LUTA POR RECONHECIMENTO, IDENTIDADES E RELAÇÕES DE PODER: as mulheres no movimento quilombola

Palavras-chave: Mulheres; Movimento Quilombola; Reconhecimento; Relações de Poder.

Resumo

Analisa-se o papel da mulher na organização sociopolítica atual do movimento quilombola no Pará. Com base na teoria do Reconhecimento e na perspectiva intersubjetiva de Comunicação, argumentamos que houve um deslocamento do papel da mulher nessas lutas: das responsabilidades domésticas à liderança política. A partir dos conceitos de reconhecimento, mobilização, ação coletiva e poder e também de dados de questionários, relatórios e outros documentos, examinamos o caráter interseccional dessa atuação política. Concluímos que está ocorrendo um processo de complexificação dos lugares e dos papéis da mulher quilombola por meio do associativismo e da construção de solidariedade, das mobilizações e da atuação para ampliação dos padrões de reconhecimento.

 

PALAVRAS-CHAVE: Mulheres; Movimento Quilombola; Reconhecimento; Relações de Poder.

 

 

ABSTRACT

It analyzes the role of women in the current sociopolitical organization of the quilombo movement in Pará. Based on the theory of recognition and intersubjective perspective of communication, we argue that there was a displacement of the role of women in these struggles: from domestic responsibilities to the political leadership. From the concepts of recognition, mobilization, collective action and power, as well as data from questionnaires, reports and other documents, we examine the intersectional nature of this political action. We conclude that is ocurring a process of complexification of the places and roles of quilombola women through associativism and the construction of solidarity, mobilizations and action to broaden recognition patterns.

 

KEYWORDS: Women; Quilombola Movement; Recognition; Power relations.

 

 

RESUMEN

Se analiza el papel de la mujer en la organización sociopolítica actual del movimiento quilombola en Pará. Con base en la teoría del Reconocimiento y en la perspectiva intersubjetiva de Comunicación, argumentamos que hubo un desplazamiento del papel de la mujer en esas luchas: de las responsabilidades domésticas al liderazgo político. A partir de los conceptos de reconocimiento, movilización, acción colectiva y poder y también de datos de cuestionarios, informes y otros documentos, examinamos el carácter interseccional de esa actuación política. Concluimos que está ocurriendo un proceso de complejidad de los lugares y de los papeles de la mujer quilombola por medio del asociativismo y de la construcción de solidaridad, de las movilizaciones y de la actuación para la ampliación de los patrones de reconocimiento.

 

PALABRAS CLAVE: Mujeres; Movimiento Quilombola; Reconocimiento; Relaciones de Poder.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Janine Bargas, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa)

Doutora em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e graduada em Jornalismo pela UFPA. Professora Adjunta do Curso de Jornalismo da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa), pesquisadora do Grupo de Pesquisa Comunicação, Política e Amazônia (Compoa/UFPA). E-mail: ninebargas@gmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-9719-4993. Endereço para correspondência: Rua Rio Grande do Sul, s/n – Centro, CEP: 68.638-000, Rondon do Pará - Pará – Brasil.

Danila Gentil Rodriguez Cal, Universidade Federal do Pará

Doutora e mestre em Comunicação Social pela UFMG. Graduada em Jornalismo pela UFPA. Professora Adjunta da Faculdade de Comunicação e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Cultura e Amazônia da UFPA. Líder do Compoa (UFPA). E-mail: danilagentilcal23@gmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-3243-8368. Endereço para correspondência: Instituto de Letras e Comunicação, Rua Augusto Corrêa, 01 – Guamá, CEP: 66075-110, Belém - Pará - Brasil

Referências

ALLEN, A. The power of feminist theory: domination, resistance, solidarity. Boulder: Westview Press, 2000.

ALLEN, A. Emancipation without Utopia: Subjection, Modernity, and the Normative Claims of Feminist Critical Theory. Hypatia, v. 30, n. 3, p. 513–529, ago. 2015. Disponível em: <http://doi.wiley.com/10.1111/hypa.12160>. Acesso em: 22 jun. 2017.

ALLEN, A. Rethinking Power. Hypatia, [S.l], v. 13, n. 1, p. 21-40, 1998. Disponível em < https://www.jstor.org/stable/3810605?seq=1#page_scan_tab_contents>. Acesso em: 2 jan. 2017.

ALBERTINI, Verena; PEREIRA, Amilcar Araújo. Movimento Negro Contemporâneo. In: FERREIRA, Jorge; REIS, Daniel Aarão (orgs). Revolução e Democracia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007, p.637-70.

ARENDT, H. Sobre a violência. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994.

ANGROSSINO, M. Etnografia e Observação Participante. Trad.: José Fonseca. Porto Alegre: Artmed Editora, 2009.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA (ABA). Nota pública. Brasília, DF, 29 de outubro de 2008.

BARGAS, J.; CARDOSO, L. F. Cartografia social e organização política das comunidades remanescentes de quilombos de Salvaterra, Marajó, Pará, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, Belém, v. 10, n.2, p. 469-488 maio-agosto. 2015.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso em jun. 2017.

BRASIL. Decreto presidencial nº 4.887, de 20 de novembro de 2003. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2003/d4887.htm>. Acesso em Jun. 2017.

CAL, D. Comunicação e Trabalho Infantil Doméstico: política, poder, resistências. Salvador: EDUFBA, 2016. Disponível em: <http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/19357>. Acesso em 03 jun. 2018.

CARNEIRO, S. Mulheres em movimento. Estudos Avançados, v. 17, n. 49, p. 117–133, dez. 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0103-40142003000300008&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 27 jun. 2017.

CARDOSO, L. F. C. A constituição local: direito e território quilombola em Bairro Alto, Ilha do Marajó, Pará. 2008. 258 f. Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008. Disponível em: <http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/91088>. Acesso em: 27 jun. 2017.

COLLINS, P. H. Se perdeu na tradução? Feminismo negro, interseccionalidade e política emancipatória. Parágrafo: Revista Científica de Comunicação Social da FIAM-FAAM, v. 5, n. 1, p. 6–17, 29 jun. 2017. Disponível em: <http://revistaseletronicas.fiamfaam.br/index.php/recicofi/article/view/559>. Acesso em: 29 jun. 2017.

CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, v. 10, n. 1, p. 171, 1 jan. 2002. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2002000100011>. Acesso em: 14 jun. 2017.

FRANÇA, V; SIMÕES, P. Curso Básico de Teorias da Comunicação. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

FLICK, U. Mapping the field. In: FLICK, U. (Org.). The SAGE handbook of qualitative data analysis. Los Angeles: SAGE, 2014, p. 3-18.

GONZALEZ, L. Racismo e sexismo na cultura brasileira. In: SILVA, L. et al. Movimentos sociais urbanos, minorias étnicas e outros estudos. Brasília, ANPOCS, 1984, p. 223-244.

-

HALL, S. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Org. Liv Sovik. – Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

HONNETH, A. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. Tradução Luiz Repa. São Paulo: Ed. 34, 2003.

HONNETH, A.; ALLEN, A.; COOKE, M. A conversation between Axel Honneth, Amy Allen and Maeve Cooke, Frankfurt am Main, 12 April 2010. Journal of Power, v. 3, n. 2, p. 153–170, ago. 2010. Disponível em: <http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/17540291.2010.493695>. Acesso em: 14 jun. 2017.

HONNETH, A. O eu no nós: reconhecimento como força motriz de grupos. Sociologias, v. 15, n. 33, p. 56–80, ago. 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1517-45222013000200003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 30 mar. 2017.

LUKES, S., Power: a radical view. 2a ed. New York: Palgrave Macmillan, 2005.

MAIA, Rousiley et al. A teoria crítica nos estudos da Comunicação: uma agenda empírica para o programa de Jürgen Habermas e de Axel Honneth. Teorias da Comunicação no Brasil: reflexões contemporâneas. Salvador/Brasília: Edufba/Compós, 2014, p. 197-220.

McADAM, Doug. Political process and the development of black insurgency. Chicago: The University of Chicago Press, 1999.

MELUCCI, A. Challenging codes: collective action in the information age. Cambridge [England] ; New York: Cambridge University Press, 1996.

MELUCCI, A. A invenção do presente: movimentos sociais nas sociedades complexas. Tradução: Maria do Carmo Alves do Bonfim. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

Publicado
2018-10-08
Como Citar
BARGAS, J.; CAL, D. LUTA POR RECONHECIMENTO, IDENTIDADES E RELAÇÕES DE PODER: as mulheres no movimento quilombola. Revista Observatório, v. 4, n. 6, p. 475-505, 8 out. 2018.
Seção
Dossiê Temático II / Thematic dossier II / Dossier temático II