistas usuários de álcool e outras drogas atendidos em um serviço pioneiro no Brasil. Rev. Bras. Anestesiologia, 62(3), 360–364. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942012000300008
Amaral, R. A., & Malbergier, A. (2004). Avaliação de instrumento de detecção de problemas relacionados ao uso do álcool (CAGE) entre trabalhadores da Prefeitura do Câmpus da Universidade de São Paulo (USP) – Câmpus Capital. Revista Brasileira de 26(3), 156-163. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462004000300005
Antunes, R. (2015). Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez.
Borges-Andrade, J. E., & Pagotto, C.P. (2010). O estado da arte da pesquisa brasileira em Psicologia do Trabalho e Organizacional. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(spe), 37-50. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722010000500004
Carrillo, L. P., & Mauro, M. Y. (2003). Uso e abuso de álcool e outras drogas: ações de promoção e prevenção no trabalho. Revista de Enfermagem da UERJ, (11)25-33. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v11n1/v11n1a04.pdf
Corrêa, C. L., Pedroso, R. C., Oliveira, S., & Cazenave, S. O. (1998). Aspectos relacionados aos programas de controle e prevenção do uso de álcool e drogas no local de trabalho. Rev. de Ciênc. Médicas, 7(3), 85–90. Disponível em: http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/cienciasmedicas/article/view/1358/1332
Dimenstein, M., Lima, A. I. O., Figueiró, R. A., & Leite, J. F. (2017). Uso abusivo de álcool e outras drogas entre trabalhadores do sistema prisional. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 17(1), 62-70. doi: http://dx.doi.org/10.17652/rpot/2017.1.12705
Jaffe, J. H. (1993). The concept of dependence: historical reflections. Alcohol Health and Research World, 17(3), 188-190.
Félix Junior, I. J. F., Schlindwein, V. de L. D. C., & Calheiros, P. R. V. (2016). A relação entre o uso de drogas e o trabalho: uma revisão de literatura PSI. Psicologia Social, 16(1), 104–122. Disponível em: http://pesquisa.bvs.br/brasil/resource/pt/psi-68833. Acesso em: 31 Jul 2017
Ferreira, M. L., & Sartes, L. M. (2015). Intervenções Realizadas no Ambiente de Trabalho para o Uso de Drogas: Revisão Sistemática. Psicologia: Ciência e Profissão, 35(1), 96–110. doi: https://doi.org/10.1590/1982-3703001802013
Fontaine, A. (2006). Double Vie: Les drogues et le travail (pp.17-36). Paris: Les empêcheurs de penser en rond
Fontes, F. F., Maia, A. B., Oliveira, A. F., Bulik, K. J., & Medeiros, C. P. (2010). Periódicos de Psicanálise avaliados pela Capes em 2009: um esforço inicial para mapear o campo. Revista eletrônica do Núcleo Sephora, 16(5). Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/305730608_Periodicos_de_psicanalise_avaliados_pela_CAPES_em_2009_um_esforco_inicial_para_mapear_o_campo.
Halpern, E. E., Ferreira, S. M., & Silva Filho, J. F. (2008). Os efeitos das situações de trabalho na construção do alcoolismo de pacientes militares da marinha do Brasil. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 11(2), 273-286. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-37172008000200010&lng=pt&tlng=p . Acesso em: 31 Jul 2017
Halpern, E. E., & Leite, L. M. (2012a). A farda "siri cozido" e a "branquinha": narrativas de vida de um paciente militar alcoolista. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 15(1), 65-80. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v15i1p65-80
Halpern, E. E., & Leite, L. M. (2012b). Representações de adoecimento e cura de pacientes do Centro de Dependência Química do Hospital Central da Marinha. Ciência & Saúde Coletiva, 17(4), 1079-1089. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000400029
Halpern, E. E., & Leite, L. M. (2013). Oportunidades de beber a bordo: características do labor naval. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 23(4), 1277-1296. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312013000400013
Halpern, E. E., & Leite, L. M. (2014). Etilismo na jornada laboral: peculiaridades da vida naval. Saúde e Sociedade, (23)1, 131-145. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902014000100010
Halpern, E. E., & Leite, L. M. (2015). Tradições e punições: A cachaça do
marujo e o uísque do comandante. Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, (8)2, 357-388. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/dilemas/article/viewFile/7297/5876
Karam, H. (2003). O sujeito entre a alcoolização e a cidadania: perspectiva clínica do trabalho. Revista de Psiquiatria, 25(3), 468-474. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-81082003000300008
Lima, M. E. A. (2010). Dependência química e trabalho: uso funcional e disfuncional de drogas nos contextos laborais. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 35(122), 260-268. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0303-76572010000200008
Maranda, M. F. (2017). Trabalho e consumo de substâncias psicoativas: a experiência do Québec (L. Piva, Trad.). Em: Crespin, R., Lhuilier, D., Lutz, G. Se doper pour travailler (pp. 21-39). Toulouse: Editions érès. (Obra original publicada em 2017)
Nascimento, E. C., Nascimento, E. & Silva, J. P. (2007). Uso de álcool e anfetaminas entre caminhoneiros de estrada. Revista de Saúde Pública, 41(2), 290-293. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102007000200017
Neves, D. P. (2004). Alcoolismo: acusação ou diagnóstico? Cadernos de Saúde Pública, 20(1), 7–36. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2004000100002
Pereira, M. G., & Galvão, T. F. (2014). Etapas de busca e seleção de artigos em revisões sistemáticas da literatura. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 23(2), 369-371. doi: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742014000200019
Pio, D. P., Oliveira, L. P., Erani, F. B., Ferreira, P. S., Toffano, S. E., & Gir, E. (2012). Escores do AUDIT de profissionais de enfermagem acometidos por acidentes com material biológico. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro, 2(1), 93–98. Disponível em: http://pesquisa.bvsalud.org/ses/resource/pt/bde-24809. Acesso em: 31 Jul. 2017
Ribeiro, C. V., & Léda, D. B. (2004). O Significado do Trabalho em Tempos de Reestruturação Produtiva. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 4(2), 76–83. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/epp/v4n2/v4n2a06.pdf. Acesso em: 31 Jul. 2017
Ronzani, T. M., Rodrigues, T. P., Batista, A. G., Lourenço, L. M., & Formigoni, M. L. (2007). Estratégias de rastreamento e intervenções breves para problemas relacionados ao abuso de álcool entre bombeiros. Estudos de Psicologia - Natal, 12(3), 285-290. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2007000300011
Rossato, V. M., & Kirchhof, A. L. (2004). O trabalho e o alcoolismo: estudo com trabalhadores. Revista Brasileira de Enfermagem, 57(3), 344-349. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672004000300018
Rueda, F. J (2009). Produção científica da Revista Brasileira de Orientação Profissional. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 10(2), 129-139. ISSN 1984-7270. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-33902009000200013. Acesso em: 31 Jul. 2017
Webb, G., Shakeshaft, A., Sanson-Fisher, R., & Havard, A. (2009). A systematic review of work-place interventions for alcohol-related problems. Addiction, 104(3), 365–377. http://dx.doi.org/10.1111/j.1360-0443.2008.02472.x
World Health Organization. (2014). Global status report on alcohol and health. Luxemburgo: WHO. Disponível em: http://www.who.int/substance_abuse/publications/global_alcohol_report/en/. Acesso em: 31 Jul. 2017
Publicado
2017-12-12
Seção
Artigos Teóricos e Empíricos