Esta é uma versão desatualizada publicada em 2022-02-01. Leia a versão mais recente.

OS DESAFIOS DA SAÚDE AMBIENTAL NO CURRÍCULO DE CIÊNCIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS, NO ESTADO DO TOCANTINS

Autores

  • Letícia Brito de Oliveira Suarte Universidade Federal do Tocantins - UFT
  • Kellen Lagares Ferreira Silva Universidade Federal do Tocantins - UFT
  • Carla Simone Seibert Universidade Federal do Tocantins - UFT https://orcid.org/0000-0002-3988-7767

DOI:

https://doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2022v8n1a5en

Palavras-chave:

Letramento científico, Professor, Formação continuada

Resumo

A Saúde Ambiental é uma área do conhecimento que transita por muitos componentes curriculares, principalmente nas Ciências da Natureza, campo de destaque para desenvolvê-la. Deve estar relacionada com preparo dos professores para trabalhar de forma crítica com viés para o letramento científico. Este estudo propôs avaliar os desafios do corpo docente da área de Ciências da Natureza para implementar a Saúde Ambiental no Ensino Fundamental Anos Finais, no estado do Tocantins. A partir de pesquisa quantitativa e qualitativa, identificou-se alto percentual de professores jovens, com maior prevalência a ministrar aulas expositivas e pouca apropriação do letramento científico. Apesar de os docentes indicarem pouca dificuldade para trabalhar com as temáticas da Saúde Ambiental, relataram a necessidade de formação continuada.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, N. PNE, Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e os cotidianos das escolas: relações possíveis? In: AGUIAR, M. A.; DOURADO, L. F. (org.). A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. Recife: ANPEd, 2018. p. 44-48.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2007.

BEHREND, D. M.; COUSIN, C. da S.; GALIAZZI, M. do C. Base Nacional Comum Curricular: o que se mostra de referência à Educação Ambiental?. Ambiente & Educação, v. 23, n. 2, 2018.

BEREZUK, P. A.; INADA, P. Avaliação dos laboratórios de ciências e biologia das escolas públicas e particulares de Maringá, Estado do Paraná. Acta Scientiarum Human and Social Sciences, v. 32, n. 2, p. 207-215, 2010.

BOESDORFER, S.; ASPREY, L. Exploratory Study of the Teaching Practices of Novice Science Teachers Who Participated in Undergraduate Science Education Research. Electronic Journal of Science Education, v. 21, n. 3, p. 21-45, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular, 2020. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/ Acesso em: 4 ago. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais. MEC/SE 1998.

BURNS, C.; DUNN, A. M.; SATTLER, B. Resources for environmental health problems. Journal of Pediatric Health Care, v. 16, n. 3, p. 138-142, 2002.

CACHAPUZ, A.; GIL-PEREZ, D.; PESSOA DE CARVALHO, A. M.; PRAIA, J. VILCHES, A. A necessária renovação do ensino de ciências. São Paulo: Cortez, 2005.

CARVALHO, A. M. P.; GIL-PÉREZ, D. Formação de professores de ciências: tendências e inovações. São Paulo: Cortez, 2011.

CHEN, C.; LI, Y.; LIU, J.; MENG, C.; HAN, J.; ZHANG, Y.; XU, D. Short-term.

CHIACCHIO, R. F, A.; MEGID-NETO, J. Características e tendências das dissertações e teses brasileiras sobre práticas de ensino de ciências nos anos iniciais escolares (1972-2011). Interacções, v. 11, n. 39, p. 540-551, 2016.

CHOI, K.; LEE, H.; SHIN, N.; KIM, S. W. Re-conceptualization of scientific literacy in South Korea for the 21st century. Journal of Research in Science Teaching, v. 48, n. 6, p. 670-697, 2011.

COMPIANI, M. Geologia/Geociências no Ensino Fundamental e a formação de Professores. Geologia USP., Publicação Especial, v. 3, p. 13-30, 2005.

DARLING-HAMMOND, L. Teacher education around the world: what can we learn from international practice? European Journal of Teacher Education, v. 40, n. 3, p. 291-309, 2017.

DUARTE, N. O currículo em tempos de obscurantismo beligerante. Rev. Espaço do Currículo, João Pessoa, v. 11, n. 2, p. 139-145, maio/ago. 2018.

FAZENDA, I. C. A. Didática e interdisciplinaridade. Campinas: Papirus, 1998.

FERNANDES, W. R.; SOUSA, M. F. de. Estratégia para prevenção da Dengue, Zika e Chikungunya desenvolvidas na Região Norte do Brasil: o Programa Saúde na Escola em foco. Revista Educação em Debate, v. 42, n. 83, p. 0-2, 2020.

FLICK, U. Introdução à metodologia de pesquisa: um guia para iniciantes. Porto Alegre: Penso, 2009.

FRIGOTTO, G. Ideação Ideação. Revista do Centro de Educação e Letras, v. 10, n. 1, p. 41-62, 2008.

GATTI, B. A. Formação de professores: condições e problemas atuais. Revista Internacional de Formação de Professores (RIPF), v. 1, n. 2, p. 161-171, 2016.

JACOBI, P. R. Educação Ambiental: o desafio da construção de um pensamento crítico, complexo e reflexivo. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 233-250, 2005.

KISIEL, J. Introducing Future Teachers to Science Beyond the Classroom. Journal of Science Teacher Education, v. 24, n. 1, p. 67-91, 2013.

LOPES, A. C. Apostando na produção textual do currículo. AGUIAR, M. A. da S.;

DOURADO, L. F. (org.). A BNCC na contramão do PNE 2014-2024. Recife: ANPAE, 2018.

LOPES A. C.; MACEDO, E. Apresentação de uma alternativa à políticas curriculares centralizadas. Roteiro, Joaçaba, v. 46, jan. 2021.

LUDKE, M.; RODRIGUES, P. A. M.; PORTELLA, V. C. M. O mestrado como via de formação de professores da educação básica para a pesquisa. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 9, n. 16, p. 59-83, 2012.

MARSÍGLIA, A. C. G.; MARTINS, L. M.; LAVOURA, T. N. Rumo à outra Didática Histórico-Crítica: superando imediatismos, logicismos formais e outros reducionismos do método dialético. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, v. 19, p. e 019003, 2019.

MORAG, O.; TAL, T. Assessing Learning in the Outdoors with the Field Trip in Natural Environments (fine) Framework. International Journal of Science Education, v. 34, n. 5, p. 745-77, 2012.

MORAN, J. Mudando a educação com metodologias ativas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens, v. II, p. 15-33, 2015.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. 3. ed. Porto Alegre: Sulinas, 2007.

NASCIMENTO, F. de A.; COSTA, C. L. Uma discussão sobre propostas para uma alfabetização científica de qualidade. Centro Científico Conhecer - ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, v. 5, n. 8, p. 1-7, 2009.

ORDOÑEZ, G. Salud ambiental: conceptos y actividades. Informe Especial. Rev Panam Salud Pública Peruana Salud pública, v. 7, n. 3, p. 137-147, 2000.

ONU. Transformando nosso mundo: a Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. Disponível em: http://www.un.org/ga/search/view_doc.asp?Symbol=A/RES/70/1&Lang=E. Acesso em: 5 ago. 2020.

SABOGAL, R. Global Environmental health: Sustainability. Journal of Environmental Health, v. 73, n. 3, p. 26-27, 2010.

SASSERON, L. H. Alfabetização científica, ensino por investigação e argumentação: relações entre Ciências da Natureza e escola. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 17, n. spe, p. 49-67, 2015.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. de. Alfabetização científica no ensino fundamental: estrutura e indicadores deste processo em sala de aula. 2008. 265 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

SCOTT, G. W.; BOYD, M. Getting more from getting out: increasing achievement in literacy and science through ecological fieldwork. Education 3-13, v. 44, n. 6, p. 661-670, 2016.

SHULMAN, L. Pedagogical Content Knowledge in Social Studies. Scandinavian Journal of Educational Research, v. 31, n. 2, 1987.

SILVA, E. F. da; FERREIRA, R. N. C.; SOUZA, E. de J. Aulas práticas de Ciências Natureais: o uso do laboratório e a formação docente. Educação: Teoria e Prática, v. 31, n. 64, p. 1-22, 15 jun. 2021.

SILVA, S. N.; LOUREIRO, C. F. B. As vozes de professores-pesquisadores do campo da Educação Ambiental sobre a Base Nacional Comum Curricular (BNCC): Educação Infantil ao Ensino Fundamental. Ciênc. educ., Bauru, v. 26, e20004, 2020.

SUARTE, L. B. O.; SILVA, K. L. F.; SEIBERT, C. S. O PISA como instrumento de análise das Ciências no contexto da Saúde Ambiental, no âmbito internacional e nacional. Revista Humanidades e Inovação, v. 8, n. 39, p. 309-321, 2021.

TOCANTINS. CEE/2019. Resolução nº 024, de 14 de março de 2019. Aprova o Documento Curricular da Educação Infantil e do Ensino Fundamental, para o Território do Tocantins, fundamentado na Resolução CNE/CP nº 02, de 22 de dezembro de 2017, que institui e orienta acerca da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Disponível em: https://central3.to.gov.br/arquivo/528531/. Acesso em: 27 maio 2021.

TOCANTINS. Lei no 2.859, de 8 de abril de 2014. Dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração dos Profissionais da Educação Básica Pública, e adota outras providências. Diário da Oficial no 4.120.

TOCANTINS. Lei no 2.977, de 8 de julho de 2015. Aprova o Plano Estadual de Educação do Tocantins – PEE/TO (2015-2025), e adota outras providências. Disponível em: https://seduc.to.gov.br/plano-estadual-de-educacao---pee/. Acesso em: 20 dez. 2020.

TOCANTINS. Referencial Curricular do Ensino Fundamental das escolas públicas do Estado do Tocantins: Ensino Fundamental 1º ao 9º ano. 2. ed. Palmas: Secretaria de Estado da Educação e Cultura, 2009.

TOCANTINS. Secretaria da Educação, Juventude e Esportes. Documento Curricular do Tocantins, Educação Infantil e Ensino Fundamental. Disponível em: https://www.to.gov.br/seduc/documento-curricular-do-tocantins-educacao-infantil-e-ensino-fundamental/3pxz92xtgb1p. Acesso em: 20 maio 2021.

TOCANTINS. Sistema de Gerenciamento Escolar. 2019. Disponível em: http://sge.seduc.to.gov.br/sgeseduc/sge/index.php?alterSession=2019. Acesso em: 20 dez. 2020.

TOZONI-REIS, M. F. C.; TALAMONI, J. L. B.; RUIZA, S. S.; NEVES, J. P.; TEIXEIRA, L. A.; CASSINI, L. F.; FESTOSO, M. B.; JANKE, N.; MAIA, J. S. da D.; SANTOS, H. M. da S.; CRUZ, L. I.; MUNHOZ, R. H. A inserção da Educação Ambiental na Educação Básica: que fontes de informação os professores utilizam? Ciência e Educação, v. 19, n. 2, p. 359-377, 2013.

UNESCO. Learn for our planet a global review of how environmental issues are integrated in education. 2021. Education 2030. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000377362. Acesso em: 15 ago. 2021.

VIRGOLINO, A.; ANTUNES, F.; SANTOS, O. C. A.; MATOS, M. G.; BÁRBARA, C.; BICHO, M.; CANEIRAS, C.; SABINO, R.; NÚNCIO, M. S.; MATOS, O.; SANTOS, R. R.; COSTA, J.; ALARCÃO, V.; GASPAR, T.; FERREIRA, J.; CARNEIRO, A. V. Towards a Global Perspective of Environmental Health: Defining the Research Grounds of an Institute of Environmental Health. Sustainability (Switzerland), v. 12, n. 21, p. 1-24, 2020.

WEIHS, M.; MERTENS, F. Os desafios da geração do conhecimento em Saúde Ambiental: uma perspectiva ecossistêmica. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, n. 5, p. 1501-1510, 2013.

WEXLER, B. Environmental Health. 2013. Cengage Learning, 2, 185.

WHO. The Ottawa charter for health promotion. Otawa: WHO, 1986. Disponível em: http://www.who.int/healthpromotion/conferences/previous/ottawa/en/. Acesso em: 3 mar. 2018.

Publicado

2022-02-01

Versões

Como Citar

BRITO DE OLIVEIRA SUARTE , Letícia; LAGARES FERREIRA SILVA , Kellen; SIMONE SEIBERT , Carla. OS DESAFIOS DA SAÚDE AMBIENTAL NO CURRÍCULO DE CIÊNCIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS, NO ESTADO DO TOCANTINS. Revista Observatório , [S. l.], v. 8, n. 1, p. a5en, 2022. DOI: 10.20873/uft.2447-4266.2022v8n1a5en. Disponível em: https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/observatorio/article/view/14983. Acesso em: 16 abr. 2024.