Propuesta de marco teórico para estudiar los RPST (II) Segunda Parte: Nuevos enfoques a partir del proceso de trabajo

Resumo

O conteúdo deste artigo busca evidenciar as contribuições de diversas ciências sociais que contribuíram para a conformação da teoria sobre riscos psicossociais no trabalho: a Ergonomia, a Psicologia do Trabalho, a Psicopatologia e Psicodinâmica do Trabalho, a dinâmica do processo de trabalho em relação à saúde e o conceito de risco, para afirmar que o trabalho não é patogênico. Em uma segunda parte, revisamos as diversas definições que têm sido construídas acerca dos Riscos Psicossociais no Trabalho (RPST) e que deram origem aos seis fatores de risco propostos por Michel Gollac e seus colegas.

Biografia do Autor

Julio César Neffa, CONICET (Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas)

Investigador Superior del CONICET (Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas). Profesor en UNLP, UBA, UNNE y UNM

Publicado
2019-02-08
Seção
Artigos Teóricos e Empíricos