O Impacto da não-implementação da educação escolar quilombola e a sua relação com as perdas dos saberes e práticas tradicionais

  • Thayná dos Santos Almeida
  • Ozeias de Almeida Santos
Palavras-chave: Educação Quilombola, Ensino médio, Saberes e Práticas Tradicionais

Resumo

O presente artigo visa trazer discussões sobre o impacto da não-implementação da Educação Escolar Quilombola e sua relação com as perdas dos saberes e práticas tradicionais, em interface com a realidade sociocultural do município de Antônio Cardoso-BA. Desse modo, foi apresentada uma breve abordagem da formação histórica de Antônio Cardoso e suas respectivas comunidades quilombolas, trazendo para a discussão a definição de quilombo, a fim de compreender o processo de construção social e político da Educação Quilombola e seu espaço de luta e vivência. Assim foi apresentada a Lei 10.639/2003, o Estatuto da Igualdade Racial, e as Políticas Educacionais referentes a Educação Quilombola. Ainda foram apresentadas a realidade do Colégio Estadual Antônio Carlos Magalhães, localizado no município de Antônio Cardoso-BA. Por fim apresentamos os saberes e práticas tradicionais das comunidades quilombolas. Desse modo o estudo aqui apresentado é fruto de análises e observações realizadas em pesquisas de campo anteriores realizadas nas comunidades e na escola, enquanto estudantes da unidade escolar e moradores de uma das comunidades quilombolas. O levantamento bibliográfico foi realizado através de entrevistas e conversas com os sujeitos da pesquisa, neste caso, os alunos. Constatou-se, portanto, por meio da coleta e análise dos dados, a real necessidade de um diálogo sobre a importância da implementação de um currículo voltado para a Educação Quilombola que possa contribuir para que a escola seja o espaço de pertencimento dos estudantes, a fim de que valorizem suas identidades.

Referências

ALMEIDA, T. S. Avaliação do conhecimento etnobotânico sobre plantas medicinais na percepção dos alunos quilombolas. SEC/BA: Salvador, 2015
BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Quilombola. Parecer CNE/CEB nº 16 de 2012. Resolução nº 08, de 20 de novembro de 2012.
BRASIL. MEC. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: outubro de 2009.
BRASIL. Decreto nº 4887, de 20 de novembro de 2003. Regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos. Brasília: 2004.
BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Brasília: Conselho Nacional de Educação. Brasília: 2010.
BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei 8.069/90, de 13 de julho de 1990.
BRASIL. Lei 9394/96. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.
BRASIL. Lei nº 10.639, de 09 de janeiro de 2003. Diário Oficial da União de 10 de janeiro de 2003.
CAMPOS, L. R. Educação Escolar Quilombola e o currículo escolar histórico-cultural: olhares sobre as práticas educativas de um quilombo em São Miguel (PA); Belém, 2002.
GUSTIN, M. B. S.; DIAS, M. T. F. (Re) pensando pesquisa jurídica. Belo Horizonte: Del Rey, 2002.
HALL, S. Quem precisa da identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da.(org.) Identidade e diferença. A perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000
MOSCOVICI, On Social Representation. In: FORGAS, J. P. Social Cognition: perspectives on everyday understanding. Londres: Academics Press, 1981.
NETO, C. S; SOARES, E; COQUEIRO, E. Do quilombo à escola: ancestralidade e práticas pedagógicas. Curitiba: 2007
PEREIRA, B. S; ALMEIDA, T. S. O Fortalecimento da Identidade Negra e Quilombola em Antônio Cardoso. Salvador: SEC/BA, 2015. SANTOS, O.A. “A Produção do espaço rural no Estado da Bahia: uma leitura da concentração fundiária de comunidades quilombolas do município de Antônio Cardoso”. Anais XVI Encontro Nacional dos Geógrafos. Crise, Práxis e Autonomia: Espaços de Resistência e de Esforços. Espaço de Diálogos e Práticas. Porto Alegre: ENG, julho/2010.
SILVA, V. S. Rio das Rãs e Mangal: Feitiçaria e poder em territórios quilombolas do Médio São Francisco. Salvador, 2010. Tese (Doutorado) Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas.
SOARES, E. L. R. As vinte e uma faces de Exu na filosofia afrodescendente da educação: imagens, discursos e narrativas. Fortaleza, 2008. Tese (Doutorado) Universidade Federal do Ceará.
SODRÉ, M. Claros e Escuros – identidade, povo e mídia no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2000. SOUZA, S. P. Educação Escolar Quilombola: as pedagogias quilombolas na construção curricular. Salvador, 2015
Publicado
2018-08-01