O desenvolvimento econômico regional do Brasil

Palavras-chave: Desenvolvimento Regional, Economia Brasileira, Desenvolvimento Econômico.

Resumo

A agroecologia ainda não forneceu instrumentos e critérios de análise para desenvolver estratégias locais ou regionais, onde os aspectos políticos e institucionais desempenhem um papel fundamental. Este artigo tem como objetivo contribuir para a superação dessas deficiências pela fundação teórica de como deveria ser a agroecologia envolvida na política. A agricultura familiar é o sujeito. É por meio dela que já se desenvolve a agroecologia, obtendo uma transição do modelo da agricultura tradicional, que traz a segurança alimentar para um modelo alternativo. Em primeiro lugar, argumenta-se que, como construção sócio ecológica, agroecossistemas é o produto de relações de poder. Em segundo lugar, mostra a estreita relação que a dinâmica dos agroecossistemas têm com a política e, portanto, o papel de destaque que ocupam no processo de transição agroecológica. É possível perceber a ausência de reflexões sobre a política da Agroecologia. Contudo, a amplitude dos movimentos agroecológicos e as experiências que são realizadas em diferentes níveis de ambos os governos locais e regionais aconselham o desenvolvimento por aspectos políticos da teoria agroecológica. Finalmente, tentada a um diagnóstico sob a situação do sistema global de alimentos, no qual o contexto das experiências agroecológicas deve ser desenvolvido.


Palavras-Chave: Agroecologia, Sustentabilidade da Agricultura, Política Pública, Agroalimentar e Crise.


ABSTRACT
The agroecology does not yet provide tools and analysis criteria to develop local and regional strategies, where political and institutional aspects play a key role. This article aims to contribute to overcoming these deficiencies by the theoretical foundation of how it should be
Agroecology involved in politics. Family farming is the subject. It is through her that already develops agroecology, getting a transition from the model of traditional agriculture, which provides food security for an alternative model. First, it is argued that, as a socio-ecological construction, agro-ecosystems is the product of power relations. Secondly, it shows the close relationship that the dynamics of agro-ecosystems have with politics and therefore the important role they occupy in agroecological transition. Currently you can see that there is
very little reflection on the politics of Agroecology. However, the range of agroecological movements and experiences that are held at different levels of both local and regional governments advise the development of political aspects of agro-ecological theory. Finally, a diagnosis attempted under the situation of global food system, in which the context of agroecological experiments must be developed.

Keywords: Agroecology, Sustainable Agriculture, Public Policy, Agribusiness and Crisis.

Referências

AZZONI, R. C. 2002. Sobre a Necessidade da Política Regional. In CON, A. Unidade e Fragmentação: A questão regional no Brasil. São Paulo-SP, Perspectiva.

BACHA, C. J. C. 2004. Economia e Política Agrícola no Brasil. São Paulo, Atlas.

BAER, W, 2002. Economia Brasileira. Tradução de Edite Sciuli. 2ª ed, São Paulo, Nobel, 509 p.

BANCO DE DADOS AGERGADOS IBGE. Disponível em http://www.sidra.ibge.gov.br/. Acessado em 04/04/2014

BEZERRA, F. 2007. A. Análise fatorial. In: CORRAR, L. J.; PAULO, E.; DIAS FILHO, J. M. (Orgs). Análise Multivariada para cursos de Administração, Ciências Contábeis e Economia. São Paulo, Atlas. p. 73-129.

BOISIER, S, 2000. Desarollo (local): De qué estamos hablando: In: BECKER, D. F.; BANDEIRA, P. S. (org.). Determinantes e Desafios Contemporâneos. Vol. 1. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, p. 129 –147.

CUNHA, A.; SIMÕES R.; PAULA, J. 2005. A. Regionalização e História: uma contribuição introdutória ao debate teórico – metodológico. Disponível em http://www.cedeplar.face.ufmg.br/pesquisas/td/TD%20260.pdf. Acessado em 05/05/2014

DATASUS – Informações demográficas e socioeconômicas. Disponível em http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index. php?area=0206. Acessado em 30/07/2014.

EBERHARDT, P. H. C. 2013. Estágios do Desenvolvimento Econômico Regional no Sul do Brasil. Toledo, PR. Dissertação de Mestrado (Desenvolvimento Regional e Agronegócio) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE, 103 p.

FERRERA DE LIMA, J.; ALVES, L. R.; EBERHARDT, P. H. C.; DEL BIANCO, T. S. 2012. Mensurar as desigualdades regionais no Brasil: proposta metodológica. In: ETGES, V.; AREND, S. C. Cepal: leituras sobre o desenvolvimento latino-americano. Santa Cruz do Sul, EdUnisc, p. 270-290.

GUALDA, N. L. P. IDR. 1995. Proposta Metodológica. Texto para Discussão. Programa de Mestrado em Economia – PME. Universidade Estadual de Maringá.

HIRSCHMAN, A. 1961. Estratégia do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro, Fundo de Cultura.

IPEADATA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Disponível em: <_www.ipeadata.gov.br_. Acesso em 2 de Maio/2014.

KUZNETS, S. 1985. Crescimento econômico moderno: descobertas e reflexões. Revista Brasileira de Economia. Rio de Janeiro, vol. 39(2), p. 225-239.

______.1986 Crescimento econômico moderno: ritmo, estrutura e difusão.1ª ed. São Paulo: Abril Cultural, 336 p.

______. 1983. Crescimento Econômico e Desigualdade de Rendimento. In: SILVA, M. (Org.) Desenvolvimento econômico e repartição do rendimento. Lisboa, Estampa, p. 21-50.

LIMA, A. E. M. 2006. A teoria do desenvolvimento regional e o papel do Estado. Análise Econômica. Porto Alegre, vol. 45, p. 65-90.

MELLO, C. O. 2006. Caracterização do desenvolvimento rural dos municípios paranaenses: uma análise com base na estatística multivariada. Maringá, PR. Dissertação de Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Economia - Mestrado) Universidade Estadual de Maringá - UEM.

MYRDAL, G.1968. Teoria Econômica e regiões subdesenvolvidas. 2ª ed., Rio de Janeiro, Saga, 208 p.

NORTH, D.. 1955. Location Theory and regional economic growth. Journal of

PELINSKI, A. 2007. Padrão de desenvolvimento econômico dos municípios do Paraná: disparidade, dispersão, e fatores exógenos. Toledo, PR. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Desenvolvimento Regional e Agronegócio). Universidade Estadual do Oeste do Paraná – Unioeste.

PEREIRA, J. C. 2001. Análise de dados qualitativos: estratégias metodológicas para as ciências da saúde, humanas e sociais. 3º ed. São Paulo. Editora da Universidade de São Paulo.

PERROUX, F.1977. O conceito de polos de crescimento. In.: SCHWARTZMAN, J. Economia Regional: textos escolhidos. CEDEPLAR/CETEDRE – MINTER. Belo Horizonte.

PIACENTI, C. A.; FERRERA DE LIMA, J.; ALVES, L. R.; PIFFER, M.; RIPPEL, R. 2012. Análise Regional: metodologias e indicadores. Curitiba-PR, Camões.

PIACENTI, C.A. 2009. O potencial de desenvolvimento endógeno dos municípios paranaenses. Viçosa, MG. Tese de Doutorado (Doutorado em Economia Aplicada). Universidade Federal de Viçosa (UFV). 224 p.

RAIS- Relação Anual de Informações Sociais. Disponível em http://bi.mte.gov.br/bgcaged/inicial.php. Acessado em 01/08/2014.

ROSTOW, W. W. 1978. Etapas do desenvolvimento econômico: um manifesto não comunista. Rio de Janeiro, Zahar Editores. 6ª ed., 1978.

SARMENTO, A. D. 2008. Etapas do desenvolvimento econômico no Brasil – Um Exercício Rostowiano. São Paulo, SP. Dissertação de Mestrado (Pós-Graduação de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas). Universidade de São Paulo (USP). 199 p.

SEN, A. K. 2000. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras.

SILVA, E. P.; OLIVEIRA, E. A. A. Q.; ARAUJO, E. A. S. 2012. O conceito de desenvolvimento econômico regional: uma revisão teórica. In: The 4th International Congress on University-Industry Cooperation. Taubate – SP.

SINGER, P.1985. Economia política da urbanização. 2ª ed. São Paulo: Contexto. 151 p.

VIEIRA, E. T.; SANTOS M. J. 2012. Desenvolvimento econômico regional – uma revisão histórica e teórica. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional. Taubaté, vol. 08 (02), p.344-369.

Publicado
2016-06-02
Como Citar
O desenvolvimento econômico regional do Brasil. (2016). DESAFIOS - Revista Interdisciplinar Da Universidade Federal Do Tocantins, 2(2), 155-180. https://doi.org/10.20873/uft.2359-3652.2016v2n2p155
Seção
Artigos