ECONOMIA CRIATIVA E GESTÃO DA CULTURA NA CIDADE DE PALMAS – TO

  • Alex Pizzio Fundação Universidade Federal do Tocantins
  • Agnelo Rocha Nogueira Soares Universidade Federal do Tocantins
Palavras-chave: cultura, desenvolvimento, economia criativa, gestão cultural

Resumo

O presente artigo objetiva avaliar o potencial criativo da cidade de Palmas, capital do estado do Tocantins, por meio da gestão da cultura no Município. Para tanto, realizou-se uma investigação bibliográfica e documental acerca da Economia Criativa, aproximando o arcabouço teórico à realidade da capital tocantinense. Os dados analisados revelam que a promoção da melhoria das condições de vida dos indivíduos por meio da utilização de ativos intangíveis, com destaque para a variável cultural, é uma estratégia de desenvolvimento que transcende o campo teórico e permitem identificar uma relação direta entre a adoção de políticas públicas vinculadas à Economia Criativa e a melhoria das condições de vida da população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Agnelo Rocha Nogueira Soares, Universidade Federal do Tocantins

Mestrando em Desenvolvimento Regional e Agronegócio (UFT). Graduado em Direito (UFT). E-mail: agnelo.rochanogueira@gmail.com.

Referências

BARBALHO, Alexandre. Política Cultural. Salvador: Secretaria de Cultura da Bahia, 2013.

BAYARDO, Rubens. Cultura y desarrollo: Nuevos rumbos y más de lo mismo? In: NUSSBAUMER, Gisele Marchiori (Org). Teorias e Políticas da Cultura: visões multidisciplinares. Salvador: EDUFBA, 2007.

BRASIL. Decreto 7.743, de 31 de maio de 2012.

_______ Plano da Secretaria de Economia Criativa: Políticas, diretrizes e ações, 2011-2014. 1ª ed. Brasília: Ministério da Cultura, 2011. 148p.

_______ Lei n. 12.343, de 02 de Dezembro de 2010. Institui o Plano Nacional de Cultura – PNC, cria o Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais – SNIIC e dá outras providências. Disponível em .

BURITY, Joanildo. Cultura e Desenvolvimento. In: NUSSBAUMER, Gisele Marchiori (Org). Teorias e Políticas da Cultura: visões multidisciplinares. Salvador: EDUFBA, 2007.

CANEDO, Daniele. Secretaria da Cultura ou Fundação Cultural? In: III ENECULT - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura. Salvador: UFBA, 2007.

________________ Cultura, democracia e participação social: um estudo da II Conferência Estadual de Cultura da Bahia. 2008. Dissertação (Mestrado) – Programa Multidisciplinar de Pós-graduação em Cultura e Sociedade, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2008. Disponível em:

https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/10590/1/disertacao%20Daniele%20Canedo.pdf. Acesso em out. 2016.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO – FIRJAN. Mapeamento da indústria criativa no Brasil. Rio de Janeiro: Firjan, 2014.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Perfil dos Estados e dos Municípios Brasileiros: cultura/2014. Coordenação de população e Indicadores Sociais. Rio de Janeiro: IBGE, 2015.

IPEA, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Indicador de desenvolvimento da Economia da Cultura (IDECULT). IPEA. Brasília, 2010

OLIVEIRA, João Maria de; ARAUJO, Bruno Cesar de; SILVA, Leandro Valério. Panorama da economia criativa no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, 2013.

PALMAS-TO. Lei n. 1.933, de 13 de dezembro de 2012. Plano Municipal de Cultura de Palmas – PMCP.

REIS, Ana Carla Fonseca. Introdução. In: REIS, Ana Carla Fonseca; KAGEYAMA, Peter (orgs.). Cidades criativas: perspectivas. São Paulo: Garimpo de Soluções, 2011.

REIS, Ana Carla Fonseca; URANI, André. Cidades criativas – perspectivas brasileiras. In: REIS, Ana Carla Fonseca; KAGEYAMA, Peter (orgs.). Cidades criativas: perspectivas. São Paulo: Garimpo de Soluções, 2011.

REIS, Ana Carla Fonseca. Evolução Histórica: Da indústria criativa à economia criativa, pequeno panorama global. Caderno de Economia Criativa: Economia criativa e desenvolvimento local. Secretaria de Cultura do Estado do Espírito Santo, 2015.

SERRA, Neusa; FERNANDEZ, Rafael Saad. Economia criativa: da discussão do conceito à formulação de políticas públicas. RAI – Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 11, n. 4, p. 355 – 372, out./dez. 2014.

SEN, Amartya. Desenvolvimento como Liberdade. São Paulo: Companhia de Letras, 2000.

SILVA, Francisco Raniere Moreira da. As relações entre cultura e desenvolvimento e a economia criativa: reflexões sobre a realidade brasileira. Revista NAU Social, v. 3, n. 4, p. 111-121, maio/out2012a.

SILVA, Frederico Augusto Barbosa da. Desenvolvimento e cultura – linhas gerais para um mapeamento conceitual e empírico. Revista Latitude, vol. 6, n°2, pp.85-118, 2012b.

UNESCO. Creative economy: report 2010. Nova York: United Nation, 2010.

VIEIRA, Carolina Bilha. Economia criativa: índice potencial criativo das capitais brasileiras. Monografia (Bacharelado em Economia) – Universidade Federal de Santa Catarina, 2013.

YÚDICE, George. A conveniência da cultura: Usos da cultura na era global. 2 ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

Publicado
2018-04-29
Como Citar
PIZZIO, A.; SOARES, A. R. N. ECONOMIA CRIATIVA E GESTÃO DA CULTURA NA CIDADE DE PALMAS – TO. Revista Observatório, v. 4, n. 3, p. 1015-1042, 29 abr. 2018.