IMAGINÁRIOS, REPRESENTAÇÕES E AMAZÔNIA:análise da construção de sentidos nos discursivos das ONGs Greenpeace e WWF

Palavras-chave: Imaginário, Poder Simbólico, Amazônia, Discurso, ONGs

Resumo

Este trabalho analisa os discursivos das ONGs Greenpeace e WWF utilizados para disseminar informações sobre a Amazônia no período entre 2010 e 2016. Durante o processo de análise discursiva de 39 textos diferentes, notou-se que os sentidos de Amazônia efetivam-se por meio de quatro categorias: “globalização econômica”, “poder simbólico”, “natureza imaginária” e “sociodiversidade artificial”. Os resultados da pesquisa apontam que as ONGs Transnacionais Ambientalistas Greenpeace e WWF, utilizando-se de vários recursos discursivos, buscam produzir imagens da Amazônia de acordo com as suas perspectivas de mundo e impor a aceitação globalizada dessa imagem como realidade.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jonas da Silva Gomes Junior, Universidade Federal do Amazonas

Doutor em Sociedade e Cultura na Amazônia, Mestre em Ciências da Comunicação e Graduado em Relações Públicas pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Professor do Curso de Relações Públicas da Faculdade de Informação e Comunicação (FIC) da Universidade Federal do Amazonas (UFAM). E-mail:  jonasjr@ufam.edu.br.

Referências

BATISTA, Djalma. O complexo da Amazônia: análise do processo de desenvolvimento. 2. Ed. Manaus: Editoria Valer, Edua e Inpa, 2007.

BENCHIMOL, Samuel. Amazônia: formação social e cultural. 3. Ed. Manaus: Editora Valer, 2009.

BENCHIMOL, Samuel. Amazônia: um pouco antes e além-depois. 2. Ed. Manaus: Editora da Universidade Federal do Amazonas, 2010.

BOURDIEU, Pierre.O Poder Simbólico. Lisboa, Difel, 1989.

BUENO, Magali Franco. O imaginário brasileiro sobre a Amazônia: uma leitura por meio dos discursos dos viajantes, do Estado, dos livros didáticos de Geografia e da mídia impressa. Dissertação defendida no Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Universidade de São Paulo, 2002.

FONSECA, Osório. Pensando a Amazônia. Manaus: Editora Valer, 2011.

GONÇALVES, Carlos Walter Porto. Amazônia, Amazônias. São Paulo: Contexto, 2001.

GREENPEACE (Brasil). Relatório Anual 2014. 2015. Disponível em: http://www.greenpeace.org/brasil/Global/brasil/documentos/2015/relatorio%20anual%202 014%20greenpeace.pdf>. Acesso em: 13 fev. 2016.

GREENPEACE (Brasil). A crise silenciosa da Amazônia. 2014. Disponível em: <http://www.greenpeace.org/brasil/pt/Documentos/a-crise-silenciosa-da-amazonia/>.Acesso em: 25 jun. 2016.

GREENPEACE (Brasil). Amazônia, sua linda! [201-]. Disponível em: <http://www.greenpeace.org/brasil/pt/Noticias/Amazonia-sua-linda/>. Acesso em: 10 maio 2016.

GREENPEACE (Brasil). Amazônia: fascínio e destruição. [201-]. Disponível em:

<http://www.greenpeace.org/brasil/pt/O-que-fazemos/Amazonia/>. Acesso em: 14 jun.

GREENPEACE (Brasil). Desmatamento zero é a esperança. [201-]. Disponível em:

<http://www.salveasflorestas.org.br/ >. Acesso em: 2 maio 2016.

GREENPEACE (Internacional). Amazon. [201-]. Disponível em: <http://www.greenpeace.org/international/en/campaigns/forests/amazon/>. Acesso em: 27 abr.2016.

LAPLANTINE, François; TRINDADE, Liana. O que é imaginário. São Paulo: Editora Brasiliense, 1997.

MAFFESOLI, Michel. Entrevista de Michel Maffesoli sobre o imaginário é uma realidade. Revista Famecos, v. 8, n. 15, p. 74-82, 2008.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise do Discurso: princípios e procedimentos.8.ed.São Paulo: Pontes, 2009.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Discurso, Imaginário Social e Conhecimento. Revista Em Aberto, Brasília, ano 14, n.61, jan./mar. 1994.

PÊCHEUX. M. A Análise do Discurso: três épocas. In: GADET, F e HAK, T (orgs.) Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Pêcheux. Campinas, Editora da UNICAMP, 1990.

PÊCHEUX. M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Editora da UNICAMP, 1995.

SCHWEICKARDT, Kátia Helena Serafina Cruz. A reinvenção da Amazônia a partir da invenção dos seringueiros. In: BASTOS, Élide Rugai; PINTO, Renan Freitas. Vozes da Amazônia II. Manaus: Editora Valer e Edua, 2014.

SILVA, Marilene Corrêa da. O Paiz do Amazonas. 3.ed. Manaus: Editora Valer, 2012.

SOUZA, Sérgio Augusto Freire de. Análise de discurso: procedimentos metodológicos. Manaus: Instituto Census, 2014.

SOUZA, Sérgio Augusto Freire de. Conhecendo Análise do Discurso: linguagem, sociedade e ideologia. Manaus: Editora Valer, 2006.

UGARTE, A. S. Margens míticas: a Amazônia no imaginário. In: PRIORE, Mary Del;

GOMES, Flávio Santos Gomes (Org.). Os senhores dos rios. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2003.

WWF (Brasil). Relatório Anual 2014. 2015. Disponível em:< http://www.wwf.org.br/informacoes/bliblioteca/relatorioanual/?45783/Relatrio-Anual-2014>. Acesso em: 13 de junho 2016.

WWF (Brasil). 5 de setembro: Dia da Amazônia. [201-]. Disponível em: < http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/areas_prioritarias/amazonia1/dia_da_amazonia/ > Acesso em: 02 maio 2016.

WWF (Brasil). Ainda dá para salvar a Amazônia? [201-]. Disponível em: <http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/areas_prioritarias/amazonia1/>. Acesso em: 22 set. 2016.

WWF (Brasil). Amazônia Brasileira: desafios para uma efetiva política de combate ao desmatamento. 2015. Disponível: < http://www.wwf.org.br/informacoes/bliblioteca/>. Acesso em: 13 jun.2016.

WWF (Brasil). Desenvolvimento Sustentável na Amazônia. [201-]. Disponível em: <http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/reducao_de_impactos2/amazonia/>. Acesso em: 13 jun. 2016.

WWF (Brasil). Hidrelétricas na Amazônia: é possível estabelecer um diálogo? 2013. Disponível: < http://www.wwf.org.br/informacoes/bliblioteca/>. Acesso em: 13 jun 2016.

WWF (Brasil). O que liga a floresta Amazônica, o aquecimento mundial e você? [201-]. Disponível em: <http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/areas_prioritarias/amazonia1/bioma_amazonia/porque_amazonia_e_importante/>. Acesso em: 13 jun 2016.

WWF (Brasil). O que o WWF-Brasil está fazendo pela Amazônia? [201-]. Disponível em: <http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/areas_prioritarias/amazonia1/nossas_solucoes_na_amazonia/>.Acesso em: 13 jun 2016.

WWF (Brasil). Por dentro da floresta amazônica. [201-]. Disponível em: <http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/areas_prioritarias/amazonia1/bioma_amazoni a/>. Acesso em: 27 maio 2016.

WWF (Brasil). Por que a Amazônia é importante? [201-]. Disponível em:<http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/areas_prioritarias/amazonia1/bioma_amaz onia/porque_amazonia_e_importante/>. Acesso em: 27 maio 2016.

WWF (Brasil). Uma visão de conservação para a bacia do Tapajós. Brasília, 2016. Disponível em: <http://www.wwf.org.br/informacoes/?uNewsID=51922>. Acesso em: 13 dez. 2016.

WWF (Brasil). Vida silvestre na Amazônia. [201-]. Disponível em: <http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/areas_prioritarias/amazonia1/bioma_amazoni a/especies_da_amazonia/>.Acesso em: 02 jul. 2016.

WWF (Brasil). WWF chama a atenção do mundo para conservação da Amazônia.

Disponível em: <http://www.wwf.org.br/informacoes/noticias_meio_ambiente_e_natureza/?47662/WWF-chama-a-ateno-do-mundo-para-conservao-da-Amaznia>. Acesso em: 02 jul.2016.

WWF (Brasil). WWF-Brasil na Amazônia: qualidade de vida e conservação da natureza. 2012. Disponível: < http://www.wwf.org.br/informacoes/bliblioteca/>. Acesso em: 13 jun. 2016.

Publicado
2018-08-01
Como Citar
GOMES JUNIOR, J. DA S. IMAGINÁRIOS, REPRESENTAÇÕES E AMAZÔNIA:análise da construção de sentidos nos discursivos das ONGs Greenpeace e WWF. Revista Observatório, v. 4, n. 5, p. 597-633, 1 ago. 2018.