A EXPERIÊNCIA TEATRAL COM BEBÊS DE 01 A 02 ANOS EM UMA UMEI EM BH

Resumo

Este texto tem por objetivo discorrer sobre uma experiência teatral com bebês, realizada em uma Unidade Municipal de Educação Infantil em Belo Horizonte em 2015. Nos situamos nos campos da legislação para a Educação Infantil, que nos ajudam a pensar as práticas teatrais e culturais na educação pública de crianças. Apresentamos os conceitos que nos embasaram para a prática, a saber: a sociologia da infância, a psicologia histórico-social e o teatro pós-dramático. Ao final, demonstramos quais as decorrências e como as crianças se expressaram a partir de uma prática pensada por um professor especialista e realizada em conjunto com professoras da instituição.

Referências

ARROYO, M. (2008). A infância interroga a pedagogia. In.: Estudos da infância: Educação e prática sociais. Orgs.: Manuel Sarmento, Maria Cristina Soares de Gouvêa. RJ: Vozes, pp. 119-140.

BARBOSA, M. C. S.; FOCHI, P. S. (2011). O teatro e os bebês: Trajetórias possíveis para uma pedagogia com crianças pequenas. Espaços da escola. Editora Unijuí. Ano 21. Nº 69. Jan./JUN. pp. 29 – 38.

BRASIL. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. (1998). Ministério de Educação e do Desporto. Referencial curricular nacional para educação infantil. Brasília, DF: MEC.

BRASIL. (2009). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília : MEC, SEB.

CORSARO, W. A. (2009). Reprodução interpretativa e cultura de pares. In: Teoria e prática na pesquisa com crianças: diálogos com William Corsaro. Fernanda Müller e Ana Maria Almeida Carvalho (Orgs.). São Paulo: Cortez.

DEBORTOLI, J. A. O. (2008). Imagens contraditórias da infância: Crianças e adultos na construção de uma cultura pública e coletiva. In.: Infâncias na metrópole (Orgs,: MARTINS, Maria de Fátima Almeida; MARTINS, Sergio, DEBORTOLI, José Alfredo Oliveira) . Belo Horizonte: Editora UFMG.

FERRACINI, R. (2010). A arte de não interpretar como poesia corpórea do ator. 2. ed. Campinas, SP: UNICAMP.

GOMES, A. M. R. (2008). Outras crianças, outras infâncias? In: SARMENTO, M. J.; GOUVÊA, M. C. S. de (Org.). Estudos da Infância: educação e práticas sociais. Petrópolis. Rio de Janeiro: Vozes.

GOUVÊA, M. C. S. (2011). Infantia: entre a anterioridade e a alteridade. In: Revista Educação & Realidade. Porto Alegre, v. 36, n. 2, pp. 547-567, maio/ago.

LEHMANN, H-T. (2007). Teatro pós-dramático. São Paulo: Cosac & Naify.

LEHMANN, H-T. (2011). Das Crianças, do Teatro, do Não-compreender. Revista brasileira de estudos da presença, Porto Alegre, v.1, n.2, pp. 268-285.

MACHADO, M. M. (2004a). A poética do brincar. 2ª ed. São Paulo: Edições Loyola.

MACHADO, M. M. (2004b). Cacos de infância: teatro da solidão compartilhada. São Paulo: FAPESP.

MACHADO, M. M. (2007). O brinquedo-sucata e a criança: a importância do brincar: atividades e materiais. 6. ed. São Paulo: Edições Loyola.

MACHADO, M. M. (2012a). Merleau-Ponty & a educação. Belo Horizonte: Autêntica.

MACHADO, M. M. (2012b). Teatralidades na Tenra Infância, ou Bolacha recheada na cena contemporânea. In: Lamparina - Revista de ensino de Teatro, v. 1, n. 4.

MACHADO, M. M. (2014). A criança é performer. In: Revista Educação & Realidade, v. 39, n. 2, pp. 115 – 138.

OSTETTO, L. E. (2010). Educação infantil, arte e criação: ensaios para transver o mundo. In.: Diretrizes educacionais pedagógicas para educação infantil. Prefeitura Municipal de Florianópolis. Secretaria Municipal de Educação. Florianópolis: Prelo Gráfica & Editora Ltda..

QVORTRUP, J. (2010). A infância enquanto categoria estrutural. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 36, n.2, pp. 631-643, maio/ago.

SARMENTO, M. J. (2005). Gerações e alteridade: interrogações a partir da sociologia da infância. Revista Educação e Sociedade, Campinas, vol. 26, n. 91, p. 361-378.

SARMENTO, M. J. (2008). Sociologia da Infância: Correntes e confluências. In: SARMENTO, M. J.; GOUVÊA, M. C. S. de (Org.). Estudos da Infância: educação e práticas sociais. Petrópolis. Rio de Janeiro: Vozes.

SOUZA, S. J.; SALGADO, R. G. (2008). A criança na mídia: reflexões sobre cultura lúdica, capitalismo e educação. In: SARMENTO, M. J.; GOUVÊA, M. C. S. de (Org.). Estudos da Infância: educação e práticas sociais. Petrópolis. Rio de Janeiro: Vozes.

RICHTER, A. C.; VAZ, A. F. (2010). Momentos do parque em uma rotina de educação infantil: corpo, consumo, barbárie. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.36, n.3, p. 673-684, set./dez.

VIGOTSKY, L. S. (2008). Pensamento e linguagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes.

VIGOTSKY, L. S. (2014). Imaginação e criatividade na infância. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes.

Publicado
2016-07-26
Seção
Dossiê - TEATRO E EDUCAÇÃO INFANTIL: entre a formação e a prática