TEATRO E EDUCAÇÃO - elementos de tensão entre sentido e significado

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar o teatro e a educação como elementos de tensão entre sentido e significado, delineando o teatro como elemento estético que permite ao corpo a apresentação do sensível partilhado. Os objetivos específicos são: discutir a constituição de saberes centrados no ideal europeu de civilização legitimado pela razão logico-analítica na modernidade; reconhecer a arte como uma linguagem que neutraliza o plano da consciência ordenadora por meio da performance do corpo; refletir sobre o espaço performativo do corpo em que a alegoria atua como escrita destituindo o poder do símbolo. O corpo compreende os processos de observação na ordem simbólica, alegórica e comunicativa presente no jogo infantil que sobre o efeito da ação alegórica, desmembra a escrita dada na ordem do limiar entre símbolo e alegoria, despertando a percepção corporal. 

Referências

ABBAGNANO, N. (1999). Dicionário de Filosofia. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes.

AGAMBEN, G. (2007) Profanações. São Paulo: Boitempo.

BENJAMIN, W. (1994). O flâneur. In Obras escolhidas III: Charles Baudelaire um lírico no auge do capitalismo. 3a. ed. São Paulo: Brasiliense.

BENJAMIN, W. (2000). A modernidade. In: _______ A modernidade e os modernos. 2. ed. Rio de janeiro: Tempo Brasileiro.

BENJAMIN, W. (1984). Origem do Drama Barroco Alemão. São Paulo: Brasiliense, 1984.

BENJAMIN, W. (2002). Reflexões sobre a Criança, o Brinquedo e a Educação. São Paulo: Editora 34.

BUTLER, J. (1993). Bodies that Matter: on the discursive limits of sex. New york: Routledge.

BUTLER (2000). Speech Acts Politically. In: McQuillan Martin. Desconstruction a reader. Edinburgo: Edinburgh University Press.

BUCK-MORSS, S. (1998). Walter Benjamin: entre moda acadêmica e avant-garde, pp. 41-56. Texto de uma palestra que a autora proferiu na Universidade de São Paulo no ano de 1998. Tradução de João Roberto Martins Filho.

DEBORD, G. (2003). A Sociedade do Espetáculo (1931-1994). EBookLibris.com, pp. 8-140. Disponível em: http://www.ebooksbrasil.com/eLibris/socespetaculo.html. Acesso em: 1o de dez. 2003.

DESCARTES, R. (1997). Discurso do Método. 3. ed. Lisboa: Guimarães Editores.

DESCARTES, R. (2003). Speech Acts Politically. In: McQuillan Martin. Desconstruction a reader. Edinburgo: Edinburgh University Press.

GADAMER, H-G. (1999). Verdade e método. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

KANT, I. (1985a). Que significa orienta-se pelo pensamento? (Was heisst: Sich Im Denken orientieren?) In: KANT, Immanuel. Textos seletos. Tradução Raimundo Vier e Floriano de Sousa Fernandes. Edição bilíngue, 2. ed. Petrópolis, Rio Janeiro: Vozes.

KANT, I. (1985b). Resposta a Pergunta: que é esclarecimento? (Beantwortung der Frage: Was ist Aufklaerung? 1783, p. 516). In: KANT, Immanuel. Textos seletos. Tradução de Raimundo Vier e Floriano de Sousa Fernandes. Edição bilíngue, 2. ed. Petrópolis, Rio Janeiro: Vozes.

KANT, I. (2004). Sobre a pedagogia. Tradução de Francisco Cock Fontanella. 4. ed. Piracicaba: Editora Unicamp.

LEIBNIZ, G. W. (1974). O que é a Idéia. In: Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural.

MATOS, O. C. F. (1997). Filosofia e a Polifonia da Razão: filosofia e educação. São Paulo: Scipione.

MATOS, O. C. F. (2010). Benjaminianas: cultura capitalista e fetichismo contemporâneo. São Paulo: Editora Unesp.

NIETZSCHE, F. W. (2003). III Considerações Intempestivas: Schopenhauer educador. In: NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Escritos sobre educação/Friedrich Nietzsche. Tradução, apresentação e notas de Noéli Correia de Melo Sobrinho. Rio de Janeiro: PUC-Rio; São Paulo: Loyola, 2003, pp. 138-222.

NIETZSCHE, F. W. (1993). Schopenhauer come Educadore (Considerazioni inattuali, III). In: NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Opere 1870-1881. Introduzione di Fabrizio Desideri, Edizioni integrali. Roma: Grandi Tascabili Economici Newton, 1993, pp. 399- 445.

NUNES, C. (1993). Walter Benjamin: os limites da razão. In: FARIA FILHO, Luciano Mendes de (org.). Pensadores sociais e História da Educação. 2. ed. Revista e ampliada. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008, pp. 89-102.

PLATÃO (2011). Diálogos VI: Crátilo (ou da correção dos nomes), Cármides (ou da moderação), Laques (ou da coragem), Ion (ou ilíada), Menexeno (ou oração fúnebre). Tradução, textos complementares e notas de Edson Bini. Bauru, SP: Edipro.

RANCIÈRE, J. (2009). A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: Editora 34.

Publicado
2016-07-26
Seção
Dossiê - TEATRO E EDUCAÇÃO INFANTIL: entre a formação e a prática