NORMATIZAÇÃO E USO DO TERRITÓRIO NA PERSPECTIVA DAS COMUNIDADES REMANESCENTES DE QUILOMBOS: ESTUDO DE CASO DA COMUNIDADE CAFUNDÓ, SALTO DE PIRAPORA-SP

  • André Luís Gomes Universidade de São Paulo
Palavras-chave: uso do território; comunidades quilombolas; espaço

Resumo

O artigo trata da questão do(s) uso(s) do território realizado(s) pela comunidade remanescente de quilombo Cafundó, situada em Salto de Pirapora-SP. Ao longo dos anos – desde a herança das terras pela parentela de escravos, junto com a alforria, em meados do século XIX, até os dias atuais – as terras da comunidade foram pouco a pouco sendo invadidas por fazendeiros vizinhos. Com a ampliação das possibilidades de conquista de direitos étnicos e territoriais pelas comunidades negras rurais após a promulgação da Constituição Federal de 1988, a luta e a resistência dos moradores do Cafundó resultaram no seu reconhecimento enquanto quilombolas e na demarcação das terras pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), amparado pelo Decreto N° 4.887/2003. Todavia, o planejamento do uso do território, realizado pela Associação Comunitária com apoio do Instituto de Terras do Estado de São Paulo (ITESP), depara-se com desafios decorrentes da demarcação do quilombo sobre áreas particulares (resultado da expropriação fundiária sofrida pelos quilombolas), cuja desapropriação envolveu um demorado e complexo processo judicial. Buscando compreender a organização do espaço e o uso do território no contexto local, a pesquisa de campo consistiu no acompanhamento das atividades da Associação Comunitária, do trabalho dos agricultores quilombolas, dos principais eventos culturais da comunidade e do trabalho do INCRA e do ITESP, responsáveis pelas ações de regularização fundiária e assessoria técnica às comunidades remanescente de quilombo. Desse modo, a pesquisa buscou analisar o planejamento, o uso e a apropriação do território no contexto local, levando em conta os seguintes elementos territoriais: as atividades produtivas, o trabalho dos órgãos estatais que atuam nos quilombos e as formas simbólicas e identitárias de apropriação do território por quilombolas e “não quilombolas”. Nesse sentido, espaço e território constituíram conceitos chave para a compreensão da realidade: o espaço como acúmulo de materialidades de modos de produção pretéritos ou de distintas fases de um mesmo modo de produção; e o território enquanto materialização das relações de poder, fonte de recursos naturais, base das relações econômicas e construído a partir de referências simbólico-culturais. A partir dessas premissas teórico-metodológicas, temos constatado que a garantia dos direitos territoriais das comunidades quilombolas depende de um conjunto mais abrangente de relações, representado pela luta e resistência da comunidade, por interesses político-econômicos mais amplos e pela atuação do Estado com base em um sistema normativo voltado para o ordenamento do (uso do) território.

Referências

ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de. Terras tradicionalmente ocupadas: processos de territorialização e Movimentos Sociais. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v. 6, N.1/Maio, 2004.
ANDRADE, Tânia (et. al. [eds.]) Negros do Ribeira: reconhecimento étnico e conquista do território. São Paulo: Cadernos ITESP 3, Páginas & Letras, 2000, 2ª ed.
ANJOS, Rafael A. Sanzio dos. Território das comunidades remanescentes de antigos quilombos no Brasil: primeira configuração espacial. Brasília: Mapas Editora & Consultoria, 2005.
BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Participar-pesquisar in BRANDÃO, C. R. (org.). Repensando a pesquisa participante. São Paulo, Brasiliense, 1999.
FIABANI, Adelmir. Mato, palhoça e pilão: o quilombo, da escravidão às comunidades remanescentes [1532-2004]. São Paulo: Expressão Popular, 2005.
FREITAS, André Vieira. Uma política de ordenamento territorial para o Brasil? In STEINBERGER, Marilia (org.). Território, Estado e políticas públicas espaciais. Brasília: Ler Editora, 2013.
GOMES, Maiara da Silva (et. al.). O potencial político da categoria ‘território usado’ in STEINBERGER, Marilia (org.). Território, Estado e políticas públicas espaciais. Brasília: Ler Editora, 2013.
GUANAES et. al. Quilombos e Usos Sustentáveis. In: DIEGUES, Antonio C. e VIANA, Virgílio M. Comunidades Tradicionais e Manejo dos Recursos Naturais da Mata Atlântica. São Paulo: Hucitec, 2004, 2ª Ed.
HAESBAERT, Rogério. O mito da Desterritorrialização: do “fim dos territórios à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.
INICIATIVA VERDE. Plantando Águas: promoção da adequação ambiental de imóveis rurais no Estado de São Paulo, em sentido amplo e de forma participativa. São Paulo: Programa Petrobrás Ambiental, maio de 2013.
PILLA, M; ANDRADE, M. R. O; MARQUES, L. A. P. (orgs.). Fundação ITESP: sua história e realizações. Evolução das políticas agrária e fundiária no Estado de São Paulo. São Paulo: ITESP, 2013.
PRADO JR., Caio. A Formação do Brasil Contemporâneo. São Paulo: Editora Brasiliense, 1994.
PREFEITURA MUNICIPAL DE SALTO DE PIRAPORA. Plano Diretor Municipal (Lei Complementar nº 012 de 14 de dezembro de 2010).
PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Decreto 4.887 de 20 de novembro de 2003.
___________. Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR). Programa Brasil Quilombola. Relatório de Gestão 2012. Brasília, abril de 2013.
RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.
SANTOS, M. Por uma Geografia Nova. São Paulo: HUCITEC, 1986.
___________. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo. Razão e Emoção. São Paulo: EDUSP, 2014.
SCHNEIDER, Sérgio. As atividades rurais não-agrícolas e as transformações do espaço rural: perspectivas recentes. Cuadernos de Desarollo Rural, Bogotá – Colômbia, v. 1, n. 44, p. 11-40, 2000.
___________. As novas formas sociais do trabalho no meio rural: a pluriatividade e as atividades rurais não-agrícolas. Revista Redes, Santa Cruz do Sul – RS, v. 9, n. 3, p. 75-109, 2005.
SILVA, Clayton Luiz. A divisão política do território brasileiro: os compartimentos quilombolas no Vale do Ribeira (SP). Tese de Doutorado. Campinas: Instituto de Geociências, Unicamp, 2010.
SILVA, Clayton Luiz; ISOLDI, Isabel. O espaço territorial como referência para a construção da cidadania: uma reflexão geográfica introdutória sobre o problema das demarcações de terras das populações “remanescentes”. In: Revista Eletrônica Ateliê Geográfico, Curitiba, Editora da UFPR, 2008, v. 3, n. 16, p. 73-79.
STEINBERGER, Marília. A inseparabilidade entre Estado, políticas públicas e território in STEINBERGER, Marilia (org.). Território, Estado e políticas públicas espaciais. Brasília: Ler Editora, 2013.
VOGT, Carlos (ET. AL.). A Comunidade Cafundó. Mafambura e Caxapura: na encruzilhada da identidade. Caderno de Estudos Linguísticos, IEL/Unicamp, n° 6, 1984, p. 111-128.
___________. Cafundó: a África no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
Publicado
2017-01-27
Seção
Artigos