FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA NA BAHIA: reflexões sobre o mesmo tema?

Palavras-chave: português, língua materna, políticas linguísticas, políticas públicas, formação de professores

Resumo

Neste artigo, defendemos que, ao focalizar um curso de formação continuada de professores de PLM, é imprescindível levar em consideração que o domínio da língua alvo a ser ensinada e da metodologia a ser empregada nesse processo são de suma relevância para alimentar a dinâmica e a qualidade da prática pedagógica. No entanto, os aspectos relativos à dimensão formativa do professor no que diz respeito a suas ações políticas e ao seu papel transformador da realidade são também parte essencial de sua formação e responsável pelo desenvolvimento de posturas didático-pedagógicas mais sensíveis aos sujeitos envolvidos nas práticas de ensinar e aprender línguas, as quais têm ocupado um lugar secundário nos programas de formação de professores, sobretudo os governamentais.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivana Sacramento, Faculdade de Tecnologia e Ciências da Bahia

Mestrado em Crítica Cultural (UNEB), Especialização em Estudos Literários (UNEB). É professora da Secretaria de Educação da Bahia e da Faculdade de Tecnologia e Ciências da Bahia (FATEC-BA), membro do Grupo de Pesquisa Núcleo de Estudos em Língua, Cultura e Ensino (UFBA/CNPQ). E-mail: ivanasacramento19@gmail.com. 

Edleise Mendes, Universidade Federal da Bahia

Pós-Doutorado em Sociologia e Educação (CES - Universidade de Coimbra, Portugal), Doutorado em Linguística Aplicada (UNICAMP), Mestrado em Estudos Linguísticos (UFBA) e Graduação em Letras Vernáculas (UFBA).  É professora e pesquisadora Associada da Universidade Federal da Bahia, atuando na graduação e no Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura – PPGLinC. Coordena o Grupo de Pesquisa Núcleo de Estudos em Língua, Cultura e Ensino - LINCE (UFBA/CNPQ). E-mail: edleise.mendes@gmail.com / edleise.mendes@ufba.br. 

Referências

BATISTA, A. Os professores são não-leitores? In: MARINHO, M. & SILVA, C. S. R. (Orgs.) Leituras do professor. Campinas: ALB/Mercado de Letras, 1998.

BUNZEN, C. Reapresentação de objetos de ensino em livros didáticos de língua portuguesa: um estudo exploratório. In: SIGNORINI, I. (Org.). Significados da inovação no ensino de língua portuguesa e na formação de professores. Campinas: Mercado de Letras, 2007. p. 157-179.

BRASIL. Programa Gestão da Aprendizagem Escolar – GESTAR II. Guia Geral. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2008.

DEMO, Pedro. Professor e seu direito de estudar. In: SHIGUNOV NETO, A.; MACIEL, L. S. B. (Orgs.). Reflexões sobre a formação de professores. Campinas: Papirus, 2002.

FREITAS, L. A instituição do fracasso: a educação da ralé. In: SOUZA, J.; GRILLO, A. et al. (Colaboradores). A ralé brasileira – Quem é e como vive. 2 ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2016. p. 325-352.

KLEIMAN, A. B. Letramento e formação do professor: quais as práticas e exigências no local de trabalho? In KLEIMAN, A. B. A formação do professor: perspectivas da Linguística Aplicada. Campinas: Mercado de Letras, 2001, p. 39-68.

MENDES, E. A ideia de cultura e sua atualidade para o ensino-aprendizagem de LE/L2. EntreLínguas, Araraquara, v.1, n.2, p.203-221, jul./dez. 2015, p. 203 – 221.

______. O conceito de língua em perspectiva histórica: reflexos no ensino e na formação de professores de português. In: LOBO, Tânia et alii. Linguística histórica, história das línguas e outras histórias. Salvador: EDUFBA, 2012.

______. Língua, cultura e formação de professores: por uma abordagem de ensino intercultural. In: MENDES, E. e CASTRO, M. L. S. (Orgs.) Saberes em português: ensino e formação docente. Campinas, SP: Pontes, 2008. p. 57-77.

______. Abordagem comunicativa intercultural (ACIN): uma proposta para ensinar e aprender língua no diálogo de culturas. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada). UNICAMP, 2004.

ROJO, R.; BATISTA, A. Livro didático de língua portuguesa, letramento e cultura da escrita. Campinas: Mercado de Letras, 2003.

SACRAMENTO, I.C.O. Percursos de letramento de professoras: movimentos entre o lar, a formação e o ensino. Dissertação (Mestrado em Crítica Cultural). UNEB, 2011.

SOUZA, J. Senso comum e justificação da desigualdade. In: SOUZA, J.; GRILLO, A. et al. (Colaboradores). A ralé brasileira – Quem é e como vive. 2 ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2016. p. 49-58.

Publicado
2018-08-01
Como Citar
SACRAMENTO, I.; MENDES, E. FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA NA BAHIA: reflexões sobre o mesmo tema?. Revista Observatório, v. 4, n. 5, p. 95-115, 1 ago. 2018.