A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES PARA ANÁLISE EM PESQUISAS GEOGRÁFICAS

  • Karla Rosário Brumes Universidade Estadual do Centro-Oeste
  • Geovani Montani Universidade Estadual do Centro-Oeste – UNICENTRO
Palavras-chave: softwares, quantitativos e qualitativos, análise de dados

Resumo

Na investigação cientifica, vários recursos são utilizados pelo pesquisador (a) para que atinja seus objetivos propostos. Entre eles estão os recursos informáticos (softwares) que auxiliam na análise de dados. A pesquisa teve como ponto de partida entender como são procedidas às ações desses softwares, seja para análise de dados qualitativos ou dados quantitativos, com enfoque na Ciência Geográfica. Foram escolhidos dois softwares para a análise, o programa Atlas.ti e o Sofa Statistics. A obtenção dos dados procedera de uma boa dose de curiosidade, através do manuseio desses programas de computador. Do programa Atlas.ti, destacamos os inúmeros formatos de documentos que podem ser analisados, além da criação de citações e ordenamento de códigos (qualitativo). Já o programa Sofa Statistics, verificou-se a possibilidade da elaboração de tabelas e gráficos nos mais variados formatos (quantitativo). A investigação e a análise mostraram-se satisfatórias, configurando-se uma temática que necessita e suscita inúmeras pesquisas.

Referências

FLICK, Uwe. 2009. “Pesquisa qualitativa: por que e como fazê-la”. In: FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa/ Uwe Fluck; tradução Joice Elias Costa. – 3.ed. – Porto Alegre: Artemed, p. 20-38.

GATTI, Bernardete A. 2004. “Estudos quantitativos em educação”. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 1, p. 11-30

GOLDENBERG, Mirian. 2004. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Socias. 8ª ed. – Rio de Janeiro: Record, p. 45, 49, 55.

LAGE, Maria Campos. 2011. “Os softwares tipo CAQDAS e sua contribuição para a pesquisa qualitativa em educação”. ETD – Educ. Tem. Dig.; Campinas, v. 12, p. 42-58.

LOPES, Alice Ribeiro Casimiro. 1996. “Bachelard: o filósofo da Desilusão”. Caderno Brasileiro de Ensino de Física. n. 3, v. 13, Rio de Janeiro, p. 84-84.

MANGABEIRA, Wilma C.; LEE, Raymond M.; FIELDING, Nigel G. 2001. “Padrões de adoção, modos de uso e representações sobre tecnologia: usuários do CAQDAS no Reino Unido, em meados da década de 90. Sociologias, n. 5, p. 20-57.

MANGABEIRA, Wilma. 1992. “O uso de Computadores na Análise Qualitativa: Uma Nova Tendência na Pesquisa Sociológica”. BIB, n. 34, p. 83-95.

MACIEL, Maria Lucia. 2001. “Hélices, sistemas, ambientes e modelos: os desafios à Sociologia da Inovação”. Sociologias. ano 3, n. 6, p. 18-29.

RIBEIRO, Elisa Antonia. 2008. “A perspectiva da entrevista na investigação qualitativa”. Evidência, Araxá. n. 4, p. 129-148.

SILVEIRA, Sérgio Amadeu da. 2004. “O que está em jogo?”, “Software livre e software proprietário: as quatro liberdades”. In: SILVEIRA, Sérgio Amadeu da. Software livre: a luta pela liberdade do conhecimento – São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, p. 5-8, 9-15.

TEIXEIRA, Alex Niche; BECKER, Fernando. 2001. “Novas possibilidades da pesquisa qualitativa via sistemas CAQDAS”. Sociologias. ano 3, n. 5, p. 94-113.

ATLAS.ti > Disponível em: atlas.ti.com. Acesso em: 07/06/2016.

SOFA Statistics > Disponível em: www.sofastatistics.com/screenshots.php. Acesso em: 07/06/2016.
Publicado
2017-01-27
Seção
Artigos