EMICIDA E O BRASIL DE “BOA ESPERANÇA”

  • Gabriel Gutierrez Mendes UERJ
  • Caio Marques Peçanha Faculdades Integradas Hélio Alonso
Palavras-chave: Emicida

Resumo

Herdeiro de uma tradição de rap politico no Brasil, Emicida é hoje uma das principais vozes do Hip Hop nacional. Através da conjugação de uma análise da linguagem do videoclipe com uma investigação acerca das transformações sociais ocorridas na última década, o artigo  analisa o videoclipe de “Boa Esperança” para entender as relações entre a sentido artístico do trabalho do rapper e os contornos do contexto histórico do Brasil contemporâneo. A partir da compreensão do rap como espaço de crítica e performance no âmbito do Atlântico Negro, o propósito é identificar as as articulações possíveis entre o campo da cultura popular negra e os novos contornos sociais e raciais do Brasil pós-Lula. 

Referências

CANCLINI, N. G. 1998. Culturas híbridas. 2ed., São Paulo: Edusp, 392 p.
DE CARVALHO, J. M.; GRIN, M. 2004. Educação pública elitista?. Ciência Hoje, v. 34: p. 16-20.
EMICIDA. Pra quem Já Mordeu um Cachorro Por Comida, Até Que Eu Cheguei Longe. São Paulo: Laboratório Fantasma, 2009, 1 CD
_________. Emicidio. São Paulo: Laboratório Fantasma, 2010, 1 CD
_________. O Glorioso Retorno de Quem Nunca Esteve Aqui. São Paulo: Laboratório Fantasma, 2013, 1 CD
_________. Sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa.... São Paulo: Laboratório Fantasma/Sony Music, 2015, 1 CD
FERES JÚNIOR, J; DAFLON, V. T.; CAMPOS, L. A. 2012. Ação afirmativa, raça e racismo: uma análise das ações de inclusão racial nos mandatos de Lula e Dilma. Revista de Ciências Humanas, Viçosa, v. 12, n. 2: p. 399-414.
FREYRE, G. 2006. Casa grande & senzala. 51ed., São Paulo, Global Editora, 768 p.
GILROY, P. 2001. Atlântico negro, O. 1ed., São Paulo, Editora 34, 432 p.
GUTIERREZ, G. 2015. O Rap contra o racismo: a poesia e a política dos Racionais Mc’s. Animus. Revista Interamericana de Comunicação Midiática v.14 n.27: p. 56-77
HALL, S. 2003. Que “negro” é este na cultura negra? In: ___________. Da diáspora: identidade e mediações culturais. 1ed., Brasília, UFBG, p. 335-352.
JANOTTI JUNIOR, J. S.; SOARES, T. 2008. O Videoclipe como extensão da canção; apontamentos para análise. Galáxia (PUCSP), v.15: p. 91-108
KELLNER, D. 2001. A cultura da mídia. 1ed., São Paulo, EDUSC, 454 p.
MACEDO, I. 2011. A linguagem musical do Rap: expressão local de um fenômeno mundial. Tempos Históricos, v.15, p. 261-288.
ROSE, T. 1994. Black noise: Rap music and black culture in contemporary America. 1ed.,Middletown, Wesleyan, 257 p.
SINGER, A. 2009. Raízes sociais e ideológicas do lulismo. Novos Estudos – CEBRAP, n.85: pp.83-102.
SINGER, P. I. 1981. Dominação e desigualdade: estrutura de classes e repartição da renda no Brasil. Vol. 1. Rio de Janeiro: Paz e Terra
SOARES, T. 2004. Videoclipe, o elogio da desarmonia: Hibridismo, transtemporalidade e neobarroco em espaços de negociação. In: Intercom, Porto Alegre, 2004.
Publicado
2017-01-27
Seção
Artigos