COMPORTAMENTO ESTEREOTIPADO NO TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA

ALGUNS COMENTÁRIOS A PARTIR DA PRÁTICA AVALIATIVA

  • Antonio Luiz da Silva FUNAD - Fundação Centro Integrado de Apoio ao Portador de Deficiência - Secretaria de Saúde do Estado da Paraíba

Resumo

Mesmo que não prescinda das inúmeras escalas de rastreamento, o diagnóstico para a condição TEA é eminentemente clínico. Desde o aparecimento desse transtorno na literatura especializada, três componentes têm se afirmado essenciais à sua confirmação. Todos os sujeitos TEA, em maior ou menor medida, apresentam prejuízos na interação social, na comunicação funcional, além de padrões restritivos e repetitivos em seu comportamento. Neste trabalho, centrarei minha atenção apenas nos comportamentos restritivos e repetitivos, entendendo-os como comportamentos estereotipados no TEA. Com inúmeros casos de minha prática profissional, argumentarei que o ato estereotipado, caracterizado pela repetição, pelo exacerbamento, pela rigidez, contém alterações motoras, sensoriais, comportamentais e cognitivas. Defendo que é preciso prestar atenção ao comportamento estereotipado, dada a importância que ele representa para o diagnóstico em TEA.

Publicado
2020-03-24
Como Citar
Silva, A. L. da. (2020). COMPORTAMENTO ESTEREOTIPADO NO TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA. DESAFIOS - Revista Interdisciplinar Da Universidade Federal Do Tocantins, 7(1), 96-108. https://doi.org/10.20873/uftv7-7764
Seção
Artigos