PERCEPÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

  • Fábio Pessoa Vieira
  • MARIA ARLENE DA ROCHA SANTOS

Resumo

O presente artigo busca apresentar as percepções de extrativistas, da reserva extrativista do Extremo Norte do Tocantins, e com estas percepções auxiliar outras concepções sobre o que vem a ser a sustentabilidade. Para tanto, é fundamental conhecermos e compreendermos a relação dos extrativistas com o seu lugar. A metodologia é norteada pelo método fenomenológico. Com este, visamos nos abster dos conhecimentos prévios sobre o fenômeno a ser estudado (a sustentabilidade), e buscamos compreender as suas essências a partir das experiências vividas. Visitas de campo e as narrativas foram os procedimentos e técnicas utilizadas na pesquisa. A pesquisa nos direcionou para um caminho no qual na RESEX Extremo Norte, em uma relação de envolvimento dos seres humanos para com seus pares e com o ambiente, a sustentabilidade se realiza tendo como alicerce o pertencimento dos sujeitos com o lugar. Por fim, compreendemos que a Educação Ambiental pode ser constituída como ressonâncias dos sentidos, experiências vividas, e pertencimento presentes nos extrativistas que habitam a RESEX Extremo Norte.

Palavras-chave: Sustentabilidade, Educação Ambiental, Reserva Extrativista.

Referências

BRASIL. Plano Territorial de Desenvolvimento Rural Sustentável: Território do Bico do Papagaio. Brasília: MDA DF, 2006.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso futuro Comum. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1991.

GARNICA, Antônio Vicente Marafioti. Algumas notas sobre pesquisa qualitativa e fenomenologia. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. São Paulo, v. 1, n. 1, p. 109-119, 1997.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. Tradução de Carlos Alberto Ribeiro de Moura. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

KOTSCHO, Ricardo. O massacre dos posseiros: conflito de terras no Araguaia-Tocantins. São Paulo: Brasiliense, 1981.

PENNA, Antônio Gomes. Percepção e realidade: introdução ao estudo da atividade perceptiva. 3. ed. Rio de Janeiro: Mercúrio Star, 1982.


REIGOTA, Marcos – O que é Educação Ambiental, São Paulo: Brasiliense, 2014.

ROCHA, Maria Regina Teixeira da. A rede socieconômica do babaçu no Bico do Papagaio-TO: dinâmicas da relação sociedade-natureza e estratégias de reprodução social agroextrativista. 2011. 270p. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Rural) – Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

SOUZA, Lucas Barbosa e. Percepção Ambiental e a Fenomenologia de Husserl. In: SILVA Valéria Cristina, CORCÍNIO JUNIOR Givaldo Ferreira (Orgs). Natureza e representações imaginárias. Curitiba, Appris, 2013.

UFV/ICMBio. Apoio ao processo de identificação das famílias beneficiárias e diagnóstico socioprodutivo em Unidades de Conservação Federais. Viçosa-Brasília, 2014.

VASCONCELOS, Francisco Hebert Lima; RIBEIRO, Germano de Oliveira. Educação Ambiental Na Perspectiva de Transformação do Cotidiano: Relação Sociedade – Natureza. Recife: Imprima, 2015.

VELHO, Otávio Guilherme. Frentes de expansão e estrutura agrária: estudo do processo de penetração numa área da Transamazônica. 2ªed. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.
Publicado
2018-10-31
Como Citar
Vieira, F. P., & SANTOS, M. A. D. R. (2018). PERCEPÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL. DESAFIOS - Revista Interdisciplinar Da Universidade Federal Do Tocantins, 5(Especial), 103-113. https://doi.org/10.20873/uft.2359-3652.2018v5nEspecialp103