EDUCAÇÃO EM TEMPOS DE PANDEMIA: lições aprendidas e compartilhadas

Autores

  • Elaine Jesus Alves UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS
  • Denilda Caetano de Faria Universidade Federal do Tocantins

DOI:

https://doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2020v6n2a16pt

Palavras-chave:

Educação online, Pandemia, Tecnologias Digitais, Formação de professores

Resumo

Em 2020, o mundo foi assolado por uma pandemia que exigiu o isolamento social das pessoas de todo o planeta para evitar o rápido contágio e a superlotação dos hospitais. No campo educacional, as aulas presenciais foram suspensas em mais de 150  países. Algumas instituições passaram a usar recursos tecnológicos para ofertar o ensino remoto. A pandemia evidenciou questões como o despreparo dos sistemas de educação e dos professores, desigualdades de acesso a internet e computador dos alunos, dentre outras. Considerando que as tecnologias já fazem parte do cotidiano das escolas há mais de 30 anos, nesse momento atípico há um estranhamento dos professores no seu uso improvisado com seus alunos.  Este artigo tem como objetivo refletir o que esta situação de pandemia nos ensinou sobre a educação online no Brasil e as perspectivas que podemos vislumbrar neste campo no cenário pós-pandemia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elaine Jesus Alves, UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS

Doutora e Pós-doutora em Ciências da Educação pela Universidade do Minho, Braga PT. Pós-doutorado em
Comunicação e Sociedade pela Universidade Federal do Tocantins. E-mail: elainealves@uft.edu.br.

Denilda Caetano de Faria, Universidade Federal do Tocantins

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás- PUC-GO, Administradora da Universidade Federal do Tocantins-UFT -  Professora da Faculdade Serra do Carmo - FASEC . E-mail: denilda@uft.edu.br.

Referências

ALVES, E. J. Formação de professores, Literacia Digital e Inclusão Sociodigital: Estudo de caso em curso a distância da Universidade Federal do Tocantins. Tese(Doutorado em Ciências da Educação) Instituto de Educação, Universidade do Minho, Braga, 2017

ALVES, E. J. Metodologias ativas no ensino superior: o uso da rede social EDUCATIVA Edmodo num programa de mestrado na Universidade Federal do Tocantins. In: ALVES, E.A. & PORTO JR. G. R (Orgs). Comunicação, tecnologias emergentes e práticas sociais: Discussões e experiências em diálogo com a sociedade. Porto Alegre, RS: Editora FI, 2020.

ANDRADE, L. S. Formação de professores em nível médio na modalidade a distância : a experiência do Proformação. Tese de doutorado, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil, 2009.

BACKES, L. As manifestações da autoria na formação do educador em espaços digitais virtual. Educação, Ciência e Cultura, v. 17, n. 2, p. 71-85, 2012.

BASTOS, M. H. Do quadro-negro à lousa digital: A história de um dispositivo escolar. Cadernos de História da Educação, 4, ( jan./dez.) 2005, pp.133-141.

BARROWS, H. S. A Taxonomy of Problem-Based Learning methods. Medical Education, v.20, p. 481-486, 1986.

BENDER, Willian N. Aprendizagem baseada em projetos: educação diferenciada para o século XXI. Penso Editora, 2015.

CASTELLS, M. A obsolência da educação. Disponível: https://www.youtube.com/watch?v=eb0cNrE3I5g . 2014. Acesso em 23 de maio de 2020.

COSTA, F. A. O potencial transformador das TIC e a formação de professores e educadores. In: M. E. ALMEIDA, P. DIAS, & B. SILVA, O potencial transformador das TIC e a formação de professores e educadores. São Paulo: Loyola, pp. 47-72, 2013.

COSTA, F; CRUZ, E; RODRIGUEZ, C. & VIANA, J. As TIC na Formação Inicial de Professores em Portugal e no Brasil: desafios e possibilidades. Universidade de Lisboa, 2015.

ECO, Umberto. Obra aberta. Editora Perspectiva SA, 1962.

FAGUNDES, L.C. . Educação a distância em Ciência e tecnologia: o Projeto EducaDi/CNPq – 1997. Em Aberto ano 16, 1996, nº 20, abr./jun. pp. 134-140.

FARIA, Denilda Caetano de. Desafios e possibilidades da docência na EaD em Arraias e Gurupi da UFT/UAB, 2006-2016 .Tese (Doutorado em Educação). PUCGO, Goiânia, UF, 2017.

GIRAFFA, L. M. M. Ensino Superior em tempos de crise. [Trecho do I Ciclo de debates do Forgrad]. Fórum Nacional de Graduação, 2020. YouTube, 20 de maio de 2020, 27m13s.

GONÇALVES, H. C. Formação continuada de professores para o uso do ambiente virtual de aprendizagem no curso de pedagogia: a experiência do PARFOR/UEPA. (dissertação de mestrado). Belém: Pós-Graduação em Educação Universidade do Estado do Pará - UEPA, 2014.

GUNAWARDENA, C. Social Presence Theory and Implications for Interactive and Collaborative Learning in Computer Conferences. International Journal of Educational Telecommunications, v. 1, n. 2/3, p. 147-166. 1995.

LEMOS, A. Cibercultura como território recombinante. In: MARTINS, C. D. et al. (Org.) Territórios recombinantes: arte e tecnologia – debates e laboratórios. São Paulo: Instituto Sérgio Motta, 2007. p.35-48.

LÉVY, P.. Cibercultura. Tradução de C. I. Costa. São Paulo: Editora 34, 1999.

LLUNA, S., PEDREIRA, J. Org. Los nativos digitales no existen: Cómo educar a tus hijos para un mundo digital. Barcelona: Deusto, 2017.

LÉVY, P. A revolução contemporânea em matéria de comunicação. Revista FAMECOS, 9, 1998, pp. 37-49.

MILL, D. Escritos sobre educação: desafios e possibilidades para ensinar e aprender com as tecnologias emergentes. São Paulo: Paulus, 2013.

_____. Docência virtual: uma visão crítica. Campinas, SP: Papirus, 2012.

MORAN, J. A EAD no Brasil: cenário atual e caminhos viáveis de mudança. In: VALENTE, J. A. MORAN, J. Educação a Distância: pontos e contrapontos. Rio de Janeiro: Summus, 2011.

MOURA, A. Geração Móvel: um ambiente de aprendizagem suportado por tecnologias móveis para a “Geração Polegar”. In: P. Dias, & A. J. Osório (Ed.). Actas da VI Conferência Internacional de TIC na Educação - Challenges 2009. Universidade do Minho, Braga, Portugal..

PALLOF, R. M. PRATT, K. O aluno virtual: um guia para trabalhar com estudante online. Porto Alegre: Artmed, 2004.

PEIXOTO, J. Relações entre sujeitos sociais e objetos técnicos: uma reflexão necessária para investigar os processos educativos mediados por tecnologias. Revista Brasileira e Educação, Rio de Janeiro, v. 20. n. 61, p. 317-332, abr./jun. 2015.

PRENSKY, M. Digital Game-Based Learning. Rio de Janeiro: McGraw-Hill, 2001.

SILVA, B. D. A tecnologia é uma estratégia. Actas da II Conferência Internacional Desafios 2001. Braga: Nonio, pp. 839-859.

SILVA, M. Sala de aula interativa. São Paulo: Quartet, 2000.

SOUZA, H.G. Informática na educação e ensino de informática: algumas questıes. Em Aberto, ano II, no 17, jun. 1983, pp. 1-8.

STAKER, H.; HORN, M. B. Classifying K–12 blended learning. Mountain View, CA: Innosight Institute, Inc. 2012. Disponível em: http://www.christenseninstitute.org/ wp-content/uploads/2013/04/Classifying-K-12-blended-learning.pdf . Acesso em: 15 abr. 2020

VALENTE, J.A. (Ed.). Computadores na Sociedade do Conhecimento. Campinas: NIED – UNICAMP, 1999.

Publicado

2020-04-01

Como Citar

JESUS ALVES, E.; CAETANO DE FARIA, D. EDUCAÇÃO EM TEMPOS DE PANDEMIA: lições aprendidas e compartilhadas. Revista Observatório , [S. l.], v. 6, n. 2, p. a16pt, 2020. DOI: 10.20873/uft.2447-4266.2020v6n2a16pt. Disponível em: https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/observatorio/article/view/9475. Acesso em: 27 nov. 2022.