AS PINTURAS CORPORAIS DO POVO KARAJÁ-XAMBIOÁ:

PERSPECTIVAS E CONSIDERAÇÕES SOCIOCULTURAIS

  • Francisco Edviges Albuquerque uft
  • Adriano Dias Gomes Karajá uft

Resumo

O povo Karajá-Xambioá, também conhecido como Karajá do Norte ou Irarumahadu (povo de baixo), pertencente ao tronco linguístico Macro-Jê, e família língua Karajá, possui uma população aproximada de 543 (DSEI 2016) indígenas, distribuídos em quatro aldeias; Xambioá, Kurehê, Wari Lỹtỹ e Hawa Tamara. Este artigo objetiva uma análise da historicidade dos usos dos grafismos Karajá-Xambioá, fazendo um apanhado histórico e cultural da representatividade e da interface entre o grafismo e o território na composição cultural desse povo. O grafismo possui sentidos diversos, não somente na vaidade, mas na busca pela estética perfeita e pelos valores que são transmitidos através da arte dos traços tradicionais. O problema de estudo trata do contato com o não indígena, que causou danos a história desse povo, com perda de identidade cultural, deixando de praticar seus rituais, dentre eles a sua pintura corporal. Dentre os resultados tem-se o resgate sobre a cultura da “arte indígena”, especificamente o grafismo corporal do povo Karajá-Xambioá, contribuindo para a manutenção e registro das pinturas, além de ser também uma importante peça para a educação escolar indígena do povo, assegurando as memórias e os traços para as futuras gerações.

Palavras-chave: Grafismos, Karajá-Xambioá, Pinturas corporais.

Referências

ALBUQUERQUE, Francisco Edviges .(Org.). Arte e Cultura do Povo Krahô. Belo Horizonte: FALE/UFMG: Núcleo Transdisciplinar de Pesquisa Literaterras. 2012. 247p.

ALVES, Eder Vasconcelos. Karajá: a história de um povo em seu corpo. Que pensa, que fala e que reivindica. Monografia – Universidade Estadual de Goiás, 2009.

BALDUS, Herbert 1937 – “Mitologia Karajá e Teren”, In Baldus, H. Ensaios
de Etnologia Brasileira. São Paulo, Brasiliana.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. 1988. versão on-line. Disponível: www.planalto.gov.br/ccivil.../Acesso dia 03-abr-2018.

BRASIL. RCNEI - Referencial Curricular Nacional para a Educação Indígena. Brasília: MEC/SEF, 2002.
CELANI, M. A. A. Questões de ética na pesquisa em Linguística Aplicada. Linguagem e Ensino, Porto Alegre: Artmed, 2004.
COSTA, M. H. F. A arte e o artista na sociedade karajá. Brasília: Fundação Nacional do Índio, 1978.
DSEI/TO. Distrito Sanitário Especial Indígena. Atenção à Saúde dos Povos Indígenas -Caracterização e Estágio da Implantação dos Distritos Sanitários Especiais Indígenas. Disponível em: http://www.bvsde.paho.org, acesso em 06jun2017.
FLICK, U. Qualidade na pesquisa qualitativa: Coleção Pesquisa Qualitativa. Porto Alegre: Penso, 2011.
FUNAI, 2017. Povos indígenas. Disponível em http://www.funai.gov.br/index.php/indiosnas, acesso em 22jun2018.
LIEBSCHER, Peter. Quantity with quality? Teaching quantitative and qualitative methods in a LIS Master’s program. Library Trends, v. 46. Spring 1998.
LIMA FILHO, M. F. Entre a paixão e a técnica: refl exões sobre o processo de identificação e demarcação das terras dos Karajá de Aruanã (GO). In: LIMA, A. C. de S.; BARRETTO FILHO, H. T. Antropologia e identifi cação. Rio de Janeiro: Contra-Capa, 2005. p. 323-353.
LOPES DA SILVA, Aracy; GRUPIONI Luís Donisete Benzi. Mito, Razão, História e Sociedade: Inter-relações nos universos Socioculturais indígenas. In: LOPES DA SILVA, Aracy. GRUPIONI, L. D. (Org). A Temática Indígena na Escola. MEC/MARI; UNESCO, 3ª, ed., 2001.
RIBEIRO, Berta G. Arte Indígena, Linguagem Visual. São Paulo/Belo Horizonte: Universidade de São Paulo/Itatiaia, 1989.
RODRIGUES, P. de M. O povo do Meio: tempo, cosmo e gênero entre os Javaé da ilha do Bananal. Dissertação (Mestrado em Antropologia)–Universidade de Brasília, Brasília, 1993.
TAVEIRA, E. L. de M. Arte indígena Karajá. In: MENEZES, A. Da caverna ao museu: dicionário de artes plásticas em Goiás. Goiânia: Agência Goiana de Cultura Pedro Ludovico Teixeira, 2002. p. 27.
TORAL, A. de A.. Cosmologia e Sociedade Karajá. 1992. 414f. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro/Museu Nacional, Rio de Jnaiero, 1992.
TORAL, A. de A. Karaja do norte. http://pib.socioambiental. org/pt/povo/karaja.atoral2uol.com.br. agosto, 2001
Publicado
2018-10-31
Como Citar
Albuquerque, F., & Karajá, A. (2018). AS PINTURAS CORPORAIS DO POVO KARAJÁ-XAMBIOÁ:. DESAFIOS, 5(Especial), 35-47. https://doi.org/10.20873/uft.2359-3652.2018v5nEspecialp35