Um instrumento linguístico eventual: a “dicionarização antirracista de Instagram”

the "anti-racist dictionarization of Instagram"

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20873.239209

Resumo

Resumo: Este trabalho objetiva investigar, à luz da teoria da Análise de Discurso de orientação materialista, a atuação de perfis da rede social Instagram que, atravessada pela discursividade racial, simulam o funcionamento de instrumentos linguísticos como dicionários e cartilhas, em alguma medida. Tais perfis combatem os usos de termos e expressões que, de acordo com certa interpretação linguística vinculada à militância negra, foram constituídas por meio de uma origem colonialista/racista, isto é, tentam trabalhar com o que se imagina ser a explicação etimológica/histórica dessas expressões e propõem outras alternativas. Desse modo, este estudo pretende não só analisar os discursos racializados sobre a língua, em circulação no Instagram, mas também, observar a maneira como perfis do Instagram simulam a função de instrumentos linguísticos tradicionais, chegando a ser classificado como um instrumento linguístico eventual. No processo de montagem do arquivo, do qual extraímos nosso corpus de análise, depara-me com uma regularidade que se substancia pela relação entre denúncia e sugestão. Isto é, os perfis denunciam palavras e expressões consideradas racistas e prescrevem outras opções com sentidos similares. Sendo assim, busco tensionar os discursos ali postos em circulação dissimulados pelo efeito de evidência, produzindo, assim, uma abordagem normativa.

Palavras-chave: Análise de Discurso; Instrumentos linguísticos; Discursos racializados; Dicionário; Instagram.

Referências

REFERÊNCIAS

ADORNO, Guilherme. Visualizar, ler e compreender o dicionário priberam: divisões políticas da língua no limiar do linguístico e do visual. Instrumentos Linguísticos, N. 42, p. 98- 138, jul.-dez., 2018.

ALMEIDA, Silvio Luiz de. Racismo Estrutural. São Paulo: Pólen, 2018.

AUROUX, Sylvain. A revolução tecnológica da gramatização. 2. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2009.

DIAS, Cristiane; COUTO, Olivia. As redes sociais na divulgação e formação do sujeito do conhecimento: compartilhamento e produção através da circulação de ideias. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, Vol. 11, N. 3, p. 631-648, set-dez.2011.

ERNST, A. G. A falta, o excesso e o estranhamento na constituição/interpretação do corpus discursivo. In: SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO, 4., 2009, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: UFRGS, 2009. Disponível em: http://anaisdosead.com.br/4SEAD/SIMPOSIOS/AracyErnstPereira.pdf. Acesso em: 2 mar. 2023.

GRIGOLLETO, Marisa. Leitura e funcionamento discursivo do Livro Didático. In: CORACINI, Maria José (org.). Interpretação, Autoria e Legitimação do Livro Didático. Campinas: Pontes, 2011. p. 67-77.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, ANPOCS, p. 233-244, 1984.

GUIMARÃES, Eduardo. Linguagem e Conhecimento: Produção e Circulação da Ciência. Revista Rua, Campinas, Vol. 2, N. 15, p. 5-14, 2009.

______. Sinopse dos Estudos do Português no Brasil: a Gramatização Brasileira. In: GUIMARÃES, Eduardo; ORLANDI, Eni (Org.). Língua e Cidadania: o português no Brasil. Campinas, SP: Pontes, 1996, p. 127-138.

FERREIRA, Ana Claudia Fernandes. As coisas-saber sobre uma cidade na Wikipédia e na Desciclopédia: Pouso Alegre entre edifícios e buracos. Revista Rua, Campinas, Vol. 2, N. 18, p. 35-58, 2012.

______. Saberes Linguísticos Cotidianos. Revista Porto das Letras, v. 6, n. 5, p. 324-351, 2020.

LAGAZZI, Suzy. O desafio de dizer não. Campinas: Pontes Editores, 1988.

MODESTO, Rogério. Interpelação ideológica e tensão racial: efeitos de um grito. Littera Online, Maranhão, N. 17, p. 124 – 145, 2018.

______. Os discursos racializados. Revista da Abralin, Vol.20, N. 2, p.1-19, 2021.

NASCIMENTO, Gabriel. Racismo linguístico é sobre palavra?. Língu@ Nostr@, Vitória da Conquista, Vol. 8, N. 1, p. 3-15, jan.-jul., 2021.

NUNES, José Horta. Dicionários: história, leitura e produção. Revista das Letras Universidade Católica de Brasília, Brasília, Vol. 3, N. 1/2, p. 7-21, dez., 2010.

ORLANDI, Eni. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Petrópolis: Vozes, 2007.

PÊCHEUX, Michel. Estrutura ou Acontecimento: o discurso em ruptura. Campinas: Editora da Unicamp, 1997.

PETRI, Verli; GUASSO, Kelly. Discurso e tecnologia: uma proposta de análise contrastiva de dicionários online. In: PFEIFFER, Claudia; DIAS, Juciele Pereia; NOGUEIRA, Luciana (Org.). Língua, ensino e tecnologia. Campinas: Pontes, 2020. p. 271-286.

PFEIFFER, Claudia. O lugar do conhecimento na escola: alunos e professores em busca da autorização. In: Escritos. Escrita, Escritura, Cidade (III). n. 7LABEURB, Campinas-SP, 2002.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de Linguística Geral. São Paulo: Cultrix, 2006.

SOUZA, Matheus Oliveira. Arquivo das nomeações raciais: “crioulo” e “pardo” nos dicionários de língua portuguesa. Relatório de pesquisa: Iniciação científica. Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus, 2022.

SILVA, Mariza Vieira da. O dicionário e o processo de identificação do sujeito-analfabeto. In: GUIMARÃES, Eduardo; ORLANDI, Eni P. (Org.). Língua e cidadania: o Português do Brasil. Campinas/SP: Pontes, 1996: p. 151-162.

ZOPPI-FONTANA, Mônica. É o nome que faz a fronteira. In: INDURSKY, F; FERREIRA, Mônica. (Org.). Os múltiplos territórios da análise do discurso. Porto Alegre: Editora Sagra Luzzatto, 1999. p. 202-215.

______. O português do Brasil como língua transnacional. In: ZOPPI-FONTANA, Mônica. (Org.). O português do Brasil como língua transnacional. Campinas: Editora RG, 2009. p. 12-41.

Downloads

Publicado

2023-11-20

Como Citar

Oliveira Souza, M. (2023). Um instrumento linguístico eventual: a “dicionarização antirracista de Instagram”: the "anti-racist dictionarization of Instagram". Porto Das Letras, 9(2), 216–242. https://doi.org/10.20873.239209

Edição

Seção

Instrumentos Linguísticos