DESAFIOS EPISTEMOLÓGICOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

  • Camila Leonardo Nandi de Albuquerque Universidade do Contestado
  • Luiz Eduardo Cani Universidade do Contest
  • Sandro Luiz Bazzanella Universidade do Contestado
  • Jairo Marchesan Universidade do Contestado

Resumo

O objetivo deste artigo é debater os desafios e as perspectivas epistemológicas interdisciplinares de se fazer ciência em torno do objeto desenvolvimento e, em sua adjetivação sustentável. Para tanto, realizou-se uma pesquisa bibliográfica, a fim de proporcionar uma maior acuidade semântica aos conceitos operacionais em análise, visto sua característica polissêmica. Nessa perspectiva, considera-se que fazer ciência a partir do conceito de desenvolvimento em sua variável sustentável requer não apenas o reconhecimento do fundamento epistemológico interdisciplinar, sobre o qual se assenta a possibilidade de produzir conhecimentos com consistência científica suficiente para responder as demandas locais e regionais de desenvolvimento. Mas, sobretudo, assumir uma postura interdisciplinar, de abertura teórica, conceitual e empírica no intercurso dialógico com as mais diversas ciências em torno do objeto por excelência, o desenvolvimento. Assim, o que está em questão diante de uma postura epistemológica interdisciplinar não é a afirmação das verdades de uma determinada ciência, ou de uma determinada área do conhecimento humano em torno do caráter polissêmico do objeto desenvolvimento em sua variável predicativa “sustentável”, mas a aceitabilidade de que outras formas de analisar o objeto contribuem com a ampliação compreensiva do mesmo e, sobretudo, orientadoras da ação humana do mesmo no mundo.

Palavras-chave: Epistemologia. Interdisciplinaridade. Desenvolvimento Sustentável.

Biografia do Autor

Luiz Eduardo Cani, Universidade do Contest

Professor na Universidade do Contestado, pesquisador no Grupo de Pesquisa em Direito Penal da Universidade Regional de Blumenau e no Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas da Universidade do Contestado, advogado criminalista e consultor jurídico no escritório Urbaneski & Cani Advocacia e Consultoria Jurídica. Graduado em Direito pela Universidade Regional de Blumenau (2013), especialista em Direito Penal e Criminologia pelo Instituto de Criminologia e Política Criminal (2015) e mestrando em Desenvolvimento Regional pela Universidade do Contestado.

Sandro Luiz Bazzanella, Universidade do Contestado

Possui graduação em Filosofia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Dom Bosco (1989), mestrado em Educação e Cultura pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2003) e doutorado em Interdisciplinar em Ciências Humanas pela Universidade Federal de Santa Catarina (2010). Atualmente é professor titular de filosofia da Universidade do Contestado na graduação no Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional. Tem experiência na área de filosofia, atuando nas seguintes áreas temáticas: História da filosofia, filosofia política e ética, técnica, Estado e biopolítica.

 

Jairo Marchesan, Universidade do Contestado

Graduado em Estudos Sociais - Habilitação em Geografia pela Universidade do Oeste de Santa Catarina (1990). Mestrado em Educação nas Ciências/Geografia pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (2000) e doutorado em Geografia pela Universidade Federal de Santa Catarina (2007). Atualmente é professor efetivo da Escola Estadual de Educação Básica Professor Olavo Cecco Rigon em Concórdia e professor da Graduação e Pós-Graduação - Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional da Fundação Universidade do Contestado. Atua na área ambiental principalmente nos seguintes temas: Sociedade, desenvolvimento e meio ambiente. Exploração e gestão de águas. Educação ambiental. Questões ambientais rurais. Relações: capital, sociedade e recursos naturais.
 

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O SACRAMENTO DA LINGUAGEM: Arquelogia do Juramento (Homo Sacer II, 3). Tradução Selvino José Assmann. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2011.

AGOPYAN, Vahan. Prefácio. (In) JR, Philippi Arlindo; NETO, Antônio J. Silva. Editores. Interdisciplinaridade em Ciência, Tecnologia & Inovação. Barueri, São Paulo: Manole, 2011.


ALVARENGA, A. D., PHILIPPI JR, A., SOMMERMAN, A., ALVAREZ, A. M. D. S., & FERNANDES, V. (2011). Histórico, fundamentos filosóficos e teórico-metodológicos da interdisciplinaridade. Interdisciplinaridade em ciência, tecnologia e inovação. Barueri: Manole, 3-68.

ALTVATER, Elmar. IsthereanEcologicalMarxism? (Lectureatthe Virtual Universityof CLACSO – ConsejoLatinoamericano de lasCienciasSociales, 2003). Disponível em: . Acesso em: 07 ago. 2017.

ARISTÓTELES. A Política. Tradução Roberto Leal Ferreria. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BORNHEIM, Gerd. A (Org). Os Filósofos Pré-Socráticos. São Paulo: Cultrix, 1972.

CARTA DA TERRA. Valores e princípios para um futuro sustentável. Petrópolis (RJ): Gráfica Editora Stamppa, 2004.

CMMAD (Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento). Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: FGV, 1991.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo; razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1999.

FAIRCHILD, Thomas R. A terra: passado, presente e futuro. In: TEIXEIRA, W.; TOLEDO, M. C. M de; FAIRCHILD, T. R.; TAIOLI, F. (Orgs.). Decifrando a Terra. São Paulo: Oficina de Textos, 2003.

JAPIASSU, Hilton. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

PHILIPPI JR, Arlindo; SILVA NETO, Antônio J. Interdisciplinaridade em ciência, tecnologia e inovação. Barueri, SP: Manole, 2011.

SHIVA, Vandana. Recursos naturais. In: SACHS, Wolfgang. Dicionário do desenvolvimento. Petrópolis: Ed. Vozes, 2000.TURNER, F.J.
Publicado
2018-02-28
Como Citar
Nandi de Albuquerque, C. L., Cani, L. E., Bazzanella, S. L., & Marchesan, J. (2018). DESAFIOS EPISTEMOLÓGICOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. DESAFIOS - Revista Interdisciplinar Da Universidade Federal Do Tocantins, 5(1), 3-13. https://doi.org/10.20873/uft.2359-3652.2018vol5n1p3
Seção
Artigos