O JOGO TEATRAL COMO ALIADO DO DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR INFANTIL

Resumo

O presente artigo tem por pressuposto apresentar as possíveis influências que os Jogos Teatrais oferecem ao desenvolvimento psicomotor de crianças em idade pré-escolar, ou seja, aquelas com menos de seis anos de idade. Os aspectos abrangidos neste contexto vão desde a definição do conceito de psicomotricidade até a importância que o jogo teatral – e logo da ludicidade – tem para o desenvolvimento do ser humano, e, neste caso em específico, das crianças.

Referências

DANTAS, H. (2010). Brincar e trabalhar. In: KISHIMOTO, T. M. (Org.). O brincar e suas teorias. São Paulo: Cengage Learning.

ELKONIN, D. B. (2009). Psicologia do jogo. 2. Ed. São Paulo: Martins fontes.

FOGAÇA JUNIOR, O. M. (2015). Apostila disponibilizada ao curso de Pós Graduação – Latu Sensu em “Psicomotricidade Educacional” ofertada pela ESAP (Instituto de Estudos Avançados e Pós-Graduação).

KISHIMOTO, T. M. (Org - 2008). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 11. ed. São Paulo: Cortez.

KOUDELA, I. D. (2006). Jogos teatrais. 5 ed. São Paulo: Perspectiva.

KOUDELA, I. D & SANTANA, A. P. (2005). Abordagens metodológicas do teatro na educação. Ciências Humanas em Revista, São Luís, V.3, n.2, pp.145-154.

LE BOULCH, J. (1986). O desenvolvimento psicomotor do nascimento até 6 anos: a Psicomotricidade na idade da educação infantil. 4.ed. Porto Alegre: Artes Médicas.

LE BOULCH, J. (1987). Psicomotricidade: a psicocinética na idade escolar. Porto Alegre.

LOPES, J. (1981). Pega Teatro. São Paulo: CTEP.

MARINHO, H. S. (1993). Brincar e reeducar o folclore. Rio de Janeiro: Revinter.

OLIVEIRA, G. (1992) Psicomotricidade: Um estudo em escolares com dificuldade em leitura e escrita. 1992. 364fls. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

PARADA, M. M. (s/d). A psicomotricidade e o desenvolvimento infantil. s/d. Disponível em:

http://www.avm.edu.br/monopdf/7/Michele%20Madeira%20Parada.pdf . Acesso em 07/2015

FERRAZ, M. H. C. de T.; FUSARI, M. F. de R. (1999). Metodologia do ensino de arte. São Paulo: Cortez.

PIAGET, J. (2003). Seis estudos de psicologia. Tradução Maria Alice Magalhães D´ Amorim e Paulo Sergio Lima Silva. 24 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

PUPO, M. L. (2005). Para desembaraçar os fios. Educação & Realidade. Rio Grande do Sul, v.30, n.2, p. 217-228.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PSICOMOTRICIDADE. (2015). Disponível em www.psicomotricidade.com.br . Acesso em 07/2015.

SPOLIN, V. (2006). Jogos teatrais: o fichário de Viola Spolin; tradução de Ingrid Dormien Koudela. 2ª Ed – São Paulo: Pespectiva.

VYGOTSKY L. S. (1998). O papel do brinquedo no desenvolvimento. In: VYGOTSKY L. S. A formação Social da mente. 6 ed. São Paulo: Martins Fontes, pp. 121-137.

VYGOTSKY L. S. (2003). Psicologia pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2003.

Publicado
2016-07-26
Seção
Dossiê - TEATRO E EDUCAÇÃO INFANTIL: entre a formação e a prática