ADORNO

materialismo e teoria dialética no contexto narrativo da ópera Wozzeck

  • Lucyane De Moraes Universidade Federal de Minas Gerais

Resumo

Considerado um de seus primeiros escritos voltados para uma estética materialista, em A ópera Wozzeck, ensaio analítico elaborado em fins de 1929, Adorno defende a convergência entre gênero teatral, lógica musical e crítica materialista abordando a conhecida obra de seu antigo professor e amigo, o compositor Alban Berg. Estendendo os postulados marxistas à esfera da cena e da música, o trabalho elaborado por Adorno alude ao aspecto dialético que origina e fundamenta a composição da ópera, a partir da escolha do texto teatral inacabado do dramaturgo novecentista alemão Georg Büchner, que teve seu enredo baseado na história real do soldado Johann Christian Woyzeck (1780-1824). Fundamentado nas violências impostas ao soldado germânico - submetido à condição de cobaia humana, à debilidade física e mental, à desonra, ao desespero e à humilhação, sem voz ativa e sem qualquer credibilidade - Adorno, considerando que toda positividade fortalece a sensação de impotência, analisa os valores burgueses que fundamentam a trama original da peça de Büchner, assinalada pela estética do romantismo alemão e conformação à realidade social dada por Berg, definida na composição em si. No entender do filósofo: “o que aparentemente está a salvo, seguro na posição do centro, ao invés de ir ao extremo, não faz outra coisa além de perder-se absolutamente”. É, portanto, do ponto de vista materialista que se estabelece o contorno narrativo da ópera, fundamentado nas relações de dominação e no sentimento de alienação, impotência e angústia que caracterizam a sociedade de classes.

Biografia do Autor

Lucyane De Moraes, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutoranda em Filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Também possui Mestrado (UGF) e Graduação em Filosofia (UFAL), com Formação em Artes Cênicas (CVM-BA) e títulos de Especialização em: Ensino da Arte pela Universidade Veiga de Almeida (UVA-RJ) e Direção Cinematográfica pela Escola de Cinema Darcy Ribeiro (ECDR-RJ). Atua nas áreas de Estética e Filosofia Social, abordando os temas: Indústria Cultural, Cultura Imaterial, Recepção de Novas Mídias da Imagem, Teoria Marxista e Teoria Crítica da Sociedade, com ênfase na obra de Theodor Adorno.

Publicado
2017-07-30
Seção
Dossiê - Filosofias das Artes