Psicodinâmica do trabalho masculino e a defesa da virilidade

uma questão de gênero

Resumo

O objetivo deste artigo é apontar caminhos teóricos que relacionem a ideologia defensiva da virilidade enquanto uma questão de gênero e o impacto que essa dinâmica tem nos trabalhadores homens dentro da perspectiva da psicodinâmica do trabalho. Caracterizado como valente, destemido, corajoso e herói, o homem, ao longo da história, defende uma imagem viril para ser valorizado pelo coletivo em diferentes espaços em que atua. No contexto do trabalho, estudos mostram que os homens tendem a negar o sofrimento decorrente da falência das estratégias de mediação em nome de uma honra viril. Por meio de apontamentos resultantes de diferentes estudos, concluímos que a psicodinâmica da defesa da virilidade adotada pelos trabalhadores homens pode agravar o adoecimento dos mesmos.


Palavras-chave: masculinidade, virilidade, defesa, psicodinâmica do trabalho.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Possui DOUTORADO (em andamento, conclusão em 2017) em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações (PSTO), na Universidade de Brasília (UnB). Pesquisador do Laboratório de Psicodinâmica e Clínica do Trabalho (LPCT) na UnB. Tem MESTRADO em Psicologia com ênfase em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações (PSTO) e graduação (bacharelado e licenciatura) em PSICOLOGIA na Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-Go); possui o título de MBA em Gestão de Recursos Humanos no Centro Universitário Internacional de Curitiba (UNINTER); Pós-graduação lato sensu em Docência no Ensino Superior na Faculdade Sul-Americana (FASAM). É integrante da Comissão Intersetorial de Saúde e Segurança dos Profissionais da Educação (CISSPE) e demais servidores públicos do município de Goiânia. Coordena e atua em um projeto sobre saúde do trabalhador na CISSPE, atuando como psicólogo do trabalho e professor, em um projeto de extensão do Programa em Nome da Vida (PNV), da PUC-Goiás. É docente efetivo/concursado na PUC-Go e trabalha com o curso de Psicologia. É um dos psicólogos responsáveis (coordenadores) pelo Núcleo de Apoio ao Discente (NAD) da FASAM; um dos integrantes do Núcleo Docente Estruturante (NDE) do curso de Administração da FASAM, ocupando o cargo de professor Adjunto. É educador e psicólogo, possui experiência acadêmica no desenvolvimento de pesquisas nas áreas de Psicologia Social, do Trabalho, Organizacional, Educacional e do Desenvolvimento. É psicólogo organizacional (em um projeto de Recursos Humanos - RH) e trabalha com líderes e colaboradores administrativos. Tem experiências profissionais nas áreas de docência, psicologia organizacional e do trabalho.

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações, com ênfase em Ergonomia da Atividade Aplicada à Qualidade de Vida no Trabalho - EAAQVT (PSTO-UnB). Professora Adjunta do Departamento de Psicologia Social e do Trabalho na Universidade de Brasília. Coordenadora do Curso de Graduação em Psicologia da UnB. Coordenadora do Grupo de Estudos em Psicodinâmica do Trabalho Feminino, vinculado ao Laboratório de Psicodinâmica e Clínica do Trabalho - LPCT (Instituto de Psicologia, UnB). Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Fatores Humanos no Trabalho, atuando principalmente nas seguintes áreas: Psicodinâmica do Trabalho e Clínica do Trabalho.

Referências

Almeida, C. V. R. (2012). “Manda quem pode, obedece quem (não) tem juízo” – corpo, adoecimento mental e intersubjetividade na polícia militar goiana. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social, Universidade Federal de Goiás, Goiânia.
Almeida, M. V. (1995). Senhores de Si: uma interpretação antropológica da masculinidade. Lisboa: Fim de Século.
Alves, G. (2011). Trabalho flexível, vida reduzida e precarização do homem-que-trabalha: perspectivas do capitalismo global no século XXI. In: Vizzaccaro-Amaral, A. L., Mota, D. P. & Alves, G. (Orgs). Trabalho e saúde: a precarização do trabalho e a saúde do trabalhador no século XXI. São Paulo: LTR.
Barros, P. C. R., & Mendes, A. M. (2003). Sofrimento psíquico no trabalho e estratégias defensivas dos operários terceirizados da construção civil. Psico USF, 8 (1), 63-70.
Baubérot, A. (2013). Não se nasce viril, torna-se viril. In: A. Corbin; J-J. Courtine; G. Vigarello. (Org.) História da Virilidade: a virilidade em crise? Século XX-XXI. Vol. 3. (pp. 189-220). Petrópolis: Vozes.
Beauvoir, S. (1972). Tout compt fait. Paris: Gallimard.
Bertaud, J-P. (2013). A virilidade militar. In: A. Corbin; J-J. Courtine; G. Vigarello. (Org.) História da Virilidade: o triunfo da virilidade o século XIX. Vol. 2. (pp. 195-248). Petrópolis: Vozes.
Bock, A. M. B., Teixeira, M. L. T. & Furtado, O. (2011). O mundo do trabalho e das organizações. In Bock, A. M. B., Teixeira, M. L. T. & Furtado, O. (Orgs), Psicologia Fácil (159-171). São Paulo: Saraiva.
Botton, F. B. (2007). As Masculinidades em questão: uma perspectiva de construção teórica. Revista Vernáculo, 19 e 20, 109-120.
Bourdieu, P. (2003). A Dominação Masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.
Caniato, A. M. P., & Lima, E. da C. (2008). Assédio moral nas organizações de trabalho: Perversão e sofrimento. Cadernos de Psicologia Social e do Trabalho, 11(2),177-192. doi:10.11606/issn.1981-0490.v11i2p177-192.
Dejours, C. & Abdoucheli, (1990). E. Itinéraire théorique en psychopathologie du travail. Revue Prevenir, 20, 21-38.
Dejours, C. (1985). Construire as santé. In Cassou, B. et al (dir.) Les risques du travail (18-21). Paris: Éditions de la Decouverte.
Dejours, C. (1992). A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. 5. ed. São Paulo: Cortez-Oboré.
Dejours, C. (2004a). Adenddum. In: Lancman, S. & Sznelman, L. (Orgs). Christopher Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Rio de Janeiro: Fiocruz; Brasília: Paralelo 15.
Dejours, C. (2004b). O trabalho como enigma. In: S. Lancman, L. Sznelwar (Orgs.) Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Rio de Janeiro: Fio-cruz/Brasília: Paralelo 15.
Dejours, C. (2007). A banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: Editora FGV.
Dejours, C. (2008). A metodologia em psicopatologia do trabalho. In S. Lancman, L. Sznelwar (Orgs.) Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. (2ªed., PP. 107-128). Rio de Janeiro: Fio-cruz/Brasília: Paralelo 15.
Dejours, C.; Abdouchelli, E. & Jayet, C. (1994). Psicodinâmica do Trabalho – contribuições da escola Dejouriana à análise de prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas.
Dunker, C. I. L. (2011). Mal-estar, sofrimento e sintoma: releitura da diagnóstica lacaniana a partir do perspectivismo animista. Tempo social. 23 (1), 115-136. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/S0103-20702011000100006 em 01/09/2014. ISSN 0103-2070.
Foucault, M. (1986). A História da Sexualidade II – O Uso dos Prazeres. Rio de Janeiro: Graal.
Freud, S. (1930). O mal-estar na civilização. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, vol. 21. Rio de Janeiro: Imago.
Grenier-Pezé, M. (2004). Forclusão do feminino na organização do trabalho: um assédio de gênero. Revista Produção, 14 (3), 6-13.
Guillet, F. (2013). O duelo e a defesa da honra viril. In: A. Corbin; J-J. Courtine; G. Vigarello. (Org.) História da Virilidade: o triunfo da virilidade o século XIX. Vol. 2. (pp. 97-152). Petrópolis: Vozes.
Guimarães-Júnior, E. H. & Macêdo, K. B. (2013). Saúde e trabalho do empreendedor: um estudo em psicodinâmica do trabalho. Fragmentos de Cultura, 23 (3), 335-347. doi: 10.18224/frag.v23i3.2954.
Lima, M. E. A. (2005). Transtorno mental e trabalho: o problema do nexo causal. FEAD-Minas, 2 (1), 73-80.
Machin, R. et al. (2011). Concepções de gênero, masculinidade e cuidados em saúde: estudo com profissionais de saúde da atenção primária. Ciência & Saúde Coletiva, 16(11), 4503-4512. Recuperado em 01 de setembro de 2016, de http://www.scielo.br/pdf/csc/v16n11/a23v16n11.pdf.
Mendes, A. M. Costa, V. P.; Barros, P. C. R. (2003). Estratégias de enfrentamento do sofrimento psíquico no trabalho bancário. Revista Estudos e Pesquisas em Psicologia, 3 (1), 59-72.
Mendes. A. M. (2007). Psicodinâmica do trabalho: teoria, método e pesquisas. São Paulo: Casa do Psicólogo.
Merlo, A. R. C. & Mendes, A. M. (2009). Perspectivas do uso da psicodinâmica do trabalho no Brasil: teoria, pesquisa e ação. Cadernos de psicologia social, 12 (2), 141-156.
Molinier, P. (2004). Psicodinâmica do trabalho e relações sociais de sexo. Um itinerário interdisciplinar. 1988-2002. Produção, 14 (3), 14-26. doi: 10.1590/S0103.65132004000300003.
Molinier, P. (2013). O trabalho e a psique: uma introdução à psicodinâmica do trabalho. Brasília: Paralelo 15.
Morgante, M. M. (2015). Trabalho e virilidade sexual: a violência de gênero quando ela questiona – DEAM/Vitória-ES. XXVIII Simpósio Nacional de História: velhos e novos desafios. 27-31 de julho de 2015. Florianópolis – SC, Brasil. Recuperado em 05 de setembro de 2016, de http://www.snh2015.anpuh.org/resources/anais/39/1427483186_ARQUIVO_ArtigoANPUH2015.pdf.
Muszkat, S. (2011). Violência e masculinidade. São Paulo: Casa do psicólogo.
Nascimento, M. A. F. (2011). Improváveis Relações: produção de sentidos sobre o masculino no contexto de amizade entre homens homo e heterossexuais. Tese de doutorado em Saúde Coletiva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.
Pereira, M. A. D. & Sousa, L. M. (2016). Sofrimento psíquico, gênero e o trabalho na área do cuidado. In K. B. Macêdo; J. G. Lima; A. R. D. Fleury & C. M. S. Carneiro (Orgs). Organização do trabalho e adoecimento: uma visão interdisciplinar. (pp. 275-285). Goiânia: PUC-Goiás.
Rego, V. B. (2013).Virilidade. In Vieira, F. O., Mendes, A. M. & Merlo, A. R. C. (Orgs), Dicionário crítico de gestão e psicodinâmica do trabalho (pp. 499-501). Curitiba, PR: Juruá.
Salvagni, J. (2013). Risco, trabalho e masculinidade. Um estudo sobre os trabalhadores do setor elétrico. OPSIS, 13 (2), 15-32. doi: 10.5216/o.v13i2.22089.
Silva, F. V. & Leite, F. F. (2016). A invenção do lumbersexual: memórias de uma virilidade perdida?. Maringá, 38 (2), 207-2016. doi: 10.4025/actascilangcult.v38i2.27927.
Silva, S. G. (2000). Masculinidade na história: a construção cultural da diferença entre os sexos. Psicol. cienc. prof. 20 (3), 8-15. doi: 10.1590/S1414-98932000000300003.
Tosta, T. L. D. (2011). Desigualdade de gênero e a precarização das relações de trabalho. In J. H. Nunes & R. A. Freitas (Orgs). Trabalho e gênero: entre a solidariedade e a desigualdade. (pp.53-68). Goiânia: PUC-Goiás.
Vasconcelos, A. C. L. (2015). Antecedente e construção da psicodinâmica do trabalho. In: R. D. Moraes & A. C. L. Vasconcelos (Orgs). Trabalho e emancipação: a potência da escuta clínica. (pp. 47-59). Curitiba: Juruá.
Viana, M. A. & Ferrarini, N. L. (2016). A lacuna moral na educação de meninos: o impacto das novas configurações de masculinidade na subjetividade infantil. PsicoFAE, 5 (1), 13-30.
Publicado
2017-12-12
Como Citar
SOUZA, Ronaldo Gomes; ANTLOGA, Carla Sabrina. Psicodinâmica do trabalho masculino e a defesa da virilidade. Trabalho (En)Cena, [S.l.], v. 2, n. 2, p. 18-38, dez. 2017. ISSN 2526-1487. Disponível em: <https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/encena/article/view/4262>. Acesso em: 23 jan. 2018. doi: https://doi.org/10.20873/2526-1487V2N2P18.
Seção
Artigos Teóricos e Empíricos

Artigos mais lidos do mesmo autor (s)

Obs .: Este plugin requer pelo menos um plugin de estatísticas/relatório para ser ativado. Se seus plugins de estatísticas fornecem mais de uma métrica, selecione uma métrica principal na página de configurações do site do administrador e/ou nas páginas de configurações do gerenciador de diários.