A Colocação Pronominal em Locuções Verbais: entre a Norma Predicada e a Praticada

Autores

  • Ana Teixeira UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ https://orcid.org/0000-0001-9180-8205
  • Marcelo Alessandro Limeira dos Anjos Universidade Federal do Piauí (UFPI)

DOI:

https://doi.org/10.20873.239217

Resumo

O objetivo geral deste texto é o de comparar regras predicadas sobre colocação pronominal em locuções verbais em gramáticas normativas com os usos efetivamente praticados em textos escritos cultos dos primeiros quinze anos do século XXI. No âmbito do predicado, compulsa-se as gramáticas normativas de Rocha Lima (2012 [1957]), Bechara (2009 [1961]), Cunha e Cintra (2008 [1985]), Luft (2002 [1976]), Melo (1978 [1967]) e Said Ali (1969 [1924]). No âmbito do praticado, trabalha-se com textos jornalísticos (editoriais da Folha de S. Paulo e do O Estado de S. Paulo), textos literários (contos e crônicas), textos científicos (capítulos de livros e artigos publicados em periódicos), textos religiosos (livros e artigos em meio digital ou em folhetos litúrgicos católicos) e textos jurídicos (códigos e leis), publicados nos quinze primeiros anos do século XXI. No cotejo entre o predicado e o praticado, de modo geral, há concordância entre as prescrições gramaticais e os usos dos brasileiros na escrita monitorada. Todavia, é notório comentar que os instrumentos linguísticos analisados, à exceção de Luft (2002 [1976]), podem repensar e trazer como regras básicas, e não como notas de rodapé ou observações ou em tópico à parte, as formas efetivamente realizadas pelos brasileiros, como é o caso da colocação intra-LVC sem hífen (V1clV2). Com a realização do presente artigo, verifica-se a necessidade de o assunto de colocação pronominal em locuções verbais ser repensado e atualizado nas gramáticas normativas, no sentido de abarcar como regras básicas as realizações efetivamente em uso pelos brasileiros, particularmente em contextos monitorados.

Biografia do Autor

Ana Teixeira, UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ

Doutoranda em Letras pela Universidade Federal do Piauí-UFPI (2021-2024). E-mail: carolmoura@ufpi.edu.br.

Marcelo Alessandro Limeira dos Anjos, Universidade Federal do Piauí (UFPI)

Possui graduação em Letras-Português pela Universidade Federal do Piauí (2004); Mestrado em Letras também pela Universidade Federal do Piauí (2006); Doutorado em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Minas Gerais (2012) e Pós-doutorado pela Universidade Federal do Paraná (2018). Atualmente é professor associado-nível II, na UFPI. Atua, na graduação, com as seguintes disciplinas: Língua e Cultura Latina; Formação Histórica da Língua Portuguesa; Introdução à Historiografia Linguística e Gramaticologia da Língua Portuguesa. Na pós-graduação, atua com as disciplinas: Teorias Linguísticas e Historiografia Linguística.

Referências

Fontes primárias

BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. 37. ed. rev. ampl. e atual. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009 [1961].

CUNHA, Celso; CINTRA, Lindley. Nova Gramática do Português Contemporâneo. 5. ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2008 [1985].

LUFT, Celso Pedro. Moderna Gramática Brasileira. 2. ed. São Paulo: Globo, 2002 [1976].

MELO, Gladstone Chaves de. Gramática Fundamental da Língua Portuguesa: de acordo com a nomenclatura gramatical brasileira. 3. ed. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1978 [1967].

ROCHA LIMA, Carlos Henrique da. Gramática Normativa da Língua Portuguesa. 50. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2012 [1957].

SAID ALI, Manuel. Gramática Secundária da Língua Portuguesa: revista e comentada de acordo com a nomenclatura gramatical brasileira por Evanildo Bechara. 8. ed. São Paulo: Melhoramento, 1969 [1924].

Fontes secundárias

ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. Evanildo Bechara: biografia. 2016a (atualizado em 7 mar. 2016). Disponível em: http://www.academia.org.br/academicos/evanildo-bechara/biografia. Acesso em: 29 jun. 2023.

ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. Celso Ferreira da Cunha: biografia. 2016b (atualizado em 13 out. 2016). Disponível em: http://www.academia.org.br/academicos/celso-ferreira-da-cunha/biografia. Acesso em: 29 jun. 2023.

AUROUX, Sylvain. A revolução tecnológica da gramatização. Tradução Eni Puccinelli Orlandi. 3. ed. Campinas, SP: UNICAMP, 2014 [1992].

BAGNO, Marcos. Não é errado falar assim! Em defesa do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2009.

BAGNO, Marcos. Preconceito linguístico. 56. ed. São Paulo: Parábola, 2015.

BARBOSA, Afranio Gonçalves. Variação linguística no curso de Letras: práticas de ensino. In: ZILLES, Ana Maria Stahl; FARACO, Carlos Alberto (org.). Pedagogia da variação linguística: língua, diversidade e ensino. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

BECHARA, Evanildo. M. Said Ali e sua contribuição para a filologia portuguesa. Instituto de Educação do Estado da Guanabara: Rio de Janeiro, 1962. (Tese de concurso). Disponível em: http://www.filologia.org.br/textos/bechara1962-a.pdf. Acesso em: 29 jun. 2023.

BIAZOLLI, Caroline Carnielli. Clíticos pronominais no português de São Paulo: 1880 a 1920 – uma análise sócio-histórico-linguística. 2010. 230f. Dissertação (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista ‘Júlio de Mesquita Filho’, Campus de Araraquara, Araraquara, São Paulo, 2010. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/93992. Acesso em: 12 jul. 2023.

BIAZOLLI, Caroline Carnielli. Retratos da variação na posição dos clíticos pronominais em complexos verbais no português paulista (1880 a 1920). Sociodialeto: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 1, n. 6, p. 1-20, fev. 2012.

CALVET, Louis-Jean. Sociolinguística: uma introdução crítica. Tradução Marcos Marcionilo. 2. ed. São Paulo: Parábola, 2002.

CASTRO, Ivo. Lindley Cintra. Bibliografia elaborada pelo Centro de Linguística da Universidade de Lisboa - CLUL-INIC. Camões – Instituto da cooperação, c2016. Disponível em: https://www.instituto-camoes.pt/activity/centro-virtual/bases-tematicas/figuras-da-cultura-portuguesa/lindley-cintra. Acesso em: 29 jun. 2023.

CAVALCANTE, Sílvia Regina de Oliveira; DUARTE, Maria Eugênia Lamoglia; PAGOTTO, Emílio Gozze. Clíticos no século 19: uma questão de posição social? In: CALLOU, Dinah; BARBOSA, Afranio (org). A Norma Brasileira em construção: cartas a Rui Barbosa (1866 a 1899). Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa/UFRJ, 2011, p. 167-217.

CLEMENTE, Elvo. Filólogo Celso Pedro Luft de Manuel Said Ali à Moderna Gramática Brasileira. Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos (CiFEFiL). Cadernos do CNLF, v. IX, n. 3, 2005. Disponível em: <http://www.filologia.org.br/ixcnlf/3/06.htm> Acesso em: 29 jun. 2023.

COSTA, Jacqueline Calisto. A ordem dos clíticos em complexos verbais: uma

análise sociolinguística de cartas mineiras. 2014. 48f. Trabalho de Conclusão de

Curso (Bacharelado em Letras – Habilitação em Português/Estudos Linguísticos) –

Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

DUARTE, Maria Eugênia Lamoglia; PAGOTTO, Emílio Gozze. Gênero e norma:

avós e netos, classes e clíticos no final do século XIX. In: Lopes, Célia Regina dos

Santos (org.) A norma brasileira em construção: fatos lingüísticos em cartas

pessoais do século 19. 1. ed. Rio de Janeiro: In-Fólio, 2005. cap. 3. p. 67-82.

FARACO, Carlos Alberto. Norma culta brasileira: desatando alguns nós. São Paulo: Parábola, 2008.

FARACO, Carlos Alberto. Norma culta brasileira: construção e ensino. In: ZILLES, Ana Maria Stahl; FARACO, Carlos Alberto (org.). Pedagogia da variação linguística: língua, diversidade e ensino. São Paulo: Parábola, 2015, p. 19-30.

FARACO, Carlos Alberto. História sociopolítica da Língua Portuguesa. São Paulo: Parábola, 2016.

GUIMARÃES, Eduardo. História da semântica: sujeito, sentido e gramática no Brasil. Campinas, SP: Pontes, 2004.

HACKEROTT, Maria Mercedes Saraiva. Said Ali e a acentuação: primórdios da Linguística no Brasil. Estudos de Lingüística Galega, v. 3, p. 51-64, jun. 2011. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=305626393010. Acesso em: 1 jul. 2023.

ILARI, Rodolfo; BASSO, Renato. O português da gente: a língua que estudamos a língua que falamos. 2. ed. 3. reim. São Paulo: Contexto, 2014.

LEITE, Marli Quadros. A gramatização da colocação dos pronomes átonos em gramáticas portuguesas e brasileiras. Todas as Letras, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 127-140, 2013. Disponível em: https://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/tl/article/view/5617/4507. Acesso em: 12 jul. 2023.

LUCCHESI, Dante; LOBO, Tânia Conceição Freire. Gramática e Ideologia. Sitientibus, Feira de Santana, v. 8, p. 73-81, 1988. Disponível em: https://www.prohpor.org/_files/ugd/c8e334_c7dfe144d501417ba698dbd17608b00b.pdf. Acesso em: 12 jul. 2023.

MARTINS, Marco Antonio. Competição de gramáticas do português na escrita catarinense dos séculos 19 e 20. 2009. 326f. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009. Disponível em:

https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/92725/264310.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 13 jul. 2023.

MARTINS, Marco Antonio. Clíticos em complexos verbais em português. Veredas: revista de Estudos Linguísticos da Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, v. 14, n. 1, p. 88-104, 2010.

MENDES, Leila Cristina. As figuras de linguagem na Gramática secundária de Said Ali e na Moderna gramática portuguesa de Evanildo Bechara: um estudo descritivo-analítico. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: https://repositorio.pucsp.br/jspui/handle/handle/14185. Acesso em: 1 jul. 2023.

NUNES, Carla da Silva. Um estudo sociolinguístico sobre a ordem dos clíticos em complexos verbais no PB e no PE. 2009. 256f. Dissertação (Mestrado em Letras Vernáculas - Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

NUNES, Carla da Silva. A ordenação do clítico “se” em complexos verbais nas produções escritas do Brasil e de Portugal nos séculos XIX e XX segundo a perspectiva sociolinguística. 2014. Tese (Doutorado em Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

ORLANDI, Eni de Lourdes Puccinelli. A língua brasileira. Ciência e Cultura, v. 57, n. 2, p. 29-30, 2005. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/pdf/cic/v57n2/a16v57n2.pdf. Acesso em: 29 jun. 2023.

PAGOTTO, Emílio Gozze. A posição dos clíticos em Português: um estudo diacrônico. 1992. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1992. Disponível em: https://repositorio.unicamp.br/acervo/detalhe/46498. Acesso em: 12 jul. 2023.

PAGOTTO, Emílio Gozze. Norma e condescendência: ciência e pureza. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, v. 1, n. 2, p. 49-68, 1998. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8663583. Acesso em: 12 jul. 2023.

PENHA, João Alves Pereira. Gladstone Chaves de Melo 1917-2001. Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos (CiFEFiL). Cadernos do CNLF, série VII, n. 5, 2003. Disponível em: http://www.filologia.org.br/viicnlf/anais/caderno05-03.html. Acesso em: 29 jun. 2023.

PETERSON, Márcia Saldanha; VIEIRA, Sílvia Rodrigues. A ordem dos clíticos pronominais em complexos verbais: as normas de uso em cartas de leitor. Fórum Linguístico, Florianópolis, v. 9, n. 1, p. 57-67, jan./mar. 2012. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/forum/article/view/1984-8412.2012v9n1p57/22553. Acesso em: 12 jul. 2023.

SANTOS, Daniely Cassimiro de Oliveira. Do predicado ao praticado na constituição da norma brasileira [1870-1929]: a colocação pronominal. 2015. 370f. Tese (Doutorado em Letras Vernáculas - Língua Portuguesa) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Faculdade de Letras, Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=3255055. Acesso em: 12 jul. 2023.

SANTOS, Daniely Cassimiro de Oliveira; VIEIRA, Silvia Rodrigues. Língua, literatura e a identidade da norma: o caso da colocação pronominal. Ciências humanas e sociais em revista, Rio de Janeiro: EDUR/UFRRJ, v. 33, n. 1, p. 11-29, jan./jun. 2011.

SCHEI, A. A colocação pronominal na literatura brasileira do século XIX. Filologia e Linguística Portuguesa, [S. l.], n. 5, p. 57-84, 2002. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/flp/article/view/59700. Acesso em: 12 jul. 2023.

SCHEI, Ane. A colocação pronominal do português brasileiro: a língua literária contemporânea. São Paulo: Humanitas FFLCH/USP, 2003.

SCHEI, Ane. A colocação pronominal do século XIX: a língua literária brasileira. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010.

SILVA, Maximiano de Carvalho e. Fontes para o estudo da vida e obra de Manuel Said Ali. Confluência. Rio de Janeiro: Liceu Literário Português, n. 5, p. 48-59, jan./jun. 1993. Disponível em: https://confluencia.emnuvens.com.br/rc/article/view/740/502. Acesso em: 29 jun. 2023.

TARALLO, Fernando. A pesquisa sociolinguística. São Paulo: Ática, 1994.

TEYSSIER, Paul. História da Língua Portuguesa. Tradução Celso Cunha. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

VIEIRA, Sílvia Rodrigues. Colocação pronominal nas variedades europeia, brasileira e moçambicana: para a definição da natureza do clítico em Português. 2002. 441f. Tese (Doutorado em Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2002.

VIEIRA, Sílvia Rodrigues. Análise de variedades do Português: a ordem dos clíticos em

complexos verbais. In: Anais do III Congresso Internacional da ABRALIN. Rio de Janeiro: UFRJ, 2003. p. 221-229. Disponível em: https://catedraportugues.uem.mz/storage/app/media/bibliografia/silviarvabralin2003b.pdf. Acesso em: 12 jul. 2023.

Downloads

Publicado

2023-11-20

Como Citar

Teixeira, A., & Anjos, M. A. L. dos. (2023). A Colocação Pronominal em Locuções Verbais: entre a Norma Predicada e a Praticada . Porto Das Letras, 9(2), 429–457. https://doi.org/10.20873.239217

Edição

Seção

Instrumentos Linguísticos