Impactos na saúde dos operadores em turnos de revezamento em uma empresa estatal

Resumo

Este artigo apresenta parte dos resultados de um estudo empírico que teve por objetivo investigar os impactos do trabalho em regime de turnos de revezamento. Trata-se de uma pesquisa de caráter descritivo exploratório, embasado teórica e metodologicamente na abordagem da Psicodinâmica do Trabalho, realizado com um grupo de 12 trabalhadores de uma empresa estatal de energia elétrica ocupantes do cargo “operador de subestação e usinas hidrelétricas”, que desempenham atividades em turnos de revezamento. Para a coleta de dados da pesquisa, foram desenvolvidas três sessões de discussão coletiva e um encontro para validação da pesquisa. Os dados foram examinados por meio da análise Clínica do Trabalho. Com base nos resultados, foi possível constatar a respeito do trabalho em turnos, aliado à rotina rígida e burocrática dos trabalhadores estudados, a ocorrência de sofrimento por eles vivenciado, manifesto na dificuldade em conciliar trabalho e vida sociofamiliar; na sobrecarga doméstica; na dificuldade em se desligar do trabalho e nos riscos a que estão expostos pela profissão. Constatou-se, que o turno que mais impacta a saúde desses trabalhadores é o noturno, causando prejuízos evidenciados pelos sintomas de irritabilidade, desânimo, alterações de humor, dores de cabeça e cansaço, o que ocasiona em alguns estresse e depressão.

Biografia do Autor

Anna Flávia Ferreira Borges, Pontifícia Universidade Católica de Goiás

Assistente Social, Mestre em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás – PUC Goiás, na linha Psicologia Social do Trabalho e das Organizações. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Psicodinâmica do Trabalho da PUC Goiás.

Kátia Barbosa Macêdo, Pontifícia Universidade Católica de Goiás – PUC

Psicóloga e psicanalista formada pela IPA International psychoanalitic Association, Pós Doutora pela UNICAMP. Professora Titular do Programa Stricto Sensu de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de Goiás – PUC e coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Psicodinâmica do Trabalho da PUC Goiás.

Simone Maria Moura Mesquita, Instituto Federal de Goiás – IFG.

Administradora, Doutora em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás – PUC Goiás. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Psicodinâmica do Trabalho da PUC Goiás e Professora do Instituto Federal de Goiás – IFG.

Publicado
2019-06-13
Seção
Artigos Teóricos e Empíricos