Reflexões sobre Jornalismo e História Oral: um campo com mais convergências do que dissonâncias

Palavras-chave: Comunicação, jornalismo literário, narrativas, história oral., jornalismo

Resumo

Este artigo reflete sobre as aproximações entre o jornalismo e a história oral, concentrando-se em três eixos. O primeiro é o mapeamento de um breve comparativo históricos dos métodos,  onde fica clara a importância das entrevistas radiofônicas para o desenvolvimento da história oral. O segundo aborda a noção da veracidade que permeia as áreas,  enfatizando que tanto formas mais aprofundadas do jornalismo − caso do Jornalismo Literário − e a história oral têm uma visão compreensiva e abrangente da realidade, por entenderem que os entrevistados, ao se basearem em sua memória, transitam numa esfera subjetiva. Finalmente, o terceiro eixo é dedicado à questão da autoria, que difere nas duas abordagens. Acima de tudo, sugere-se que se tratam de práticas complementares, cujo uso combinado supera lacunas em cada um dos métodos.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Monica Martinez, Universidade de Sorocaba (UNISO)

Doutora em Ciências da Comunicação pela ECA-USP, tem pós-doutorado pela UMESP e estágio de pesquisa pós-doutoral junto ao departamento de Radio, Televisão e Cinema da Universidade do Texas. Tem mestrado em Ciências da Comunicação pela ECA-USP e graduação em Comunicação (Jornalismo) pela UMESP. É docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura da Universidade de Sorocaba (Uniso), onde é colíder do Grupo de Pesquisa em Narrativas Midiáticas (NAMI). É diretora científica da SBPJor (Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo), onde é colíder da Rede de Narrativas Midiáticas Contemporâneas, e coordenadora adjunta do GP de Teorias do Jornalismo da Intercom. Integra o Cisc (Centro Interdisciplinar de Semiótica da Cultura e da Mídia) e, no exterior, a IAMCR (International Association for Media and Communication Research) e ICA (International Communication Association). Seus interesses na área de pesquisa em Comunicação e do Jornalismo envolvem aspectos epistemológicos e metodológicos relacionados às narrativas e suas relações com o mundo contemporâneo. Dedica-se ao estudo do Jornalismo Literário em variados suportes, como ambientes digitais, livros-reportagem e documentários. Contato: monica.martinez@prof.uniso.br. Pesquisa narrativas biográficas, caso de Memórias, Perfis e Biografias. Esses estudos estão relacionados ao contexto das relações de gênero e dos sistemas midiáticos no âmbito dos BRICS. Do ponto de vista metodológico, atualmente concentra-se no emprego de História de Vida e Análise de Conteúdo. Suas pesquisas contemplam igualmente a interface com outras áreas do saber, como Mitologia, Psicologia, Neurociências, Criatividade e Escrita Criativa.

Referências

ABRAMO, C. A regra do jogo e a ética do marceneiro. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

ALBERTI, V. Manual de História Oral. 3. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

CASATTI, D. Viagem ao outro: um estudo sobre o encontro entre jornalistas e fontes. [s.l.] Universidade de São Paulo, 2006.

DUARTE, J. Entrevista em profundidade. In: DUARTE, J.; BARROS, A. (Eds.). . Métodos e técnicas de pesquisa em Comunicação. São Paulo: Atlas, 2005. p. 62–83.

ERBOLATO, M. Técnicas de Codificação em Jornalismo. Petrópolis, RJ: Vozes, 1984.

JUNG, C. G. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. 8. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

KRAMER, M. Breakable Rules for Literary Journalists. In: SIMS, N.; KRAMER, M. (Eds.). . Literary journalism: a new collection of the best American nonfiction. New York: Ballantine Books, 1995. p. 21–34.

KÜNSCH, D. A. A comunicação, a explicação e a compreensão: ensaio de uma epistemologia compreensiva da comunicação. Líbero, v. 17, n. 34, p. 111–122, 2014.

LANDEIRA, J. L.; BARONTO, L. E. O tempo dos gêneros. São Paulo: Salesiana, 2008.

LIMA, E. P. Páginas ampliadas: o livro-reportagem como extensão do jornalismo e da literatura. 4. ed. São Paul: Manole, 2009.

LOPES, M. I. V. DE. Pesquisa em Comunicação. 7. ed. Rio de Janeiro: Loyola, 2003.

MARTINEZ, M. Jornada do Herói: estrutura narrativa mítica na construção de histórias em jornalismo. 1. ed. São Paulo: Annablume/Fapesp, 2008.

MARTINEZ, M. A história de vida como instância metódico-técnica no campo da Comunicação. Comunicação & Inovação, v. 16, n. 30, p. 75–90, 25 fev. 2015.

MARTINEZ, M.; CORREIA, E. L.; PASSOS, M. Y. R. Entre fato e ficção: personagens compostos versus fraude em jornalismo. Estudos em Jornalismo e Mídia, v. 12, n. 2, p. 238–250, 2015.

MARTINEZ, M.; SILVA, P. C. DA. Fenomenologia: o uso do método em Comunicação. E-Compós, v. 17, n. 2, p. 1–15, 2014.

MEDINA, C. Entrevista: o diálogo possível. 2. ed. São Paulo: Ática, 1990.

MEDINA, C. A arte de tecer o presente: narrativa e cotidiano. São Paulo: Summus, 2003.

MEIHY, J. C. S. B. Manual de história oral. 2. ed. São Paulo: Loyola, 1998.

MEIHY, J. C. S. B.; RIBEIRO, S. L. S. Guia prático de história oral. São Paulo: Contexto, 2011.

MELO, J. M. DE; LAURINDO, R.; ASSIS, F. DE. Gêneros jornalísticos: teoria e práxis. Blumenau: Edifurb, 2012.

MOREIRA, S. V. 70 anos de radiojornalismo no Brasil - 1941/2011. 1. ed. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011.

PERAZZO, P. F. Narrativas Orais de Histórias de Vida. Comunicação & Inovação, v. 16, n. 30, p. 121–131, 25 fev. 2015.

PORTELLI, A. Uchronic dreams: working-class memory and possible worlds. In: The death of Luigi Trastuli and other stories: form and meaning in Oral History. New York: State University of New York Press, 1991.

PORTELLI, A. They say in Harlan county: an oral history. New York: Oxford University Press, 2011.

RUDIN, R.; IBBOTSON, T. Introdução ao jornalismo. São Paulo: Roca, 2008.

TALESE, G. Fama & anonimato. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

THOMPSON, P. A voz do passado: história oral. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

WOODWARD, B.; BERNSTEIN, C. Todos os homens do presidente. São Paulo: Três Estrelas, 2014.

Publicado
2016-05-01
Como Citar
MARTINEZ, M. Reflexões sobre Jornalismo e História Oral: um campo com mais convergências do que dissonâncias. Revista Observatório, v. 2, n. 1, p. 75-91, 1 maio 2016.
Seção
Dossiê Temático / Thematic dossier / Dossier temático

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)