ATENDIMENTOS INDIVIDUAIS ORIENTADOS PARA O SOFRIMENTO NO TRABALHO:

UMA PRÁTICA EM CONSTRUÇÃO

Resumo

O objetivo proposto no presente artigo é de apresentar e analisar os princípios teórico-metodológicos adotados pela prática de escuta clínica voltada para trabalhadores, na modalidade de atendimento individual, desenvolvida como uma atividade de estágio supervisionado no Serviço de Psicologia Aplicada (SPA) do Curso de Psicologia da Universidade Federal Fluminense de Rio das Ostras sob a responsabilidade da autora. Esta prática teve início no ano de 2014 e ainda está em andamento. Neste período de realização contou com a participação de 22 alunos estagiários envolvidos nos atendimentos e atendeu em torno de 38 servidores municipais readaptados e 21 trabalhadores da região interessados. Consideramos que um dos principais desafios do clínico na proposta que desenvolvemos é de trabalhar o setting terapêutico para torná-lo um espaço de acolhimento para falar sobre si, para entrar em contato com a sua experiência, que favoreça a expressão do sofrimento existente a fim de ampliar sua potência de agir. Os princípios desta prática têm sido construídos a partir da Psicodinâmica do Trabalho e da Psicoterapia Breve proposta por Héctor Fiorini e acreditamos que o diálogo entre tais referenciais têm contribuído para o exercício da escuta clínica.

Biografia do Autor

Suzana Canez da Cruz Lima, UFF Rio das Ostras

Professora do curso de Psicologia da Universidade Federal Fluminense do Polo Universitário de Rio das Ostras. Doutora em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações pela Universidade de Brasília (2011). Mestre em Psicologia Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2000), especialista em Teoria Psicanalítica, Saúde Mental Coletiva e Psicologia do Trabalho. Graduada em Psicologia (1990). Tem experiência na área de Psicologia Organizacional e do Trabalho, com interesse atualmente nos seguintes temas: saúde mental e trabalho em especial pela abordagem da psicodinâmica do trabalho.

Referências

Baremblitt, G. (1996). Compêndio de análise institucional e outras correntes: teoria e prática. Rio de Janeiro, Rosa dos Tempos.

Mendes, A.M.; Merlo, A.R.C., Duarte, F.S. & Araújo, L.K.R. (2014). Métodos de pesquisa e intervenção em psicologia do trabalho. In Bendassolli, P.F., Soboll, A.P. (Orgs.). Práticas clínicas no contexto da psicodinâmica do trabalho brasileira (p.63-79). São Paulo: Atlas.

Carreteiro, T. (2014). A ética do sofrimento em diferentes contextos institucionais. In Mendes, A.M., Moraes, R.D., Merlo, A.R.C. Trabalho e sofrimento. Práticas clínicas e políticas (Cap.05, 103-114). Curitiba: Juruá.

Dejours, C. (2004). Subjetividade, trabalho e ação. Revista Produção, 14 (3), 27-34, Set./Dez.

Dejours, C. (2008). A metodologia em psicopatologia do trabalho. In Lancman, S & Sznelwar, L.I. (Orgs). Christophe Dejours. Da psicopatologia à dinâmica do trabalho (2°Ed.). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, Brasília: Paralelo 15.

Cruz Lima, S. C, Mendes, A.M. Costa, M. F. (2014). O sujeito entre a normalidade e a patologia: Notas sobre a trajetória conceitual da psicodinâmica do trabalho. In: Taveira; I.M.R.; Limongi-França, A.C.; Ferreira, M.C. (Orgs.). Qualidade de Vida no Trabalho: Estudos e metodologias brasileiras (Cap. 14, 201-212). Curitiba: Editora CRV.

Fiorini, H.J. (2013). Teoria e técnica de psicoterapias (Coleção textos de psicologia). São Paulo: Editora WMF Martins Fontes.

Gonçalves, L.S. (2016). Escuta clínica do trabalhador: Relato de experiência sobre a construção de uma prática de estágio no Município de Rio das Ostras (Monografia de graduação). Universidade Federal Fluminense, Rio das Ostras, Rio de janeiro, RJ, Brasil.

Lhuilier, D. (2015). A intervenção em Psicossociologia do Trabalho (tradução: Costa, M.F. & Cruz Lima, S.C.) In Moraes, R.D. & Vasconcelos, A.C.L. (Orgs.). Trabalho e emancipação: a potência da escuta clínica (Cap.01, pp.25-45). Curitiba: Juruá.

Mendes, A.M. (2014). Escuta analítica do sofrimento e o saber-fazer do clínico do trabalho. In Mendes, A.M., Moraes, R.D., Merlo, A.R.C. Trabalho e sofrimento. Práticas clínicas e políticas (Cap.03, 65-80). Curitiba: Juruá.

Mendes, A. M., & Araújo, L.K.R. (2011). Clínica psicodinâmica do trabalho: práticas brasileiras. Brasília – DF: ExLibris.

Mendes, A.M., Araujo, L.K.R., Merlo, A.R.C. (2011). Prática clínica em psicodinâmica do trabalho: experiências brasileiras. In Bendassolli, P.F. & Soboll, L.A.P. Clínicas do trabalho. Novas perspectivas para compreensão do trabalho na atualidade (Cap.09, 170-187). São Paulo: Atlas.

Merlo, A. R. C., Vaz, M. A., Spode, C. B., Elbern, J. L. G., Karkow, A. R. M., Vieira, P. R. B. (2004). Trabalho, prazer, sofrimento e adoecimento em portadores de Lesões por Esforços Repetitivos. In A. Merlo (Org.), Saúde e trabalho no Rio Grande do Sul: realidade, pesquisa e intervenção (127-144). Porto Alegre: UFRGS.

Molinier, P. (2001). Souffrance et théorie de laction. Travailler, Paris 7(7), 131trabalh

________. (2003). Sujeito e Subjetividade: questões metodológicas em psicodinâmica do trabalho. Revista de Terapia Ocupacional. Universidade de São Paulo. V. 41, n.1, p.43-47, jan./abril.

Ogeda, T.A. (2016). A vivência subjetiva dos servidores readaptados do Município de Rio das Ostras (Monografia de graduação). Rio das Ostras, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Périlleux, T. (2013). O trabalho e os destinos políticos do sofrimento. (tradução: Sousa, R.A.) In Merlo, A.R.C.; Mendes, A.M. & Moraes, R.D. (Orgs.). O sujeito no trabalho: entre a saúde e a patologia (Cap.04, 73-92). Curitiba: Juruá.

Périlleux, T. (2013). Politique Du Symptôme. In Mendes, A.M.; Moraes, R.D. & Merlo, A.R.C. (Orgs.). Trabalho & sofrimento: Práticas clínicas e políticas (Cap.02, 47-64). Curitiba: Juruá.

Périlleux, T.. Mendes, A.M. (2015). O enigma dos sintomas: proposição para uma escuta psicanalítica e política do sofrimento no trabalho. Revista Trivium Est.Interd. Ano VII, Ed. 1-2015, p.61-73.

Publicado
2019-12-23
Seção
Artigos Teóricos e Empíricos