ACREDITANDO NO QUE SE FAZ: O DESAFIO COTIDIANO DE  JORNALISTAS DIANTE DA CRISE DO JORNALISMO  IMPRESSO

  • Geder Luiz Parzianello
  • Renata da Silva
  • Nadia Martins
  • Carolina Rodrigues
Palavras-chave: Jornalismo. Jornais. Impresso. Crença. Crise

Resumo

A crença naquilo que fazemos pode ser o único caminhoparapodermosrealmenteenfrentaracrisevividanomeioimpresso.Esta foi a principal conclusão de uma pesquisa de iniciação científica que buscou ouvir o que pensam e sentem os profissionais que atuam ou atuaram em jornais impressos. O objetivo da pesquisa foi descobrir como eles enxergam a atividade que realizamese acreditam no valor daquiloqueelesprópriosproduzem.Buscamoscompreenderseelessesentemafetadosporcrisesconjunturais do jornalismo e como lidam com suas expectativas em relação ao futuro e sobrevida dosjornaisimpressos.Parapensarmosesta questão nos baseamos em conhecimentos interdisciplinares da semiótica ao jornalismo edacomunicaçãoaocampodafilosofiae da sociologia.

Referências

ABRAMO, Claudio. 2006. ​A Regra do Jogo: O Jornalismo e a Ética do Marceneiro​. São Paulo, Companhia das Letras, 270p.
BARBERIA, José Luis e GONÇALVES, Luiz Roberto Mendes​. A internet não vai acabar com jornais impressos​. In: EL PAÍS. Disponível em: https://noticias.bol.uol.com.br/internacional/2010/03/1 9/a-internet-nao-vai-acabar-com-os-jornais-impresso s.jhtm. Acesso em 20/10/2017.
BERGER, Christa. 2002. ​Do jornalismo: toda       notícia que couber, o leitor apreciar e o                 anunciante aprovar a gente pública​. In Jornal: da         forma ao sentido. (orgs. Mourice Mouillaud e Sério Porto). Brasília, UnB, Paralelo 15, p. 273-284.
CHARRON, Jean e BONVILLE, Jean de. 2016. Natureza e transformação do jornalismo​.         Florianópolis, Insular, 398p.
CAMUS, Albert. 1979. ​Le Mythe de Sisyphe​. Trad.       Urbano Tavares Rodrigues e AnadeFreitas.Lisboa, Livros do Brasil, 244p.
DORNELLES, Beatriz. 2009. ​O Futuro do Jornal​.       Revista Famecos. Porto Alegre, nº 40. pp. 63-67.
DORNELLES, Beatriz. 2013. ​O futuro do       jornalismo em cidades do interior​. In: ASSIS,         Francisco de (Org.). Imprensa do interior. Conceitos e contextos. Chapecó, Argos, 326p.
GLEICH, Marta. ​Zero Hora terá edição impressa           de final de semana e nova edição digital no                   domingo​. Disponível em: http://www.anj.org.br/2016/01/29/zero-hora-tera-edic ao-impressa-de-fim-de-semana-e-nova-edicao-digital -no-domingo/Acesso em 08/10/2017.
JENKINS, H. 2008. ​Cultura da convergência​. São     Paulo, Aleph, 432p. LONGO, Walter. ​Abril: a reinvenção da mídia​.         Disponível em: http://www.revistahsm.com.br/estrategia-e-execucao/ abril-reinvencao-damidia/Acesso em 20/10/2017 MELO, José Marques de. 2004. ​Teorias do     Jornalismo​. São Paulo, Paulus, 280p.
MELO, José Marques de. 2009. ​Jornalismo.   Compreensão e reinvenção​. São Paulo, Saraiva,     256p.
NOBLAT, Ricardo. 2008. ​O que é ser jornalista?         Rio, Record, 270p.
ROSENSTIEL, Tom & KOVACH, Bill.​Os Elementos do Jornalismo. O que os jornalistas devem saber e o público exigir​. São Paulo: Gravação Editorial,       2008. 302p.
PEIRCE, C. Sanders. ​Semiótica e Filosofia​. 1993. Trad. Octanny Silveira da Mota e Leonidas Hegenberg. São Paulo, Cultrix, 164p.
TEIXEIRA, Fabrício; MANZANO, Rodrigo. 2008. ​A gramatura do Papel-jornal​. Revista Imprensa,     agosto, ano 21, nº 237, p.23.
SÁ, Xico. 2013.​O jornal em papel não vai acabar​. Disponível em http://www.casadosfocas.com.br/o-jornal-de-papel-na o-vai-acabar-nunca-afirma-xico-sa/Acesso em 20/10/2017. TRAQUINA, Nelson. 2013. ​Teorias do Jornalismo. Vol II. A tribo jornalística- uma comunidade               interpretativa transnacional​. Florianópolis: Insular,   206p.
Publicado
2018-08-09