O ESTADO DE COISAS INCONSTITUCIONAL FACE AO REITERADO ROMPIMENTO DE BARRAGENS NO BRASIL

  • Henrique Rosmaninho Alves Instituto Minas de Educação e Cultura-IMEC
Palavras-chave: Rompimento de Barragens, Estado de Coisas Inconstitucional, Desastres

Resumo

O presente estudo tem como objetivo averiguar a possibilidade de caracterização do Estado de Coisas Inconstitucional face ao quadro de reiterado rompimento de barragens no país. Para tanto analisou-se o histórico de desastres com barragens ocorridos ao longo dos últimos anos, os danos provocados por estes eventos, a legislação em vigor sobre segurança de barragens e o conteúdo e requisitos essenciais do Estado de Coisas Inconstitucional. Realizou-se uma investigação jurídico-sociológica, visto que se partiu da análise do fenômeno socioambiental, relativamente à sua origem e abrangência, para posteriormente debruçar-se sobre a legislação vigente e o cabimento da tese do Estado de Coisas Inconstitucional, momento no qual o estudo adquiriu um viés jurídico-dogmático. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, predominantemente bibliográfica, na qual adotou-se como marco teórico a concepção de Estado de Coisas Inconstitucional emanada pela Corte Constitucional da Colômbia, empregando-se o raciocínio dedutivo para a resolução do problema proposto. Conclui-se pelo cabimento da caracterização do Estado de Coisas Inconstitucional ao cenário de reiterados rompimentos de barragens, propondo-se a adoção de cinco medidas para auxiliar na promoção da superação do ECI no caso em tela. 

Biografia do Autor

Henrique Rosmaninho Alves, Instituto Minas de Educação e Cultura-IMEC

Doutorando em Direito Constitucional na PUC/MINAS. Mestre em Direito Ambiental pela Escola Superior Dom Helder Câmara. Graduado em Direito pela PUC/MINAS. Professor no Instituto Minas de Educação e Cultura-IMEC, no Instituto Minas de Tecnologia, Educação e Cultura - IMTEC e na Faculdade FISBE. Graduado em Direito pela Pontificia Universidade Catolica de Minas Gerais, campus Betim . Diretor jurídico do Instituto Minas de Tecnologia, Educação e Cultura - IMTEC. Sócio fundador do escritório Costa & Rosmaninho Advogados Associados.

Referências

ALVES, Henrique Rosmaninho. O rompimento de barragens no brasil e no mundo: desastres mistos ou tecnológicos? Disponível em: < http://www.domhelder.edu.br/uploads/artigo_HRA.pdf >. Acesso em 31 de janeiro de 2019.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT. NBR 13.028: Mineração - Elaboração e apresentação de projeto de barragens para disposição de rejeitos, contenção de sedimentos e reservação de água – Requisitos. Rio de Janeiro, ABNT, 2017.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. ADPF nº 347 MC/DF, Rel. Min. Marco Aurélio. 2015.

______. Lei nº 9.433, de 08 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal, e altera o art. 1º da Lei nº 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei nº 7.990, de 28 de dezembro de 1989. Diário Oficial, 09 de janeiro de 1997.

______. Lei nº 12.334, de 20 de setembro de 2010. Estabelece a Política Nacional de Segurança de Barragens destinadas à acumulação de água para quaisquer usos, à disposição final ou temporária de rejeitos e à acumulação de resíduos industriais, cria o Sistema Nacional de Informações sobre Segurança de Barragens e altera a redação do art. 35 da Lei no 9.433, de 8 de janeiro de 1997, e do art. 4o da Lei no 9.984, de 17 de julho de 2000. Diário Oficial, 21 de setembro de 2010.

______. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Diário Oficial, 5 de Outubro de 1988

BROWN, David. et al. 501 Desastres mais devastadores de todos os tempos. Trad. Catharina Pinheiro. 1ª edição brasileira. São Paulo: Editora Lafonte, 2012.

CAMPOS, Carlos Alexandre de Azevedo. O Estado de Coisas Inconstitucional e o litígio estrutural. In: Revista Consultor Jurídico. Disponível em: <http://www.conjur.com.br/2015-set01/carlos-campos-estado-coisas-inconstitucional-litigio-estrutural>. Acesso em 29 de janeiro de 2019.

COLÔMBIA. Corte Constitucional da Colômbia. Sentencia ST – 025, de 22/01/2004. Disponível em: < http://www.corteconstitucional.gov.co/relatoria/2004/T-025-04.htm >. Acesso em 29 de janeiro de 2019.

DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA DO ESTADO DE SÃO PAULO – DAEE/SP. Portaria nº 717, de 12 de Dezembro de 1996. Disponível em: < http://www.daee.sp.gov.br/legislacao/arquivos/850/portaria%20daee_717.pdf >. Acesso em 29 de janeiro de 2019.

ROSENDA, Kamila Rodrigues. A declaração de estado de coisas inconstitucional na ADPF 347 e o princípio da separação de poderes. In: FERREIRA, Pedro Paulo da Cunha; CARVALHO, Thiago Ribeiro de. Questões atuais do direito brasileiro e a jurisprudência do STF. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2017.

SILVA, Alexander Marques. Sociedade de risco e as barragens de rejeitos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2017.

Publicado
2019-11-18
Seção
Artigo Científico