O QUE A ARTE ENSINA A QUEM ENSINA ARTE?

Uma experiência de formação profissional

  • Maria Carolina Duprat Ruggeri Fundação Armando Alvares Penteado

Resumo

Apresenta a narrativa de uma artista plástica e docente considerando aspectos de seu período de formação e atuação ao longo de sua carreira, que se deu em escolas de arte, cursos de formação de professores do ensino público e professora no ensino superior, tanto na graduação como na pós. Reflete sobre a importância da relação com outras linguagens artísticas, enfatizando a vivência com o teatro através de um curso de formação, no início da vida professional, Improvisação para o Teatro, ministrado por Ingrid Dormien Koudela, baseado no sistema de jogos de Viola Spolin, diretora de teatro norte americana, considerada fundadora do Teatro Improvisacional nos Estados Unidos. A experiência com os jogos teatrais, além de influenciar diretamente as propostas das aulas, provocou transformações na atuação como professora, considerando o fato de que todo o professor é também um pouco ator. Outro aspecto destacado foi a vivência em escolas de arte como o C.A.C.E – SP – Centro de Atividades de Comunicação e Expressão, a E.M.I.A. de São Paulo e a E.M.I.A. de Santo André, ambas Escolas Municipais de Iniciação Artística, que têm como princípio a integração das linguagens: artes visuais, teatro, música e expressão corporal. A reflexão esbarra em um problema, ainda não solucionado, que é a demanda das diretrizes escolares para trabalhar com as diversas linguagens, sabendo que o professor de arte é formado somente em uma delas, caso que se torna mais grave com os pedagogos, em sua maioria responsáveis pela educação infantil, que tiveram um contato ínfimo com as linguagens artísticas em sua formação. Para dialogar com as experiências de ensino e com a vivência com o curso de Teatro, traz a perspectiva fenomenológica e, mais especificamente, as concepções de percepção e intersubjetividade propostas por Maurice Merleau-Ponty, fundamentais no ensino da arte e na relação professor e aluno e a artista e educadora Fayga Ostrower, para falar sobre percepção intuição. Enfatiza-se a interdependência que há entre a arte e o seu ensino.

Biografia do Autor

Maria Carolina Duprat Ruggeri, Fundação Armando Alvares Penteado

Graduada em Educação Artística pela ECA-USP, mestre em Educação pela FE - UNICAMP, doutora em Poéticas Visuais pelo IA - UNICAMP. Atualmente é professora titular do Curso de Artes Visuais, Produção Cultural e do Curso de Comunicação e Marketing e Coordenadora do curso de Pós-graduação em História da Arte da Fundação Armando Alvares Penteado - FAAP.

Publicado
2019-12-20
Seção
Dossiê - ENTRE O TEATRO, AS ARTES VISUAIS E A MÚSICA: Caminhos para se pensar o