HISTÓRIA E MEMÓRIA DO “MASSACRE DE ELDORADO DO CARAJÁS”

Exploração, conflito e violência no Sul do Pará – 1995 – 2010.

  • Kelly Carolyne Cirqueira Alves UFT - Universidade Federal do Tocantins
  • Euclides Antunes de Medeiros Universidade Federal do Tocantins

Resumo

RESUMO

Nossa proposta investigou e historicisou o conflito que ocorreu entre as forças de segurança do Estado do Pará e os trabalhadores rurais, ocorrido no dia 17 de Abril de 1996 na cidade de Eldorado do Carajás, onde, mais uma vez, no que se refere ás questões sociais vinculadas aos trabalhadores rurais e sua luta pela terra, o uso da violência prevaleceu como “solução” encontrada pelo mando político de caráter oligárquico, quase um “poder paralelo” a um poder judicial frágil, mantidos pelo uso da força, neste quadro ocorre o Massacre de Eldorado do Carajás, que culminou com a morte de 19 trabalhadores. Procuramos desvelar os sentidos diversificados das narrativas sobre o episódio dependendo de quem narra essas memórias: os sobreviventes, agentes pastorais, padres, intelectuais, policiais, jornalistas no sentido de desvelar os significados que se atrelam a interesses específicos dependendo da inserção desses sujeitos diversificados no campo da memória, uma memória que é reativada, por vários enunciados, dentre eles os literários, pois é um meio que as vítimas acharam para expressar sua dor e sofrimento. Nesse sentido nossa pesquisa se propõe a levantar e problematizar as fontes disponíveis na CPT-Xinguara - PA dando ênfase á analise das narrativas de memória.

Palavras-chave: Violência; Memória, Literatura.

Referências

BRELAZ, Walmir. Os sobreviventes do Massacre de Eldorado do Carajás. Edição do autor, 2007.
HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.
LE BRETON, Binka. Todos sabiam: a morte anunciada do padre Josimo. Araguaia, TO: CPT; São Paulo: Loyola.
MARTINS SOUZA, José. Expropriação e violência: a questão politica no campo. 1980. 3ª. Ed. São Paulo, Hucitec, 1991. 182p.
NEPOMUCENO, Eric. O massacre – Eldorado do Carajás: uma história de impunidade. São Paulo: Editor Planeta do Brasil, 2007.
OZIEL ALVES PEREIRA O ZUMBI DO PARÁ Disponível em: http://www.overmundo.com.br/banco/oziel-alves-pereira-o-zumbi-do-para. Acesso em: 25. Novem. 2014.
POLLACK, Michael. Memória, Esquecimento, Silêncio. Volume2, nº 3, 1989.
PORTELLI, Alessandro. A Filosofia e os Fatos: Narração, interpretação e significado nas memórias e nas fontes orais. Tempo. Rio de Janeiro, n. 2, vol. 1, 1996.
RICOEUR, Paul. A Memória, a História, o Esquecimento. Campinas, SP: UNICAMP, 2007.
RÜSEN, Jörn. Como dar Sentido ao Passado: questões relevantes de meta-história. Revista História da Historiografia, número 02, março-2009.
SARLO, Beatriz. Tempo Passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: UFMG, 2005.
THOMPSON, E. P. A miséria da teoria ou um planetário de erros: uma crítica ao pensamento de Althusser. Rio de Janeiro: Zahar Editores. 1981.
Publicado
2017-02-20
Como Citar
Cirqueira Alves, K., & Medeiros, E. (2017). HISTÓRIA E MEMÓRIA DO “MASSACRE DE ELDORADO DO CARAJÁS”. DESAFIOS, 3(Especial), 60-69. https://doi.org/10.20873/uft.2359-3652.2016v3nespp60
Seção
Artigos