PROMOVENDO A LITERACIA MIDIÁTICA E INFORMACIONAL NO CONTEXTO EMERGENTE DA DESINFORMAÇÃO: PROPOSTA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL

  • Mariana Pícaro Cerigatto Universidade Tiradentes
Palavras-chave: literacia da informação; educação para a mídia; literacia digital; currículo.

Resumo

A literacia informacional é uma área que sempre se preocupou com a credibilidade da informação, e hoje tem ganhado cada vez mais relevância. Partindo deste contexto, o artigo apresenta pesquisas que buscam articular a literacia informacional à literacia midiática. Com o apoio de currículos emergentes, como o proposto pela Unesco, se apresentam abordagens pedagógicas para o Ensino Fundamental, no bojo das diretrizes da Base Nacional Curricular Comum (BNCC). Mostra-se como é possível articular as habilidades mais comuns dos dois campos de literacia, e relacioná-los em trabalhos aplicados. A proposta pode ser um caminho para o desenvolvimento da autonomia frente ao ambiente de desinformação contemporâneo e o engajamento responsável na nova esfera digital, que exige a formação de leitores críticos e produtores éticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Agência Folhapress. (2020). Mortes por coronavírus passam de 31 mil no mundo. . São Paulo: O Globo. Recuperado em 30 março, 2020, de https://oglobo.globo.com/mundo/mortes-por-coronavirus-passam-de-31-mil-no-mundo-24336548.

American Library Association (ALA) (1989). Report of the Presidential Committee on information literacy: Final Report. Chicago, 1989. Recuperado em 15 março, 2014, de <http://www.ala.org/acrl/nili/ilit1st.html>.

Aranha, C.. (2020). Fake news sobre coronavírus leva 44 pessoas à morte no Irã.) São Paulo: Exame. Recuperado em 14 março, 2020, de https://exame.com/mundo/fake-news-sobre-coronavirus-leva-44-pessoas-a-morte-no-ira/.

Behrens, S. J. (1994) A conceptual analysis and historical overview of information literacy. College & Research Libraries, 55 (4), 309-323.

Borges, J. & Oliveira, Lídia. (2011) Competências infocomunicacionais em ambientes digitais. Observatorio (OBS*) Journal (Portugal), 5,(4), 291-326.

Brasil. (2017). Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Recuperado em 14 março, 2020, de http://basenacionalcomum.mec.gov.br/.

Buckingham, D. (2008). Defining digital literacy: what do young people need to know about digital media? In C. Lankshear & M. Knobel (Eds.), Digital literacies. New York: Peter Lang.

Buckingham, D. (2019). The Media Education Manifesto. Cambridge: Polity Press.

Campello, B. S. & Caldeira, P. da T (2005). Introdução às fontes de informação. Belo Horizonte: Autêntica.

Darnton, R. (2017). A verdadeira história das notícias falsas. El País. Recuperado em 20 março, 2020, de: https://brasil.elpais.com/brasil/2017/04/28/cultura/1493389536_863123.html.

Delmazo, C. & Valente, J. C..L. (2018). Fake news en las redes sociales online: propagación y reacciones a la desinformación en la búsqueda por clics. Media & Jornalismo [online], 18 (32), 155-169. Recuperado em 20 março, 2020, de http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S2183-54622018000100012&lng=pt&nrm=iso&tlng=es.

Dudziak, E. A. (2003). Information literacy: princípios, filosofia e prática. Ciência da Informação, 32, (1), 23-35.

Dudziak, E. A. (2011). Em busca da pedagogia da emancipação na educação para a competência em informação sustentável. Rev. Dig. Bibl. Ci. Inf. (Campinas), 9, (1), 166-183.

Elmborg, J. (2012). Critical information literacy: Definitions and challenges. In: Wilkinson, C. W., Bruch, C. (orgs). Transforming information literacy programs: Intersecting frontiers of self, library culture, and campus community. Chicago, IL: Association of College and Research Libraries, Recuperado em 20 março, 2020, de http://ir.uiowa.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1013&context=slis_pubs.

Eshet-Alkalai, Y. (2004). Digital Literacy: A Conceptual Framework for Survival Skills in the Digital Era. Journal of Educational Multimedia and Hypermedia ( Chesapeake, EUA), 13, (1), 93-107.

Federación Internacional de Asociaciones de Bibliotecarios y Bibliotecas (IFLA). (2011) Recomendaciones de la Federación Internacional de Asociaciones de Bibliotecarios y Bibliotecas (IFLA) sobre Alfabetización Informacional y Mediática. Recuperado em 20 março, 2020, de http://www.ifla.org/files/assets/information-literacy/publications/media-info-lit-recommend-es.pdf.

Hall, S. (2003). Da diáspora. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Klayman, J. (1995) Variedades de viés de confirmação. Elsevier: Psicologia da Aprendizagem e Motivação (Amsterdã), 32, (0), 385-418. Recuperado em 20 março, 2020, de https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0079742108603151.

Kuhlthau, C. C. (2004). Como usar a biblioteca na escola: um programa de atividades para o ensino fundamental. Belo Horizonte: Autêntica.

Lee, A.Y & So, C.Y.K. (2015). Media Literacy and Information Literacy: Similarities and Differences. Comunicar: Media Education Research Journal, 21, (42) 137-145.

Lévy, P. (2003). A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. São Paulo: Loyola.

Mata, L. (2009) A competência informacional de graduandos de Biblioteconomia da região sudeste: um enfoque nos processos de busca e uso ético da informação. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual Paulista, Marília, SP. Brasil. Recuperado em 20 março, 2020, de http://www.marilia.unesp.br/Home/Pos-Graduacao/CienciadaInformacao/Dissertacoes/mata_ml_me_mar.pdf.

Nickerson, R. S. (1998). Confirmation Bias: A Ubiquitous Phenomenon in Many Guises. Review of General Psychology, 2 , (2), 175–220.

Salvador, A. D. (1973). Métodos e Técnicas de pesquisa bibliográficas: elaboração e relatório de estudos científicos. Porto Alegre: Sulina.

Romani, J. C. C. (2009) . Strategies to promote the development of e-competencies in the next generation of professionals: european and international trends. S. Publications Cardiff: Cardiff University.

Silverman, C., Strapagiel, L., Shaban, H., Hall, E. & Singer-Vine, J. (2016) Hyperpartisan Facebook Pages Are Publishing False And Misleading Information At An Alarming Rate. Nova Iorque: BuzzFeed News. Recuperado em 20 out. 2016, de https://www.buzzfeednews.com/article/craigsilverman/partisan-fb-pages-analysis#.qgDeN7wJ2.

Spitzer, K. L.; Eisenberg, M. B.; Lowe, C. A. (1998). Information literacy: essential skills for the information age. New York: Syracuse University, Clearinghouse on Information & Technology.

Tomael, M. I., Acará & SILVA, T.E. (2009). Fontes de informação na internet: critérios de qualidade. In: Tomaél, Maria Inês (Org.). Fontes de informação na internet. Londrina: EDUEL..

Zanchetta Junior, J. Educação para a mídia: propostas europeias e realidade brasileira. Educ. Soc. (Campinas), 30, (109), 1103-1122.

Zurkowski, P. G. (1974) Information services environment relationships and priorities. Washington D.C. : National Commission on Libraries.

Wilson, C., Grizzle, A., Tuazon, R., Akyempong, K. & Cheung, C. K. (2013). Alfabetização midiática e informacional: currículo para formação de professores. Brasília: Unesco, UFMT.

Wineburg, S., McGrew, S.,Breakstone, J. & Ortega, T. (2016). Evaluating Information: The Cornerstone of Civic Online Reasoning. Stanford Digital Repository. Recuperado em 25 abril, 2019, de http://purl.stanford.edu/fv751yt5934.

Publicado
2020-10-01
Como Citar
PÍCARO CERIGATTO, M. PROMOVENDO A LITERACIA MIDIÁTICA E INFORMACIONAL NO CONTEXTO EMERGENTE DA DESINFORMAÇÃO: PROPOSTA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL. Revista Observatório , v. 6, n. 6, p. a4en, 1 out. 2020.