O TRABALHO DE EDUCADORAS DA REDE PÚBLICA:

ENTRE O GERENCIALISMO E O SOFRIMENTO ÉTICO

  • Graziele Alves Amaral Universidade Federal de Goiás (Curso de Psicologia / Unidade Acadêmica de Ciências Humanas e Letras)
  • Raniery dos Santos Marcelino Universidade Federal de Goiás
  • Andria Luiza Rodrigues da Silva Universidade Federal de Goiás
Palavras-chave: Trabalho docente; Gestão gerencialista; Sofrimento ético; Clínica Psicodinâmica do Trabalho, trabalho docente, gestão gerencialista, sofrimento ético, clínica psicodinâmica do trabalho

Resumo

Esse estudo teve como objetivo apresentar as perspectivas da competição e da cooperação no trabalho docente a partir dos achados de duas clínicas do trabalho realizadas com grupos distintos de educadoras de escolas públicas. Adotaram-se os dispositivos da Clínica Psicodinâmica do Trabalho na escuta dos grupos, e a técnica de Análise Clínica do Trabalho para o tratamento dos dados. Um aspecto em comum nos dois grupos foi a sobrecarga de trabalho, não só pela extensa carga horária, mas pela assunção de papeis que ultrapassam as prescrições do ensino em sala de aula. Em uma das escolas, bem classificada no ranking avaliativo local, predomina-se o estilo gestão gerencialista, trazendo repercussões para as relações interpessoais, marcadas pelo individualismo e pela competitividade. A outra escola, localizada mais à margem dos padrões avaliativos, a despeito das dificuldades das condições de trabalho, apresentava um cenário mais propício à cooperação e à mobilização frente ao sofrimento ético. As relações pautadas na construção de laços afetivos podem ser favorecedoras de uma educação mais emancipadora e mais saudável.

Biografia do Autor

Graziele Alves Amaral, Universidade Federal de Goiás (Curso de Psicologia / Unidade Acadêmica de Ciências Humanas e Letras)
Professora Adjunta no curso de Psicologia da Universidade Federal de Jataí (UFJ); Psicóloga pela UFMG; Doutora em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações pela Universidade de Brasília (UnB); mestre em Administração pela FEAD. Endereço: Rua Dona Esmeralda, 606. Vila Fátima. Jataí/GO. CEP: 75.803-095
Raniery dos Santos Marcelino, Universidade Federal de Goiás

Psicóloga pela Universidade Federal de Goiás

Andria Luiza Rodrigues da Silva, Universidade Federal de Goiás

Graduanda em Psicologia pela Universidade Federal de Goiás

Referências

Amaral, G. A. (2018). Escuta clínica do trabalho e (re)significação do sofrimento de professoras readaptadas. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação e Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações, Universidade de Brasília, Brasília.

Arbex, A. P. S., Souza, K. R., & Mendonça, A. L. O. (2013). Trabalho docente, readaptação e saúde: a experiência dos professores de uma universidade pública. Physis Revista de Saúde Coletiva, 23(1), 263-284.

Barreto, M., & Heloani, R. (2015). Violência, saúde e trabalho: a intolerância e o assédio moral nas relações laborais. Serviço Social & Sociedade, 123, 544-561.

Boy, L.C.G., & Duarte, A. M. C. (2014). A dimensão coletiva do trabalho docente: uma experiência em duas escolas municipais de Belo Horizonte. Educação em Revista, 30 (4), 81-104.

Carvalho, M. P., Toledo, C. T., Oliveira, I. G., Modesto, A. E., & Silva Neto, C. (2018). Cuidado e gerencialismo: para onde vai o trabalho das professoras. Educação em Revista.

Dejours, C. (1992). A Loucura do Trabalho – estudo de Psicopatologia do Trabalho. São Paulo: Cortez-Oboré, 5 ed.

Duarte, F. S., & Castro, T. C. M. (2014). Cínica das patologias com professores da rede pública do Distrito Federal. Em A. M. Mendes, C. G. Bottega & T. C. M. Castro (Orgs.). Clínica psicodinâmica do trabalho de professores: práticas em saúde do trabalhador. (pp. 151-168), Curitiba: Juruá.

Freitas, L. G. (2013). Docentes, seu trabalho e a dinâmica de prazer-sofrimento. Em L. G. Freitas (Coord.). Prazer e Sofrimento no Trabalho Docente – pesquisas brasileiras (pp. 35-47). Curitiba: Juruá.

Ghizoni, L. D. (2013). Cooperação. Em F. de O. Vieira; A. M. Mendes, & A. R. C. Merlo (Orgs.). Dicionário Crítico de Gestão e Psicodinâmica do Trabalho (pp. 99-102). Curitiba: Juruá.

Mariano, M. S. S., & Muniz, H. P. (2006). Trabalho docente e saúde: o caso dos professores da segunda fase do ensino fundamental. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 6(1), 76-88.

Mendes, A. M. (2014). Escuta analítica do sofrimento e o saber-fazer do clínico do trabalho. Em A. M. Mendes, R. D. Moraes, & A. R. C. Merlo (Orgs.). Trabalho & Sofrimento: práticas clínicas e políticas (pp. 65-80). Curitiba: Juruá.

Mendes, A. M. (2015, abril). Entrevista: Ana Magnólia Mendes - Meu trabalho me adoece? Entrevista concedida a Patrício Reis. Jornal (En)Cena. Recuperado a partir de: https://www.google.com.br/?gws_rd=ssl#q=entrevista+ana+magn%C3%B3lia+meu+trabalho+me+adoece

Mendes, A. M., & Araújo, L. K. R. (2012). Clínica psicodinâmica do trabalho: o sujeito em ação. Curitiba: Juruá.

Mendes, A. M., & Duarte, F. S. (2013). Mobilização subjetiva. Em F. de O. Vieira; A. M. Mendes; & A. R. C. Merlo (Orgs.). Dicionário Crítico de Gestão e Psicodinâmica do Trabalho (pp. 259-262). Curitiba: Juruá.

Mendes, A. M. & Ghizoni, L. D. (2016). O trabalho e as desmesuras do consumismo: do sujeito invocado ao sujeito invocante. Editorial Revista Trabalho En(Cena), v. 01, n. 01.

Mendes, A. M., Takaki, K., & Gama, L. P. (2016). Do sujeito invocado ao sujeito invocante: a violência no trabalho como recusa do desamparo. Em B. Farah (Org.). Assédio Moral e Organizacional: novas modulações do sofrimento psíquico nas empresas contemporâneas (pp. 151-160). São Paulo: LTr80.

Moser, I. R. F. (2012). A crise da autoridade na educação: o discurso e a imagem docente reformulada. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Ribeiro, C. V., Léda, D. B., Silva, E. P., & Freitas, L. G. (2016). Trabalho intensificado de professores da educação básica e superior: confluências e especificidades. Trabalho (En)Cena, 01(1), 50-68.

Ricardo, G. L. C., Barreto, M. J. C., Campos, C. O. & Castro, T. C. M. (2014). Clínica do trabalho: a aposta em uma categoria saudável no Sinpro-DF. Em A. M. Mendes, C. G. Bottega & T. C. M. Castro (orgs.). Clínica psicodinâmica do trabalho de professores: práticas em saúde do trabalhador (pp. 39-54) Curitiba: Juruá.

Ristum, M. (2010). Violência na escola, da escola e contra a escola. Em S. G. de Assis, P. Constantino & J. Q. Avanci (Orgs.). Impactos da violência na escola: um diálogo com professores. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Santos, G. O., & Monteiro, J. K. (2018). Saúde mental do trabalha(dor) na educação: um relato de experiência a partir da Clínica Psicodinâmica do Trabalho. Trabalho (En)Cena, 03(2), 144-156.

Traesel, E. S., & Merlo, A. R. C. (2013). A psicodinâmica do trabalho docente no contexto de uma escola pública do Rio Grande do sul. In Freitas, L. G. (coord.), Prazer e sofrimento no trabalho docente: pesquisas brasileiras. (pp. 129-148) Curitiba: Juruá.

Publicado
2020-12-22
Seção
Artigo de Pesquisa