Práticas de exclusão social no Brasil de jovens em vulnerabilidade social e do segmento LGBTI

Resumo

Neste trabalho procurou-se debater aspectos que envolvem impasses vivenciados pelos jovens e pelo segmento LGBTI no Brasil. O objetivo é discorrer sobre práticas de exclusão de jovens em situação de vulnerabilidade e do segmento LGBTI, com base especialmente na abordagem psicossociológica. Este trabalho utilizou pesquisa bibliográfica de caráter qualitativa. Parte-se do pressuposto de que estes indivíduos sofrem inúmeras formas de exclusão situando-se no imaginário da inutilidade, os ditos “inúteis” do campo social, aqueles que vivenciam nas cenas públicas as situações mais intensas de humilhação, depreciação e de desqualificação dos seus códigos sociais e culturais. O estudo apresenta, de forma sucinta, parâmetros da trajetória destes jovens que expressa a falta de acesso principalmente à educação a ao trabalho. Quanto ao segmento LGBTI, considera-se uma população vulnerável por diferirem em termos de comportamento e orientação sexual do padrão hegemônico fixado socialmente. Neste trabalho são apresentados dados sobre atos discriminatórios oriundos do preconceito e diversas formas de violência vividas pelos LGBTI. Sugere-se a ampliação do debate em espaços sociais da luta da população LGBTI e dos jovens em situação de vulnerabilidade como forma de visibilizar o sofrimento.

Biografia do Autor

Mariana Rambaldi, Universidade Federal Fluminense

Mestranda do Programa de Pós-graduação em Administração pela Universidade Federal Fluminense, pós graduada em Direitos Humanos. Graduada em Psicologia na Universidade Federal Fluminense. Interessa-se por pesquisas no campo da Saúde no trabalho, Psicologia Social e Estudos Organizacionais.

Marlos Coutinho Alves de Souza, Universidade Federal Fluminense
Mestrando do Programa de Pós-graduação em Administração pela Universidade Federal Fluminense, MBA em Gestão de Negócios e Marketing, Graduado em Farmácia. Foi docente em cursos como Administração, Marketing, Gestão Hospitalar e Recursos Humanos. Experiência com Marketing para a Indústria Farmacêutica. Atualmente atua como Business Controller na indústria alimentícia, Consultor e Instrutor de Educação Corporativa e Gestão de Pessoas filiado à SBPNL. Interessa-se por pesquisas no campo da Diversidade sexual, Diversidade cultural, Gestão da Diversidade e Estudos Organizacionais.
Suzana Canez da Cruz Lima, Universidade Federal Fluminense
Doutora em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações pela Universidade de Brasília. Professora do curso de Psicologia da Universidade Federal Fluminense do Pólo Universitário de Rio das Ostras.
Malu Freitas, Universidade Federal Fluminense

Mestranda do Programa de Pós-graduação em Administração pela Universidade Federal Fluminense. Graduada em Pedagogia na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Interessa-se por pesquisas no campo da Saúde no trabalho e gestão escolar.

Publicado
2019-06-13
Seção
Artigos Teóricos e Empíricos