PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA NA POPULAÇÃO PEDIÁTRICA NO ESTADO DO TOCANTINS, DE 2009 A 2019

  • Bruno Godoy ITPAC- PALMAS
  • Júlia Camargo Gonçalves Cunha ITPAC-PALMAS
  • Mariana Costa Teixeira
  • Sabrina dos Santos do Carmo
  • Letícia Cerqueira de Santana
  • Ricardo Cardoso Guimarães ITPAC-PALMAS

Resumo

 

Resumo: A Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) é uma doença infecciosa crônica causada pelo protozoário Leishmania, pertencente ao espectro das zoonoses. Objetivos: Descrever o perfil epidemiológico de casos diagnosticados de LTA em indivíduos de 0 a 19 anos no Estado do Tocantins entre 2009 e 2019, relacionando os índices encontrados com os determinantes de saúde. Metodologia: Coletaram-se dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) referentes aos casos de LTA entre 2009 e 2019 no Tocantins. As variáveis pesquisadas foram: faixa etária, raça, sexo, tipo de entrada, forma clínica, classe epidemiológica, critério confirmativo e evolução do caso. Resultados: O Tocantins apresentou 992 casos diagnosticados de LTA entre 2009 e 2019 para indivíduos entre 0-19 anos. Desses, 411 (41,43%) foram encontrados em indivíduos de 15-19 anos. Os índices de sexo e raça evidenciaram prevalência entre homens 701 (70,67%) e pardos 698 (70,36%). O principal tipo de entrada foram casos novos 941(94,86%) e a forma cutânea prevalente, 956 (96,37%) pacientes. Quanto à classe epidemiológica houve prevalência de casos autóctones em 984 (99,90%). Entre os critérios confirmatórios o exame laboratorial foi o mais utilizado em 715 (72,08%) das situações e desses 824 (83,06%) evoluíram com cura. Discussão: Os dados coletados apontam um perfil epidemiológico formado majoritariamente por adolescentes e adultos jovens, pardos e infectados pela primeira vez. O Tocantins apresenta elevados índices devido às características locais: clima adequado ao desenvolvimento do vetor, desmatamento, atividades ocupacionais de alta exposição, habitações precárias e população rural. Esses fatores contribuem para o aparecimento de casos novos, confirmados pelo tipo de entrada, tornando o estado um dos principais focos. Conclusão: O diagnóstico e enfrentamento da LTA na população pediátrica e adolescente possui empecilhos, representando um desafio em regiões acometidas pela doença. A escassez de estudos nacionais direcionados para essa parcela populacional, contribuem para a manutenção desse cenário.

 

Publicado
2022-05-08