INOVAÇÃO E DEMOCRACIA: Civic hacking como ferramenta de tecnologia social na experiência do projeto “Nós propomos”– Palmas/TO

Palavras-chave: Nós Propomos; Participação Popular; Inovação Social; Civic Hacking ; Living Labs.

Resumo

O presente artigo aborda a experiência do projeto ‘Nós Propomos’, que tem como temática a introdução da cultura participativa ao jovem em idade escolar além de colocá-lo em um papel de protagonismo, com oportunidade de conduzir ações transformadoras no espaço urbano da cidade.Nesse sentido, será abordada a estrutura do projeto Nós Propomos como um modelo de inovação social, que perpassa pelos conceitos de civic hacking (estímulo aos próprios cidadãos, para de forma colaborativa, criarem soluções para cidades) e Living Labs (ambiente de inovação aberta, baseada em situações reais em que a inovação é centrada no usuário, onde este assume a condição de co-criador de novos serviços, produtos e infraestruturas sociais.

 

PALAVRAS-CHAVE: Nós Propomos; Participação Popular; Inovação Social; Civic Hacking ; Living Labs.

 

 

ABSTRACT

This article discusses the experience of the 'Nós Propomos' project, which has as its theme the introduction of participatory culture to school-age youth, as well as placing it in a leading role, with the opportunity to conduct transformative actions in the urban space of the city. In this sense, the structure of the Nós Propomos project will be approached as a model of social innovation, which goes through the concepts of civic hacking and Living Labs (open innovation environment, based on real situations where innovation is user-centered, where it assumes the co-creator of new services, products and social infrastructures.

 

KEYWORDS: Nós Propomos; Popular participation; Social Innovation; Civic Hacking; Living Labs.

 

 

RESUMEN

El presente artículo aborda la experiencia del proyecto 'Nós Propomos', que tiene como temática la introducción de la cultura participativa al joven en edad escolar además de colocarlo en un papel de protagonismo, con oportunidad de conducir acciones transformadoras en el espacio urbano de la ciudad. En este sentido, se abordará la estructura del proyecto Nós Propomos como un modelo de innovación social, que atraviesa por los conceptos de civilic hacking (estímulo a los propios ciudadanos, para de forma colaborativa, crear soluciones para ciudades) y Living Labs (ambiente de innovación abierta, basada en situaciones reales en que la innovación se centra en el usuario, donde éste asume la condición de co-creador de nuevos servicios, productos e infraestructuras sociales.

 

PALABRAS CLAVE: Nosotros proponemos; Participación Popular; Innovación Social; Civic Hacking; Living Labs.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Aparecido Bazolli, Universidade Federal do Tocantins

Professor Adjunto na Universidade Federal do Tocantins (UFT) do Curso de Direito. Docente Permanente no Programa de Mestrado e Doutorado em Desenvolvimento Regional (PPGDR/UFT). Fez pós-doutorado na Universidade de Lisboa sobre o tema "democracia participativa". Líder do grupo multidisciplinar: Cidade e Meio Ambiente (CNPq). Pesquisador com atuação na linhas (i) regularização fundiária urbana e a segregação socioespacial; (ii) planejamento urbano, mobilidade na cidade e a dicotomia do crescimento urbano desordenado e seu desdobramento à expansão das periferias; (iii) plano diretor, políticas públicas, meio ambiente e sociedade; e (iv) participação social e a democracia direta. Coordenador nacional do (GT-Cidades) no Instituto de Pesquisa, Diretos e Movimentos Sociais (IPDMS). Membro do Núcleo de Estudos Urbanos e das Cidades - Neucidades/UFT. Coordenador Regional (Norte) do IBDU - Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico. Faz parte da equipe do Projeto Nós Propomos - IGOT/Universidade de Lisboa - Portugal. Presidente da Comissão Especial de Direito Urbanístico (CEDU) da OAB/TO. Membro da Comissão Especial de Planejamento Urbano e Ambiental (CEPUA) do CAU/TO. Pesquisador Líder em Palmas do Projeto Global Municipal Database (GMD) da United Nations Human Settlements Programme (UN-Habitat), relativo aos assuntos de urbanização e assentamentos humanos dentro do sistema da ONU. E-mail: jbazolli@uft.edu.br

Lucas Rodrigues Dantas, Universidade Federal do Tocantins

Arquiteto e Urbanista pela UFT, Especialista em Gerenciamento de Obras, Tecnologia & Qualidade da Construção Civil pelo Instituto de Pós-Graduação - IPOG. Mestre em Desenvolvimento Regional (PPGDR/UFT). Membro do Projeto de Pesquisa Cidade e Meio Ambiente: Estudo Ampliado em Perspectiva Interdisciplinar da UFT. E-mail: arqlucasdantas@gmail.com.

Eliene Campelo Coelho, Universidade Federal do Tocantins

Jornalista com graduação em Comunicação Social pela UFT. Especialista em Comunicação, Educação e Novas Tecnologias (UFT). Mestre em Desenvolvimento Regional (PPGDR/UFT). E-mail: elienejor@gmail.com.

Referências

ABERS, Rebecca; SERAFIM, Lizandra; TATAGIBA, Luciana. Repertórios de Interação Estado-Sociedade em um Estado Heterogêneo: a Experiência na Era Lula in DADOS – Revista de Ciências Sociais, vol.57, nº2, pp 325 a 357, Rio de Janeiro, 2014.

ANASTASIA, Fátima, “A Responsabilização por Controle Parlamentar” in: A Responsabilização da Administração Pública na América Latina, CLAD, Venezuela, 2000.

ARNSTEIN, S.R. A Ladder of Citizen Participation. In Journal of the American Institute of Planners, Vol. 35, No. 4, July 1969, p. 216-224. Disponível em: . Acesso em: 15 Ago. 2017.

AZEVEDO, Sérgio; ABRANCHES, Mônica. Participação, ação coletiva e conselhos setoriais: O caso da região metropolitana de Belo Horizonte in: XXV Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Ciências Sociais – AMPOCS, 2001.

BAZOLLI, João Aparecido. A extensão como indutora à participação popular: Um relato de experiência com os jovens do ensino médio. Palmas-TO, Brasil. 2016. Disponível em <http://nospropomos.blogspot.com.br/p/bibliografia.html>. Acessado em: 25 de agosto de 2017.

BRASIL. (2001) Lei 10.257 de 10 de julho de 2001: Regulamenta os artigos 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Brasília: Congresso Nacional.

_____. Constituição da República Federativa do Brasil. Texto de 5 de outubro de 1988 e alterações adotadas pelas emendas Constitucionais nos 1/1992 a 55/2007 e pelas Emendas Constitucionais de Revisão nos a 6/1994.

CLAUDINO, Sérgio. Educação geográfica, trabalho de campo e cidadania. Lisboa, Portugal. 2016. Disponível em <http://nospropomos.blogspot.com.br/p/bibliografia. hm>. Acessado em: 25 de agosto de 2017.

European Network of Living Labs (ENoLL). Disponível em: <http://www.openlivinglabs.eu/> Acesso em: 25 de Ago 2017.

FEURSTEIN, K., HESMER, K. A, HRIBERNIK, K-D and SCHUMACHER, J. Living Labs: A New Development Strategy. In European Living Labs – A new approach for human centric regional innovation, Eds. J. Schumacher & V-P Niitamo. Berlin: Wissenschaftlicher Verlag Berlin, pp. 1-14, 2008.

GABOR, D. Innovations: scientific, technological, and social (New York: Oxford University Press) vi, 113, 1970.

GAMA, Kiev. Hackeando a cidade in Revista FONTE – Tecnologogia da Informação na Gestão Pública, Ano 12, nº 15, p.41-43, Belo Horizonte, dez. 2015.

GOHN, M. G. Conselhos Gestores e Participação Sociopolítica. São Paulo: Cortez, 2003.

MONTORO, A. F. Construir uma sociedade mais justa. In: CHALITA, G. (Org.) Vida para sempre jovem. São Paulo: Siciliano, 1992.

MOULAERT, F.; MARTINELLI, F.; SWYNGEDOUW, E; GONZÁLEZ, S. Towards alternative model(s) of local innovation. Urban Studies, vol. 42, n. 11, p. 1969-1990, 2005.

MULGAN, G. & STEINBERG, T. Wide Open: Open Source Methods and their Future Potential, London, Demos, 200 MULGAN, G. & STEINBERG, T. Wide Open: Open Source Methods and their Future Potential, London, Demos, 2005. 5.

PATEMAN, C.. Participação e teoria democrática. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

SAYAGO, D. A. V. A invenção burocrática da participação: discursos e práticas no Ceará. Tese (Doutorado) Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília. Brasília, 2000.

SILVA, Silvio B. A emergência dos livings labs no brasil como um meio para a promoção da inovação social. Disponível em <http://periodicos.unesc.net/seminariocsa/article/viewFile/653/644>. Acessado em 25 ago 2017

SIMÕES, Gabrile L.; Simões, Janaína M.. Reflexões sobre o conceito de participação social no contexto brasileiro in VII Jornada Internacional de Políticas Públicas, São Luiz-MA. Disponível em < http://www.joinpp.ufma.br/jornadas/joinpp2015/pdfs/eixo3/reflexoes-sobre-o-conceito-de-participacao-social-no-contexto-brasileiro.pdf > . Acessado em: 26 Ago. 2017

STAHLBRÖST, A. Forming Future IT: The Living Lab Way of User Involvement. Doctoral Thesis: Lulea University of Technology, 2008.

TAYLOR, J. Introducing Social Innovation. The Journal of Applied Behavioral Science, 6 (6): 69-77, 1970.

TOWNSEND, A. M. Smart Cities: Big data, civic hackers, and the quest for a new utopia. USA: W.W. Norton & Company, Inc., 2013.

Publicado
2018-10-08
Como Citar
BAZOLLI, J.; DANTAS, L.; COELHO, E. INOVAÇÃO E DEMOCRACIA: Civic hacking como ferramenta de tecnologia social na experiência do projeto “Nós propomos”– Palmas/TO. Revista Observatório, v. 4, n. 6, p. 944-964, 8 out. 2018.
Seção
Tema Livre / Free Theme / Tema Libre