VERTICALIZAÇÃO DA PRODUÇÃO MINERAL NO SUDESTE PARAENSE

VERTICALIZAÇÃO DA PRODUÇÃO MINERAL NO SUDESTE PARAENSE: CHANTAGEM LOCACIONAL E IMPACTOS SOCIOTERRITORIAIS E AMBIENTAIS

  • Marcelo Melo dos Santos Melo Santos Universidade Federal do sul e Sudeste do Pará
  • Fernando Michelotti Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará
Palavras-chave: ALPA – Impactos Socioterritoriais – Chantagem Locacional

Resumo

Este artigo busca analisar as estratégias de diferentes agentes face as tensões geradas no processo de implantação de um grande projeto siderúrgico no município de Marabá, Sudeste Paraense. Essas estratégias são reveladoras de interesses conflitantes entre esses agentes e de relações assimétricas de poder entre eles. A mineradora VALE e seus sócios no empreendimento, representantes das elites locais, assim como o governo federal e estadual, coincidem na defesa do projeto como ponto central para o desenvolvimento regional com base na verticalização da produção mineral, embora divirjam entre si acerca das responsabilidades do financiamento da obra e estrutura logística. O projeto e sua forma de implantação, por outro lado, é confrontado por segmentos críticos em função dos impactos socioterritoriais e ambientais. A análise dos impactos do projeto em dois casos específicos, de um assentamento de reforma agrária no seu entorno e da hidrovia Araguaia-Tocantins, revelam situações distintas. Enquanto no primeiro caso encontrou-se mobilização social intensa, mas localizada, capaz de fazer frente ao projeto e impor ajustes, no segundo caso houve pequena mobilização regional reveladora da subordinação da sociedade frente à ameaça permanente de suspensão dos investimentos. Sugere-se, dessa forma, que a empresa lança mão de mecanismos de ‘chantagem locacional’, apropriando-se de forma desigual dos propalados benefícios da verticalização da produção mineral e impondo riscos sociais e ambientais concentrados à sociedade local.

Referências

ACSELRAD, H. e BEZERRA, G. das N. 2010. Desregulação, Deslocalização e Conflito Ambiental: considerações sobre o controle das demandas sociais. In: A. W. B. de ALMEIDA et al. (orgs.), Capitalismo Globalizado e Recursos Territoriais: fronteiras da acumulação no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro, Editora Lamparina, p. 179 – 209.
BOGÉA, H. 2011. Ministra diz que Hidrovia é Prioridade Federal. Disponível em: http://www.hiroshibogea.com.br/ministra-diz-que-hidrovia-e-prioridade-federal/ Acesso em: 22/06/2017.
BRANDÃO, C. A. 2010. Acumulação Primitiva Permanente e Desenvolvimento Capitalista no Brasil Contemporâneo. In: A. W. B. de ALMEIDA et al. (orgs.), Capitalismo Globalizado e Recursos Territoriais: fronteiras da acumulação no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro, Editora Lamparina, p. 39 – 69.
BRANDT – Meio Ambiente/Amazônia. 2009. Aços Laminados do Pará – Relatório de Impacto Ambiental. Marabá. 116 p.
CEPASP – CENTRO DE EDUCAÇÃO, PESQUISA, ASSESSORIA SINDICAL E POPULAR. 2010. Os impactos da Mineração no Sudeste Paraense. Marabá. 57 p.
GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ. 2010. Notícias do Governo Popular, ano IV, n° 22. Fevereiro/2010.
HALL, A. 1991. Amazônia: desenvolvimento para quem? Desmatamento e conflito social no Programa Grande Carajás. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 1991, 300 p.
HARVEY, D. 2006. O “novo” imperialismo: acumulação por desapossamento. In: L. PANITCH e C. LEYS (orgs.), O Novo Desafio Imperial. Socialist Register, 2004. Buenos Aires, CLACSO. 95 – 125 p.
HARVEY, D. 2013a. Acumulação via Espoliação. In: D. HARVEY, O Novo Imperialismo. 7ª ed. São Paulo, Edições Loyola. 115 – 148 p.
HARVEY, D. 2013b. O Segredo da Acumulação Primitiva. In: D. HARVEY, Para Entender o Capital - Livro I. São Paulo, Editora Boitempo, 277 – 299 p.
JORNAL CORREIO DO TOCANTINS. 2010. MT Garante Alça Viária para Marabá. Marabá, 11 e 12 de fev. p. 5.
LUXEMBURGO, R. 1985. A Acumulação do Capital. 2° edição. São Paulo, Editora Nova Cultural, 413 p.
MARX, K. 2011. A Chamada Acumulação Primitiva. In: K. MARX, O Capital: crítica da economía política. L. I, Vol. 1, Cap. XXIV. 24ª ed. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 825 – 877 p.
MPF/MPE-PA – MINISTERIO PÚBLICO FEDERAL / MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ. 2010. Requerimento de Ação Civil Pública contra SEMA e Estado do Pará. Marabá. 46 p.
POMPEU, U. 2017. Derrocamento do Pedral do Lourenço está em Fase de Licenças Ambientais. Disponível em: http://zedudu.com.br/derrocamento-do-pedral-do-lourenco-esta-em-fase-de-licencas-ambientais/ Acesso em: 22/06/2017.
REUTERS. 2012. Vale Suspende Construção de Siderúrgica em Meio a Impasse com Governo. Disponível em: https://oglobo.globo.com/economia/vale-suspende-construcao-de-siderurgica-em-meio-impasse-com-governo-6224537 Acesso em: 22/06/2017.
VALE. 2013. ALPA – Aços Laminados do Pará. In: XXIV Encontro Corredor Centro-Norte, apresentação de power point. 13 de jun.
Publicado
2017-08-23
Seção
Artigos