VALIDAÇÃO DE VÍDEO LÚDICO: educação em saúde de idosos hipertensos para a promoção do uso correto e seguro de medicamentos e conhecimento sobre sua doença

  • CAROLINA GALGANE LAGE MIRANDA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS https://orcid.org/0000-0002-2003-4342
  • LAMARTINE SOARES-SOBRINHO Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
  • Mauro Silveira Castro Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS
Palavras-chave: Hipertensão, Idosos, Vídeo, Educação em Saúde

Resumo

A utilização do vídeo “Uma história ImPRESSÃOnante”  como ferramenta de educação em saúde para idosos hipertensos, a fim de determinar o ganho de conhecimento entre grupo controle (recebeu palestra tradicional) e grupo intervenção (assistiu ao vídeo). O vídeo produzido teve o objetivo de desenvolver o uso correto e seguro de medicamentos e promover o conhecimento sobre hipertensão e práticas não farmacológicas para tratamento da doença. Métodos: Foi realizado um quase-experimento para avaliação do ganho de conhecimento significativo antes e depois da palestra ou vídeo. A análise dos resultados realizou-se com o teste de normalidade Shapiro-Wilks e ANOVA para ambos os grupos: Controle (N=16) e Intervenção (N=17) e internamente no mesmo grupo. Cada grupo contou com idosos pertencentes ao grupo HiperDia dos Centro de Saúde da Comunidade (CSC) municipais, sorteados aleatoriamente, pertencente a cidade de Palmas, capital do Tocantins. Resultados: Os valores da diferença de médias encontrado para o Grupo Controle e o Grupo intervenção antes e depois da aplicação da palestra ou vídeo, foi significativa  para intervalo de confiança de 95%. Indicando que as médias encontradas no pré e pós teste dentro do mesmo grupo (p=0,00), bem como a diferença entre as médias encontradas entre os grupo (p=0,001) foi estatisticamente significativa. O teste ANOVA comparou o ganho de conhecimento entre os grupos Controle (p=0,019) e intervenção (p=0,000). O grupo Intervenção teve maior ganho de conhecimento (0,8 pontos na média) que no Grupo Controle  (0,2 pontos). Conclusão: Os resultados encontrados levam a conclusão de que o vídeo é uma ferramenta que promove ganho de conhecimento em comparação à metodologia padrão de transferência de conhecimento (palestra).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

CAROLINA GALGANE LAGE MIRANDA, UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS

Graduada em Farmácia pela Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG (2004), com habilitação em Farmácia Industrial, pela UFMG (2005). Doutora em Inovação Terapêutica da Universidade Federal de Pernambuco - UFPE, na linha de pesquisa: Desenvolvimento Tecnológico de Medicamentos, com a pesquisa: "Arte na Educação em Saúde: Ensino e Aprendizagem para Transformar relações". Mestre em Inovação Terapêutica - PPGIT/UFPE, na linha de pesquisa: Região, Território e Inovação em Saúde. Com a pesquisa: "Atenção farmacêutica: considerações para a Política Nacional a partir da cidade de Palmas". Tem experiência na área de Políticas de Saúde, com ênfase em Educação em Saúde, Educação Popular em Saúde, Saúde Coletiva, Assistência Farmacêutica, Atenção Farmacêutica. Pós-Graduada em dança pela Universidade Federal da Bahia - UFBA, desenvolveu sua pesquisa sobre o Processo de Criação do espetáculo "Breu" do Grupo Corpo, e a Teoria Geral dos Sistemas Complexos de Bungue. Contemplada com os Prêmios da Fundação Nacional de Artes: Prêmio Klauss Vianna de Dança; Prêmio Funarte Artes de Rua; e o Prêmio Myriam Munis de Teatro. Sendo uma das fundadoras da Companhia Lamira Artes Cênicas, no qual já recebeu inúmeras Premiações e Editais Culturais Nacionais, Instituições Particulares e Bancárias.

Mauro Silveira Castro, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

Graduação em Curso de Farmácia. (UFRGS). Graduação em Ênfase Em Bioquímica. (UFRGS). Mestrado profissional em Máster Universitario En Atención Farmacéutica. Universidad de Granada. Mestrado em Farmacologia. (UFCSDoutorado em Medicina: Ciências Médicas (UFRGS). Professor na  Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. Email: decastro.mauro@gmail.com.

Referências

HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. Perspectiva: São Paulo, 1999.

COUTO, Y. A. A Arte, O Jogo, A Dança e a Brincadeira: dos primórdios lúdicos aos processos de civilização e cultura. Poésis Pedagógica, Catalão, GO, v. 11, nº 1, 2013, 38-53p.

ARAÚJO, T. C. C. F., GUIMARÃES, T. B. Interações entre voluntários e usuários em oncologia hematologia pediátrica: um estudo sobre os “palhaços doutores”. Estudo e Pesquisas em Psicologia. UERJ: RJ, ano 9, n. 3, p. 632-647, 2009.

MOTTA, A. B., ENUMO, S. R. F. Brincar no Hospital: Câncer Infantil e Avaliação do Enfrentamento da Hospitalização. Psicologia, Saúde & Doenças. v. 3, n. 1, 2002. 23-41p.

OLIVEIRA, R. R., OLIVEIRA, I. C. S. Os Doutores da Alegria na Unidade de Internação Pediátrica: experiências da equipe de enfermagem. Escola Anna Nery Rav Enfermagem. Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, 2008. 230-236p.

OLIVEIRA, V. B. O Brincar e a Saúde: dez anos de Produção Científica. Bol. Acad. Paulista de Psicologia. Academia Paulista de Psicologia: São Paulo, v. 32, n. 83, 2012. 274-289P.

MASETTI, M. Doutores da ética da alegria. Interface – Comunicação, Saúde, Educação. v. 9, n. 17, p. 453-458, 2005.

DANTAS, V. L.A. Narrativas de cuidados em Saúde pelos Caminhos da Artes. In: Vivência da Educação Popular na Atenção Primária à Saúde: A REALIDADE E A UTOPIA. MANO, M. A. M.; PRADO, E. E. (org.). São Carlos: Editora EdUSFCar, 2010. 39-54 p.

FREIRE, P. R. Pedagogia do Oprimido. 21ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

____________. Extensão ou comunicação? 11ª edição. Paz e Terra, São Paulo, 1977. 93 p.

VASCONCELOS, E. M. Redefinindo as práticas de Saúde a partir de experiências de Educação Popular nos serviços de saúde. Interface - Comunic, Saúde, Educ. n. 8, 2001.

JOVENTINO, E.S. Elaboração e Validação de vídeo para promoção da autoeficácia materna na prevenção da diarreia infantil. Orientador: Lorena Barbosa Ximenes. Fortaleza: UFC, 2013, 186p. Tese. (Doutorado em Enfermagem)

MORAN, J. M. O Vídeo na sala de aula. Comun. Educ., n.2, p. 27-35, 1995.

GOMES, L. F. Vídeos didáticos: uma proposta de critérios para análise. Rev. Bras. Est. Pedag., v.89, n.23, p.477-492, 2008.

BOSI, A. Fenomenologia do olhar. In: NOVAES, A. (Org.). O olhar. São Paulo: Companhia das Letras, 1993. P.65-87.

Publicado
2019-10-01
Como Citar
MIRANDA, C. G. L.; SOARES-SOBRINHO, J. L.; CASTRO, M. S. VALIDAÇÃO DE VÍDEO LÚDICO: educação em saúde de idosos hipertensos para a promoção do uso correto e seguro de medicamentos e conhecimento sobre sua doença. Revista Observatório, v. 5, n. 6, p. 821-833, 1 out. 2019.