“Garotas! Garotas! Garotas!”: a representação do feminino em Como falar com garotas em festas de Neil Gaiman

  • Márcia Tavares Chico Universidade Federal de Pelotas
Palavras-chave: representação do feminino

Resumo

As histórias em quadrinhos vem ganhando grande espaço nas discussões acadêmicas das últimas décadas. Análises dos mais variados assuntos são conduzidas, dentre elas, a análise da representação do feminino dentro do meio. O meio das histórias em quadrinhos ainda é visto como um meio masculino, no qual escritores homens escrevem tendo um público masculino em mente. Assim, o feminino é, em muitos casos, relegado a papéis secundários, sendo representadas apenas por estereótipos, como o da donzela indefesa, a vilã que tenta seduzir o mocinho, a mãe, aquela que morre para que a história do herói se desenvolva. O presente artigo procura analisar a utilização de estereótipos de gênero na criação da narrativa de Como falar com garotas em festas (2017) e como esses estereótipos criam a noção de feminino que é apresentada na história. Para tal, utiliza-se teorias advindas dos estudos de gênero, principalmente a noção de performatividade e, por se tratar de uma história em quadrinho, tanto a parte visual quanto a parte escrita serão analisadas.

 

Referências

BUTLER, Judith. Bodies that matter: on the discursive limits of ‘sex’. Nova York: Routledge, 1993.

BUTLER, Judith. Performative acts and gender constitution: an essay in phenomenology and feminist theory. Theatre Journal, n. 4, 1988. p. 519-531.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 7. ed. Tradução Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

EISNER, Will. Narrativas gráficas. Tradução Leandro Luigi Del Manto. São Paulo, Devir: 2005.

GAIMAN, Neil. Como falar com garotas em festas. Adaptação e tradução de Fábio Moon e Gabriel Bá. São Paulo: Quadrinhos na Cia, 2017.

GARCÍA, Santiago. A novela gráfica. Tradução Magda Lopes. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

HUTCHEON, Linda. A theory of adaptation. Nova York: Routledge, 2006.

McCLOUD, Scott. Reinventando os quadrinhos: como a imaginação e a tecnologia vem revolucionando essa forma de arte. Tradução Roger Maioli. São Paulo: M. Books do Brasil Editora Ltda., 2006.

MELLETTE, Justin. Agency through fragmentation? The problem of Delirium in The Sandman. In: PRESCOTT, Tara; DRUCKER, Aaron (org.). Feminism in the worlds of Neil Gaiman: essays on the comics, poetry and prose. Carolina do Norte: McFarland & Company, 2012. p. 47-63.

RAMOS, Paulo. A leitura dos quadrinhos. São Paulo: Contexto, 2014.

SIQUEIRA, Denise; VIEIRA, Marcos. De comportadas a sedutoras: representações da mulher nos quadrinhos. Comunicação, mídia e consumo. São Paulo, vol. 5, n 1 3, jul./2008. p. 179 - 197.
y
WAGNER, Hank; GOLDEN, Christopher; BISSETTE, Stephen R. Os vários mundos de Neil Gaiman. Tradução Santiago Nazarian. São Paulo: Geração Editorial, 2011. 743 p.
Publicado
2018-01-28
Como Citar
Chico, M. T. (2018). “Garotas! Garotas! Garotas!”: a representação do feminino em Como falar com garotas em festas de Neil Gaiman. Porto Das Letras, 3(2), 85 - 95. Recuperado de https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/4671